terça-feira, 5 de julho de 2016

“Marco Fidalgo & Berg Cycles Powered By SRAM”

A equipa Berg Cycles Factory Team juntamente com o atleta Marco Fidalgo tem se apresentado de forma consistente e acima de tudo produtiva nas ultimas três competições de Enduro BTT, estas extremamente importantes em termos de trabalho e desenvolvimento.

Desta forma, o atleta da Berg Cycles | SRAM esteve presente no passado fim-de-semana de 11 e 12 de Junho em Terras de Bouro no evento Atlantic Triple Crown Enduro 2016 onde foi 2º Classificado à geral / Elites, posteriormente esteve em Morella, Espanha na 2ª Prova do Big Ride Series 2016 tendo sido ali 11º Classificado à geral e finalmente no passado fim-de-semana de 2 e 3 de Julho, este finalizou na 2ª posição geral / Elites na 2ª Prova da Taça de Portugal de Enduro BTT 2016 que teve lugar em Vouzela tendo por consequente também subido à 2º Posição em termos de geral por pontos.

Fonte: Berg Cycles Factory Team

“Jorbi – Team José Maria Nicolau alcança o Bronze nos campeonatos nacionais”

Os ciclistas do Clube de Ciclismo José Maria Nicolau foramenormes e batalhadores durante os Campeonatos Nacionais, disputados este ano em Vila Flor Os nossos ciclistas entraram em competição na sexta-feira, dia 1, com a luta contra o cronometro. Os dois ciclistas cadetes, que pela primeira vez estiveram em competições deste tipo, mostraram-se lutadores, tendo Duarte Bento sido 49º classificado e Rafael Mateus 52º classificado. Seguiram-se os ciclistas juniores com Sandro Branco a ser guerreiro no contra-relógio e alcançando um honroso 7º lugar. André Cunha e Bernardo Gonçalves estiveram também em competição, tendo sido 29º e 25º classificados respectivamente.

No domingo foi a vez da prova em linha dos Campeonatos Nacionais de Juniores, com um total de 123km, sob um calor intenso e um constante sobe e desce, que ditaram ainda maiores dificuldades. Com pouco mais de 30 quilómetros percorridos, um grupode 19 corredores adiantou-se ao pelotão e consolidou a posição na frente da corrida. O nossociclista Bernando Gonçalves foi um dos elementos mais dinamizadoresda iniciativa, tendo ainda efectuado vários ataques e ainda feito uma tentativa de se isolar a solo, mas acabaria por ter companhia. Nosderradeiros quilometros para a meta, o jovem ciclistaacabaria por pagar o esforço despendido em cerca de 100km de fuga. Alcançou o 3º lugar na competição e trouxe para a sua equipa a medalha de bronze. Terminaramainda Sandro Branco na 16º posição e André Cunha na 28º posição.

Fonte: Clube de Ciclismo José Maria Nicolau

“João Portela da ASFIC cortou a meta em 3.º no Circuito da Martingança”

Inferioridade numérica na Martingança , não impede a ASFIC de alcançar o 2º lugar por equipas e 3º e 4º lugar geral individual

A equipa de ciclismo riomaiorense ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic, deslocou-se hoje, 4 de Julho, à localidade de Martingança, no concelho de Alcobaça, onde participou em mais uma edição do tradicional circuito de São João Batista, prova composta por 08 voltas, num ...total de 80 km, onde participaram cerca de 70 ciclistas de diversas equipa e individuais.

A ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic participou nesta competição bastante desfalcada em relação as principais equipas adversárias, apresentando-se apenas 5 ciclistas e um reforço da equipa dfe BTT, ( João Portela, Rui Rodrigues, Ricardo Silva, Diogo Silva, Luis Miguel Vicente e Paulo Costa). Os atletas Edgar Oliveira, Jorge Letras, Helder Pereira e Humberto Pereira Careca, infeliamente não poderem comparecer por motivos profissionais, em virtude de a prova se realizar a dia de semana.

A prova teve início às 17.30h tendo logo de inicio a corrida sido atacada, com ataques de vários atletas.

Logo à segunda volta o ciclista da ASFIC Paulo Costa envolveu-se numa queda que o levou a abandonar deixando a equipa reduzida a 5 unidades. Foi também no decorrer da segunda volta que se deu a fuga de um grupo de 10 ciclistas onde estavam dois atletas da ASFIC, João Portela e Luís VicenteOs 10 ciclistas trabalharam em conjunto, chegando a ter a fuga mais de 2,30m do pelotão, e até ao fim da corrida a fuga vingou e não foi alcançada.


A chegada dos 10 ciclistas disputou-se ao sprint, tendo o atleta da ASFIC João Portela alcançado o 3º Lugar e Luis Vicente o 4º lugar. Rui Rodrigues alcança o 14.º, Diogo silva o 28º e Ricardo Silva a 39º.

Com esta boa prestação dos seus ciclistas, mesmo em inferioridade numérica, a ASFIC –Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic, alcançou na prova um excelente 2.º lugar por equipas.

Toda a equipa está de parabéns, pois as vitórias são fruto do excelente trabalho desempenhado por todos os ciclistas, que se esforçam arduamente no sentido de conseguir sempre bons resultados, elevando aos mais alto nível o nome dos seus patrocinadores, e os atletas mesmo em inferioridade numérica, dão luta aos seus adversários, obetendo também sempre excelentes resultados, coletivos e individuais.

A ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic, agradece a todos os seus patrocinadores, e a todos que estão connosco, e de alguma forma nos ajudam ou apoiam.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Tour/Chris Froome justifica intromissão nos 'sprints'”


Foto: Lusa

Na véspera, Mark Cavendish (Dimension Data) e Peter Sagan (Tinkoff) criticaram a intromissão dos candidatos à geral nos ‘sprints’.

O ciclista britânico Chris Froome (Sky), bicampeão da Volta a França, defendeu-se hoje das críticas dos ‘sprinters’, argumentando que se pode perder uma grande volta por segundos.

“É muito stressante. Nós não queremos estar ali, queremos que os ‘sprinters’ façam a corrida deles e não atrapalhar. Mas, quando as grandes voltas se podem decidir por segundos, temos de estar na frente a lutar”, defendeu Froome.

Na véspera, Mark Cavendish (Dimension Data) e Peter Sagan (Tinkoff) criticaram a intromissão dos candidatos à geral nos ‘sprints’, considerando que a presença destes tornava as chegadas mais perigosas.

“É a natureza do desporto. Quando há tanto em jogo – uma vitória de etapa no Tour significa tanto para tanta gente -, todos os tipos vão por a sua vida em jogo por isso”, justificou o vencedor da ‘Grande Boucle’ em 2013 e 2015.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa  

“Tour/Kittel bate Coquard no 'photo finish' no Tour”

Foto: AFP@JOEL SAGET

Tal como na véspera, foi o ‘photo finish’ a decidir o vencedor, com o veredito a pender para o lado de Kittel.

O ciclista alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) bateu hoje por milímetros o francês Bryan Coquard (Direct Énergie), no final da quarta etapa da Volta a França, que continua a ser liderada por Peter Sagan (Tinkoff).

Tal como na véspera, foi o ‘photo finish’ a decidir o vencedor, com o veredito a pender para o lado de Kittel, o primeiro a completar os 237,5 quilómetros entre Saumur e Limoges, com o tempo de 5:28.30 horas.

Peter Sagan, terceiro na quarta etapa, ganhou quatro segundos de bonificação e agora lidera a classificação geral, com 12 segundos de vantagem sobre o francês Julian Alaphilippe (Etixx-QuickStep) e 14 sobre o espanhol Alejandro Valverde (Movistar).

Na quarta-feira, a 103.ª edição da Volta a França vai prosseguir com uma ligação de 216 quilómetros entre Limoges e Le Lioran.

Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Tour/O 'gigante' Kittel voltou a reinar nos 'sprints'”

Foto: Lusa

Pelo segundo dia consecutivo, a organização teve de recorrer ao ‘photo finish’ para apurar o que o olho humano não conseguiu deslindar.
O ciclista alemão Marcel Kittel 'estilhaçou' hoje o sonho do francês Bryan Coquard, com o ‘photo finish’ a atribuir o nono triunfo em etapas da Volta a França ao corredor germânico.
Pelo segundo dia consecutivo, a organização teve de recorrer ao ‘photo finish’ para apurar o que o olho humano não conseguiu deslindar e o veredito foi claro: apesar do impulso final do francês da Direct Énergie, que veio de trás, a vitória na quarta etapa pertenceu ao ‘sprinter’ da Etixx-QuickStep.
“Vi a imagem, só cabia um cabelo ali [entre as rodas de bicicleta]. É nada depois de 237,5 quilómetros. Foi um ‘sprint’ apertado, muito duro. A 150 metros do final, pensei que as minhas veias iam explodir. Não tinha a mínima ideia que tinha vencido. Sabia que ia ser tão apertado que estava concentrado em atirar-me para a linha.
Tenho 1,90 metros, braços compridos e isso fez a diferença no final”, assumiu um exultante Kittel, que, quando cortou a meta, se sentou à espera do desfecho, antes de 'explodir' num grito libertador.
Depois de um ano desastroso, em que um vírus o afastou da prova na qual tinha sido o ‘rei’ dos ‘sprints’ nas duas edições anteriores (com quatro vitórias em cada), o alemão, de 28 anos, contrariou todos os prognósticos – a chegada, com uma ligeira inclinação, teoricamente ‘excluía-o’ – para voltar às vitórias no Tour.
“Estou mega contente. Tive de lutar, de regressar, o que não é fácil. O meu objetivo era conquistar a amarela na primeira etapa. Correu pior do que o esperado, mas a minha equipa apoiou-me, foi muito eficaz. Queria muito ganhar uma etapa”, reconheceu após cortar a linha de meta, no final dos 237,5 quilómetros, entre Saumur e Limoges, com o tempo de 5:28.30 horas.
E Kittel bem pode agradecer à sua Etixx-QuickStep pelo trabalho realizado na perseguição à fuga do dia, iniciada aos 21 quilómetros por sete homens, dos quais ‘sobreviveram’ Alexis Gougeard (AG2R-La Mondiale), Markel Irizar (Trek-Segafredo), Oliver Naesen (IAM Cycling) e Andreas Schillinger (Bora-Argon18).
O quarteto aguentou mais de 200 quilómetros na frente, chegou a ter seis minutos de avanço sobre o pelotão, mas não resistiu à investida final das equipas dos ‘sprinters’, que contaram com a preciosa ajuda de Astana, Movistar e BMC.
Talvez a pensar na complicada aproximação à meta – troços de pavé, estrada estreita, separadores centrais e uma curta inclinação -, as formações dos candidatos à geral posicionaram-se na frente, mas, depois de fortemente criticadas na véspera, cederam o seu lugar aos ‘sprinters’ na longa reta (inclinada) da meta.
Sem pernas para alcançar os dois homens mais rápidos do dia, o camisola amarela Peter Sagan (Tinkoff) lutou pelo terceiro lugar, conquistando assim quatro segundos de bonificação, que lhe permitiram reforçar a liderança na geral: tem o francês Julian Alaphilippe (Etixx-QuickStep), a 12 segundos, e o espanhol Alejandro Valverde (Movistar), a 14.
“Teria sido melhor se tivesse ganhado, mas não me queixo. Continuo de amarelo e somei pontos para a camisola verde”, resumiu o campeão do mundo, vencedor da regularidade nas últimas quatro edições.
Num dia tranquilo para os candidatos ao pódio final em Paris – chegaram todos no pelotão -, Nelson Oliveira perdeu tempo (6.28 minutos), depois de ter trabalhado na frente em nome dos líderes da Movistar.
Assim, enquanto Rui Costa (Lampre-Merida) continua no ‘top 20’, a 18 segundos de Sagan, o atual tricampeão nacional de contrarrelógio desceu ao 153.º posto da geral, tendo uma desvantagem de 9.38 minutos para o camisola amarela.
Na quinta-feira, Oliveira (e restantes gregários) vão ter ainda mais trabalho, nos acidentados 216 quilómetros entre Limoges e Le Lioran, que incluem cinco contagens de montanha (duas de segunda, três de terceira) nos últimos 75 quilómetros.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Agenda de Ciclismo”

Troféu Joaquim Agostinho e Encontro de Escolas em destaque

O próximo fim-de-semana velocipédico tem para oferecer várias provas e passeios, destacando-se a 39.ª edição do Troféu Joaquim Agostinho e o Encontro Nacional de Escolas de Ciclismo.

O Grande Prémio Internacional de Torres Vedras – Troféu Joaquim Agostinho disputa-se entre quinta-feira e domingo, recebendo equipas de quatro continentes – África, América, Ásia e Europa – que terão pela frente um prólogo e quatro etapas em linha.

Depois de, há um ano, a prova ter sido decidida apenas nos últimos metros, os locais de chegada repetem-se em 2016, esperando-se emoção até ao derradeiro sopro de corrida. Teoricamente, os escaladores levam vantagem, embora tenham de defender-se na jornada de abertura, um contrarrelógio individual de 8 quilómetros, a percorrer no Turcifal, a partir das 17h00 do dia 7 de julho.

A primeira etapa em linha, no dia seguinte, é a tirada mais longa, com 179 quilómetros a percorrer entre a Adega Cooperativa de S. Mamede da Ventosa e o alto de Montejunto. A meta coincide com uma contagem de montanha de primeira categoria. É uma escalada de 5,9 quilómetros (desde Pragança) com uma inclinação média de 7,4 por cento.

A segunda etapa, no sábado, 9, começa nas instalações de Santos & Santos, nas Palhagueiras, e termina no centro da cidade torriense, depois de percorridos 154,3 quilómetros, que incluem o tradicional Circuito de Torres Vedras, proporcionando ao público a oportunidade de ver os corredores em diferentes ocasiões, uma vez que a etapa só encerra à quinta passagem pela meta. É a única oportunidade para os velocistas, que, ainda assim, terão de resistir ao sobe e desce da serra da Vila, se quiserem disputar a tirada junto à estátua de Joaquim Agostinho. 

A corrida termina no dia 10 com a viagem mais curta, 147 quilómetros, entre Atougia da Baleia e o Parque Eólico da Carvoeira. A meta coincide com uma contagem de montanha de terceira categoria, mas antes de ali chegarem os corredores terão já ultrapassado outras duas subidas pontuáveis para a classificação dos trepadores.

Almeirim será, pelo terceiro ano consecutivo, a capital do ciclismo de formação, recebendo o sempre entusiasmante Encontro Nacional de Escolas de Ciclismo, sábado e domingo. Estão inscritas 769 crianças, que vão participar na grande festa do ciclismo mais jovem, nas vertentes de estrada e de BTT.

No sábado, as corridas decorrem a partir das 16h00. No dia seguinte, as provas realizam-se durante a manhã, a partir das 9h00.

Em paralelo com o Encontro Nacional de Escolas de Ciclismo, Almeirim acolhe, às 10h00 de domingo, o Campeonato Nacional de Fundo de Paraciclismo.

Mais eventos oficiais

8 a 10 de julho: 7.º GP Ciclismo de Estrada da Ilha Terceira, Açores

9 de julho, 20h00: 2.ª Resistência Noturna de Mação

9 de julho, 21h00: 3.º Urban Night Bike, Gondomar

10 de julho, 9h00: 10.ª Maratona BTT LAAC/LAACAR, Águeda

10 de julho, 9h00: 4.ª Prova da Taça do Algarve de XCM, Amoreiras Gare

10 de julho, 9h30: 5.ª Maratona BTT Douro Pombalino, Régua

10 de julho, 10h00: Maratona BTT de Melgaço

10 de julho, 14h00: Downhill Urbano de Miranda do Corvo

12 de julho, 18h00: Circuito de S. Tomé, Paredes do Bairro, Anadia

Fonte: FPC