quinta-feira, 7 de julho de 2016

“Rui Ramalho foi rei na Rampa do Caramulo”

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTANHA JUNTA 35 PILOTOS NO CARAMULO

De volta à Serra do Caramulo, realizou-se nos dias 2 e 3 de Julho, a 11ª edição da Rampa do Caramulo, prova integrada no Campeonato Nacional de Montanha Valvoline 2016.

Foram muitos, os amantes da montanha, que rumaram até à mítica Serra do Caramulo para, durante dois dias, desfrutarem das emoções ao rubro pela velocidade e perícia dos pilotos em competição pela conquista do pódio.

35 Pilotos participaram na prova, organizada pelo Targa Clube, em parceria com o Museu do Caramulo e o Município de Tondela.

Entre as ausências, o destaque maior foi para a de Pedro Salvador, invicto líder da classificação absoluta do campeonato, dando assim motivação extra aos seus perseguidores mais diretos, perante a possibilidade de encurtar diferenças na pontuação, subindo a emotividade na discussão do título maior.

Desde o primeiro momento que Rui Ramalho e o seu Osella PA21S EVO se revelaram como os grandes candidatos ao triunfo, sendo sucessivamente muito mais rápidos do que a concorrência e, entre esta, era o seu irmão Paulo Ramalho, ao volante de um Juno CN 09.

O 3º lugar final foi alcançado por José Teixeira, não sem protagonizar um interessante duelo pela posição com o regressado João Fonseca (BRC CM 05 EVO), com este a terminar em quarto, nesta que foi apenas a sua segunda aparição da época no campeonato.

Entre as viaturas ditas “convencionais”, Luís Nunes teve honras de protagonista, levando o seu SEAT Leon ao sexto posto absoluto final, vencendo ainda sem oposição a Categoria 4. Edgar Reis (Porsche 997 GT-3 Cup) foi o grande vencedor da categoria 2 e da classificação reservada aos GT’s, sendo o mais rápido. Não ganhou para o susto quando, na segunda subida de prova, deu um toque de traseira e ficou sem tempo averbado. Partiu assim para a terceira e derradeira tentativa com a obrigação de registar um tempo para se classificar, mas respondeu à pressão com um bom tempo e a vitória não lhe fugiu, por escassos 76 milésimos de segundo (na soma dos tempos das duas subidas), sendo ainda 7º classificado da geral.

Na categoria 3, a vitória foi parar às mãos de Manuel Correia e do seu Ford Fiesta R5, depois de uma luta titânica com Luís Silva (BMW M3), com apenas 1,2 segundos a separá-los no final. Já na Categoria 5, assistimos ao “passeio” do Ford Escort de Flávio Saínhas que, em momento algum, sentiu a mais leve oposição.

Hélder Silva, em BMW 323i, foi o melhor na Categoria 6, bem longe dos demais adversários. Pedro Figueiredo foi o vencedor da Taça Nacional de Clássicos Montanha, batendo Domingos Fernandes. No que diz respeito à Taça Nacional de Montanha o vencedor foi o seu único participante, Ricardo Sousa, no seu Fiat Uno.

A Rampa do Caramulo conta com o apoio da Câmara Municipal de Tondela, do banco BPI e do Jornal dos Clássicos.

Fonte: Museu Caramulo/Parceria Notícias do Pedal

“Triatleta apoiado pela Teleperformance conquista medalha de ouro na Húngria”

Vasco Vilaça vence Campeonato Europeu de Youth

Vasco Vilaça, atleta júnior de triatlo apoiado pela Teleperformance Portugal subiu ao pódio para receber a medalha de ouro durante o Campeonato Europeu de Triatlo Youth, na Húngria, que se realizou no dia 4 de julho, na cidade de Tiszaujvaros.

O triatleta da equipa Teleperformance Os Belenenses já tinha vencido a Taça da Europa, realizada em Portugal, na Quarteira, no passado mês de abril, a Taça da Europa de Júniores e o Campeonato da Europa de Sub-23, em junho, na Bulgária, consolidando assim a sua posição de número 1 do ranking europeu, categoria júnior.

Com este resultado, Portugal conquista mais uma medalha de ouro na modalidade, sendo Vasco Vilaça o novo Campeão Europeu de Triatlo Youth, levando o nome de Portugal e a modalidade de triatlo nacional além fronteiras.

A Teleperformance, empresa líder mundial em customer service management tem como missão contribuir para o desenvolvimento do talento de jovens promessas do desporto nacional e, ao mesmo tempo, promover um maior reconhecimento do esforço e mérito dos atletas, apoiando-os na concretização dos seus objetivos.

Sobre Teleperformance:

A Teleperformance é a empresa de outsourcing líder mundial em customer service management, que oferece soluções de contact center inovadoras, experiências multicanais para os consumidores de empresas líderes mundiais. Criado em 1978, está presente em 62 países e tem 274 contact centes que servem 160 mercados. Em Portugal desde 1994, é líder do mercado nacional de contact centers e da exportação de serviços de Customer Experience Management e Shared Services para todo o mundo. Centro de Excelência em operações multilingue, trabalha com mais de 100 empresas nacionais e internacionais e emprega mais de 6500 colaboradores de 64 nacionalidades diferentes nos seus sete centros nacionais.

Fonte: Atrevia

“Tour/O 'acabado' Cavendish já é o segundo melhor de sempre”

Foto: Lusa

Mark Cavendish voltou a ser mais forte do que todos os outros ‘sprinters’, incluindo o gigante alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep).

Mark Cavendish chegou à 103.ª Volta a França ‘caído em desgraça’, mas, à sexta etapa, já leva três triunfos, que o consagram como o segundo ciclista mais vitorioso da história da prova francesa.

Depois de vencer as primeira e terceira tiradas – e de ter vestido a primeira amarela da 103.ª edição -, Mark Cavendish voltou a ser mais forte do que todos os outros ‘sprinters’, incluindo o gigante alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), provando que, aos 31 anos, ainda tem a ponta de velocidade que o ajudou a conquistar 29 vitórias no Tour e a desempatar com Bernard Hinault.

“Nem pensei nisso. Só estava a pensar no meu irmão mais novo, que foi pai ontem”, respondeu quando questionado sobre o facto de ter superado o 'colosso' francês e de estar a apenas cinco triunfos do recorde detido pelo belga Eddy Merckx.

Dado como acabado para os ‘sprints’, depois de ter somado apenas uma vitória nas últimas duas edições (em 2014 desistiu à segunda etapa) e quatro desde o início da temporada, o homem da ilha de Man deu uma 'bofetada de luva branca' a todos os seus críticos, demonstrando que a opção de baixar de escalão (da Etixx-QuickStep para a Dimension Data) foi uma das escolhas mais acertadas da sua carreira.

“Meu Deus, este final foi assustador. Foi como nos bons velhos tempos. Honestamente, esta manhã disse aos rapazes que havia duas linhas de meta, a primeira a 12 quilómetros, quando entrámos na estrada pequena. O Bernie [Bernhard Eisel] e eu estávamos demasiado atrás. Foi uma carnificina no final, com tipos a virem de todos os lados. Queria a roda do Kittel. Lutei e lutei pela roda do Kittel”, confessou o ciclista da Dimension Data, que ajudou a marcar uma tirada sem história.

Noutra etapa 'soporífera', com uma média mais própria dos pelotões continentais do que da elite do ciclismo mundial (40,275 km/h), nem a fuga iniciada antes dos dez quilómetros pelo checo Jan Barta (Bora-Argon 18) e pelo japonês Yukia Arashiro (Lampre-Merida) conseguiu despertar a caravana de uma longa letargia, espraiada ao longo dos 190,5 quilómetros entre Arpajon-sur-Cère e Montauban.

Foi longa a ‘caça’ aos fugitivos, que nunca superaram a barreira dos seis minutos de vantagem e que foram apanhados a 22 quilómetros da meta, mais por falta de forças do que por uma aceleração notória do pelotão, comandado nessa altura pelas equipas dos ‘sprinters’.

Com a aproximação à meta a fazer-se com uma mescla de cores – e intenções – na frente de corrida, sem comboios (onde é que eles andam nesta edição?) ou organização aparente, o lançamento do ‘sprint’ coube à Lotto NL-Jumbo, com a Etixx-QuickStep a assumir a arrancada final.

Mas, ao contrário da véspera, Kittel mediu mal as distâncias, arrancou demasiado cedo e viu Cavendish ultrapassá-lo para festejar o seu terceiro triunfo em seis etapas, consumado em 4:43.48 horas.

A desorganização do final da sexta tirada provocou um corte, com quase todos os favoritos, incluindo o camisola amarela Greg Van Avermaet e o português Nelson Oliveira (Movistar) a chegarem a quatro segundos do vencedor.

Alberto Contador (Tinkoff) e Rui Costa (Lampre-Merida) perderam um segundo para os restantes candidatos, com o português a ser 47.º na geral, a 13.56 minutos do belga da BMC, que continua a ter 5.11 minutos de vantagem sobre o francês Julian Alaphilippe (Etixx-QuickStep), segundo, e 5.13 sobre Alejandro Valverde (Movistar), terceiro.

Mas a amarela de Van Avermaet pode estar a prazo, já que, na sexta-feira, a sexta etapa, uma ligação de 162,5 quilómetros entre L'Isle-Jourdain e Lac de Payolle, apresenta uma contagem de montanha de primeira categoria a sete quilómetros da meta.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Tour/'Hat trick' de Cavendish na sexta etapa do Tour”

Foto: DR

Na sexta-feira, o pelotão vai disputar a sétima etapa, uma ligação de 162,5 quilómetros entre L'Isle-Jourdain e Lac de Payolle.

O britânico Mark Cavendish (Dimension Data) somou hoje a sua terceira vitória na 103.ª Volta a França, ao conquistar a sexta etapa, e tornou-se o segundo ciclista mais vitorioso do historial da prova.

Cavendish, que já tinha vencido a primeira e a terceira tiradas, impôs-se ao ‘sprint’ no final dos 190,5 quilómetros entre Arpajon-sur-Cère e Montauban, com o tempo de 4:43.48 horas, relegando para segundo o alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) e para terceiro o compatriota Daniel Mclay (Fortuneo-Vital Concept), somando o seu 29.º triunfo no Tour, menos cinco do que o belga Eddy Merckx.

O belga Greg Van Avermaet (BMC) chegou no pelotão e manteve a camisola amarela, tendo 5.11 minutos de vantagem sobre o francês Julian Alaphilippe (Etixx-QuickStep), segundo, e 5.13 sobre Alejandro Valverde (Movistar), terceiro.

Na sexta-feira, o pelotão vai disputar a sétima etapa, uma ligação de 162,5 quilómetros entre L'Isle-Jourdain e Lac de Payolle.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Volta a Portugal aquece com os mais novos”

 
Antes da grande competição são os mais novos que chegam à estrada. A 24ª Volta a Portugal do Futuro Liberty Seguros, competição exclusiva para corredores da categoria Sub-23 que já consagrou nomes que se tornaram grandes campeões, realiza-se entre 14 e 17 de julho.
São quatro etapas num total de 537,1 quilómetros, com início na região das Terras de Sicó, em Soure concretamente, e final na Serra do Larouco, em Montalegre, o segundo ponto mais alto do território continental português.
Para Joaquim Gomes, diretor da prova, esta será uma competição que vai beneficiar os trepadores, ainda que os velocistas também tenham oportunidades. “Será depois da 2ª etapa, com a saída de Penela e o final em Oliveira de Azeméis, que verdadeiramente se endurece a corrida. Numa das mais exigentes edições da Volta a Portugal do Futuro, será Lousada a iniciar as hostilidades que vão conduzir a “caravana” a Boticas e a Montalegre, com o final da prova a registar-se na recém-descoberta Serra do Larouco, depois de ultrapassadas as Serras do Barroso e do Gerês. Com um percurso exigente, em que os velocistas não deixarão de ter oportunidades, só quem lidar bem com a Montanha terminará nos primeiros lugares da geral.”
Percurso para Campeões de Futuro
 
1ª Etapa || 14 julho 2016 - Soure – Condeixa-a-Nova | 138,6 Km
A etapa inaugural será discutida entre Soure e Condeixa-a-Nova. A partida para os primeiros 138,6 quilómetros vai ser dada às 12h10, no centro de Soure. O jovem pelotão terá de enfrentar três metas volantes, em Pombal, Ansião e Alvaiázere, e dois Prémios de Montanha, em Ereiras de 3ª categoria e Sobralchão de 4ª categoria.Com a chegada prevista para as 15h45, será revelado em Condeixa-a-Nova o primeiro Camisola Amarela Liberty Seguros.
2ª Etapa || 15 julho 2016- Penela – Oliveira de Azeméis | 145 Km
Na segunda etapa, Penela será o ponto de partida para os 145 quilómetros que vão levar os corredores Sub-23 até Oliveira de Azeméis. A partida da tirada mais longa está marcada para as 12h00 e as habituais três Metas Volantes estarão instaladas em Soure, Montemor-o-Velho e Águeda. A seis quilómetros da chegada, o pelotão terá ainda de enfrentar um Prémio de Montanha de 4ª categoria. Habituada já às emoções proporcionadas pelos finais de etapa, a Avenida D. Maria I, em Oliveira de Azeméis, será palco do desfecho desta segunda etapa da Volta a Portugal do Futuro, perto das 16 horas.
3ª Etapa || 16 julho 2015 - Lousada - Boticas | 134,1 Km
Com o fim de semana chegam mais dificuldades. O terceiro dia de competição será o mais difícil. A partida está marcada para as 11h55 em Lousada e terá como destino Boticas. As três Metas Volantes vão estar em Fafe, Salto e Boticas, esta última coincidente com a 1ª passagem na meta, faltando depois pouco mais de 22 quilómetros. Os principais problemas para o pelotão residem nas quatro contagens de montanha. Há dois Prémios de 3ª categoria, em Fojos e Virtelo, e outros dois de 1ª categoria, em Salto e Torneiros. Depois da última contagem, a 16,6 quilómetros da meta, será sempre a descer até Boticas onde a chegada no centro da vila está prevista para cerca das 16 horas.
4ª Etapa || 17 julho 2015 - Boticas – Montalegre (Serra do Larouco) | 119,4 Km
A derradeira etapa será a mais curta mas não significa que seja menos dura, muito
pelo contrário. Os últimos 119,4 quilómetros da competição vão começar, às 12h20, em Boticas com destino à Serra do Larouco, em Montalegre. A chegada vai coincidir com um Prémio de Montanha de 1ª categoria, repetindo a meta ali instalada em 2014. A diferença é que desta vez a Volta a Portugal do Futuro termina de forma inédita em Montalegre. Até atingir o cume dos 1525 metros da Serra do Larouco, o segundo ponto mais alto de Portugal Continental, o jovem pelotão tem de enfrentar um Prémio de Montanha de 3ª categoria em Alturas do Barroso, e mais dois de 2ª categoria em Fafião e Xertelo. Quanto às Metas Volantes, serão apenas duas, em Salamonde e na vila de Montalegre, antes do início da subida final. Pouco antes das 16 horas, as atenções estarão voltadas para a Serra do Larouco, trono onde será coroado o vencedor da 24ª Volta a Portugal do Futuro Liberty Seguros.
Sobre a prova que tem início nas Terras de Sicó, Nuno Moita, Presidente da Associação de Desenvolvimento com a mesma designação e que engloba a área dos Municípios de Alvaiázere, Ansião, Condeixa-a-Nova, Penela, Pombal e Soure, afirma que é uma oportunidade de mostrar parte destes 1.500 km2na Região Centro de Portugal. "O pelotão da Volta a Portugal do Futuro e todos quantos se associam terão oportunidade de cruzar a paisagem única do sistema cársico de Sicó, contemplando a riqueza da flora e da fauna dos habitats naturais que ali se preservam. Visitar Sicó é também revisitar as nossas origens, através do Eixo da Romanização Villa Sicó, de que se destacam a cidade romana de Conímbriga, o complexo monumental de Santiago da Guarda e a villa romana do Rabaçal, mas também da rede de castelos e muralhas do Mondego, nomeadamente os exemplares castelos de Penela, Pombal e Soure.”

24ª Volta a Portugal do Futuro
Resumo das etapas
Data
Etapa
Partida
Chegada
Km
Metas Volantes
Prémios Montanha
Local
Hora
Local
Hora
 
14-Jul
Soure
12:10
Condeixa-a-Nova
15:47
138,6
28,4                                   54,2                                       84,2
39,8                          77,7
 
15-Jul
Penela
12:00
Oliveira de Azeméis
15:47
145
27,9              48,1              109,7
139
16-Jul
Lousada
11:55
Boticas
15:48
134,1
25,9                   69,7                111,7
43,1                  63,4               74,1                117,5
17-Jul
Boticas
12:20
Montalegre (Serra do Larouco)
15:49
119,4
55,9               107,2
16,8                  62,8                 74,1               119,4
TOTAL
537,1

 
EQUIPAS
Cada formação Sub-23 pode participar na 24ª Volta Portugal do Futuro Liberty Seguros com um número mínimo de cinco corredores e um máximo de oito, entre os 19 e os 23 anos (feitos até 1 de janeiro de 2016).
Já confirmaram presença 12 equipas. Além das equipas portuguesas Liberty Seguros – Carglass, Anicolor, Moreira Congelados – Feira - Bicicletas Andrade, Goldwin – Team José Maria Nicolau, Maia e Sicasal – Constantinos - UDO, participam de Espanha as formações Euskadi, Supermercados Froiz, Cafés Baqué, Caja Rural e Racing Cycling Team além da colombiana BoyacaRaza de Campeones.

 
PALMARÉS  VENCEDORES

1993 - 2015

1993
Joaquim Gomes
POR
Recer-Boavista
1994
Paulo Ferreira
POR
Sicasal-Acral
1995
Quintino Rodrigues
POR
Sicasal-Acral
1996
José Luis Rebollo
ESP
Porcelanatto
1997
Matias Cagicas
ESP
Estepona
1998
José Azevedo
POR
Maia-CIN
1999
Oscar Pereira
ESP
Águas Mandariz
2000
Pedro Costa
POR
Barbot-Torrié
2001
Marco Morais
POR
Barbot-Torrié
10ª
2002
Pablo de Pedro
ESP
Gondomar CC
11ª
2003
Daniel Moreno
ESP
Alcosto
12ª
2004
João Cabreira
POR
São João de Ver
13ª
2005
André Cardoso
POR
São João de Ver
14ª
2006
Filipe Cardoso
POR
Stª Maria da Feira
15ª
2007
José Mendes
POR
Benfica
16ª
2008
João Benta *
POR
Stª Maria da Feira
17ª
2009
Marco Cunha
POR
Aluvia
18ª
2010
Alexander Rybalkin
RUS
Caja Rural
19ª
2011
Joni Brandão
POR
Liberty Seguros/Stª Mª. Feira
20ª
2012
Rafael Silva
POR
Liberty Seguros/Stª Mª. Feira
21ª
2013
António Carvalho
POR
LA Alumínios – Antarte
22ª
2014
Ruben Guerreiro
POR
Liberty Seguros/Feira
23ª
2015
Julen Amezqueta
ESP
Cafés Baqué

 

* Desclassificado

 
A 24ª Volta Portugal do Futuro Liberty Seguros tem o apoio da Associação de Desenvolvimento Terras de Sicó e das autarquias de Soure, Condeixa-a-Nova, Penela, Oliveira de Azeméis, Lousada, Boticas e Montalegre. São patrocinadores: Liberty Seguros, RTP, KIA, Delta Cafés, Vitalis, Pacto, Dietsport, Classificações.net, Centro de Informação Geoespacial do Exército, Infraestruturas de Portugal, Jornal de Notícias, Antena 1, KTM Bikes e Shimano.

 

Lista de corredores inscritos (Provisoria)

Liste coureurs engagés

 

                          24ª Volta a Portugal do Futuro

 

LSC
Liberty Seguros - Carglass
POR
 
ANI
Anicolor
POR
 
 
 
 
 
 
 
1
André Crispim
POR
 
11
Gonçalo Carvalho
POR
2
André Carvalho
POR
 
12
Hugo Nunes
POR
3
Cesar Martingil
POR
 
13
Emmanuel Rodrigues
POR
4
David Ribeiro
POR
 
14
Xavier Silva
POR
5
Gaspar Gonçalves
POR
 
15
Paulo Silva
POR
6
Luis Gomes
POR
 
16
Ricardo Teixeira
POR
7
Tiago Ferreira
POR
 
17
Jorge Magalhães
POR
8
Zulmiro Magalhaes
POR
 
18
Fabio Mansilhas
POR
 
 
 
 
 
 
 
DD
Manuel Correia
POR
 
DD
Pedro Silva
POR

 

Mor
Moreira Congelados – Feira
POR
 
Gol
Goldwin - C.C.J.M. Nicolau
POR
 
 
 
 
 
 
 
21
Venceslau Fernandes
POR
 
31
Fábio Oliveira
POR
22
André Bessa
POR
 
32
João Fernandes
POR
23
Francisco Campos
POR
 
33
André Ramalho
POR
24
João Santos
POR
 
34
Marcelo Salvador
POR
25
João Silva
POR
 
35
Bruno Coelho
POR
26
Pedro Henriques
POR
 
36
Jorge Marques
POR
27
Augusto Vitorino
POR
 
37
João Ribeiro
POR
28
Miguel Amorim
POR
 
38
Diogo Dias
POR
 
 
 
 
 
 
 
DD
Joaquim Andrade
POR
 
DD
José Nicolau
POR

 

Mai
Maia
POR
 
SCU
Sicasal – Constantinos - UDO
POR
 
 
 
 
 
 
 
41
Hugo Brito
POR
 
51
Miguel Santos
POR
42
Patrick Videira
POR
 
52
João Outeiro
POR
43
João Barbosa
POR
 
53
Emanuel Duarte
POR
44
Hélder Silva
POR
 
54
Diogo Tavares
POR
45
José Silva
POR
 
55
Rafael Apolinário
POR
46
José Dias
POR
 
56
Marvin Scheulen
POR
47
Natanael Almeida
POR
 
57
Tiago Antunes
POR
48
Diogo Duarte
POR
 
58
Gonçalo Leaça
POR
 
 
 
 
 
 
 
DD
José Rodrigues
POR
 
DD
Hugo Lúcio
POR

 

EUK
Euskadi
ESP
 
FRO
Supermercados Froiz
RUS
 
 
 
 
 
 
 
61
Jon Gil
ESP
 
71
Alejandro Lomba
ESP
62
Gaizka Sotil
RSA
 
72
Alejandro Regueiro
ESP
63
Ibai Azurmendi
ESP
 
73
Diego Somoza
ESP
64
Mikel Alonso
ESP
 
74
David Gonzalez
ESP
65
Gotzon Martin
ESP
 
75
Rodrigo Enriquez
ESP
66
Cyril Barthe
ESP
 
76
Victor Fernandez
ESP
67
Oscar Glez
ESP
 
77
Raul Fernandez
ESP
68
Paul Ormaetxea
ESP
 
78
 
ESP
 
 
 
 
 
 
 
DD
Jorge Azanza
ESP
 
DD
Manuel Rodriguez
ESP

 

CFB
Café Baque
ESP
 
Brc
Boyaca Raza de Campeones
COL
 
 
 
 
 
 
 
81
Juan Lopez
ESP
 
91
Miguel Florez
COL
82
Enol Costales
ESP
 
92
Camilo Diagama
COL
83
Txomin Juaristi
ESP
 
93
Armando Ortega
COL
84
Oskar Malaxatxebarria
ESP
 
94
Enrique Rodriguez
COL
85
Carlos Ariel
ESP
 
95
Camilo Cubides
COL
86
Marcos Gonzalez
ESP
 
96
Carlos Cruz
COL
87
Iker Elortegi
ESP
 
97
 
COL
88
Elias Ortiz
ESP
 
98
 
COL
 
 
 
 
 
 
 
DD
Alex Garcia
ESP
 
DD
Luis Saavedra
COL

 

CJR
Caja Rural
ESP
 
RAC
RACING Cycling Team
ESP
 
 
 
 
 
 
 
101
Jon Irisarri
ESP
 
111
OScar Josto
ESP
102
Iker Azkarate
ESP
 
112
Alvaro Sanchez
ESP
103
Erlend Sor
ESP
 
113
Jesus Valles
ESP
104
Odei Juango
NOR
 
114
Mario Escudero
ESP
105
Miguel Indurain Lopez
ESP
 
115
Enrique Morcuende
ESP
106
Pablo Alonso
ESP
 
116
Rafael Martins
POR
107
Ander Alonso
ESP
 
117
Miguel Sierra
ESP
108
Aitor Rodriguez
ESP
 
118
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DD
Iban Latasa
ESP
 
DD
Enrique Salgueiro
ESP

 
Fonte: Podium