segunda-feira, 6 de junho de 2016

“Bouhanni homenageia Muhammad Ali com vitória no Critério do Dauphiné”

Foto: ERIC FEFERBERG / AFP
Oliveira continua a ser o melhor português na geral, ao subir à 48.ª posição, estando a 1.19 minutos de Contador.
O ciclista Nacer Bouhanni (Cofidis) homenageou hoje Muhammad Ali, dando socos no ar para festejar o triunfo na primeira etapa do Critério do Dauphiné, que continua a ser liderado por Alberto Contador (Tinkoff).
O ‘sprinter’ francês, pugilista nas horas vagas, voltou a demonstrar que se dá bem com os ares da corrida gaulesa, sendo o mais rápido no final dos 186 quilómetros entre Cluses e Saint-Vulbas, à frente do belga Jens Debusschere (Lotto Soudal) e do irlandês Sam Bennett (Bora-Argon 18).
“Disse que queria dedicar uma vitória ao Muhammad Ali e fi-lo. Pode não parecer algo grande, mas representa muito para mim”, reconheceu Bouhanni, que no ano passado venceu duas etapas da prova francesa.
Mas, como é hábito, a vitória do ciclista de 25 anos não ficou imune a polémicas, já que na aproximação à meta, quando os ‘comboios’ da Cofidis e da Katusha seguiam a grande velocidade na dianteira do pelotão, Bouhanni travou uma ‘luta’ de ombros com Alexander Kristoff, chegando mesmo a dar algumas cabeçadas no ciclista norueguês da Katusha.
“É assim o 'sprint', não há ofertas. Eu queria ficar na roda do meu lançador e o Kristoff queria o mesmo”, desvalorizou o vencedor, que saltou da roda de Bennett para chegar ao triunfo, com o tempo de 4:27.53 horas.
Numa etapa sem história para as contas da geral, destacaram-se o belga Frederik Backaert (Wanty-Gobert) e o australiano Mick Docker (Orica-GreenEdge), os dois fugitivos do dia, que foram alcançados a apenas 13 quilómetros de Saint-Vulbas, quando os ‘comboios’ vermelhos tomaram conta de uma perseguição até então entregue à Tinkoff do líder Alberto Contador.
O espanhol chegou integrado no pelotão, tal como os portugueses André Cardoso (Cannondale) e Nelson Oliveira (Movistar), e manteve a liderança da geral individual, com seis segundos de vantagem sobre o australiano Richie Porte (BMC) e 13 sobre o seu arquirrival, o britânico Chris Froome (Sky).
Oliveira continua a ser o melhor português na geral, ao subir à 48.ª posição, estando a 1.19 minutos de Contador. Cardoso é agora 69.º, a 1.43 minutos, enquanto Sérgio Paulinho (Tinkoff), que perdeu um minuto após trabalhar para o seu líder Contador, é 152.º, a 3.30 minutos.
Na terça-feira, a segunda etapa vai ligar Crêches-sur-Saône e Chalmazal-Jeansagnière, no total de 168 quilómetros.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Contador vence prólogo do Dauphine, superando Porte e Froome”

Foto: Javier Etxezarreta / EPA
O ciclista espanhol superou os especialistas e venceu o prólogo, Contador assimu o comando do Criterium du Dauphine.
O ciclista espanhol Alberto Contador (Tinkoff) assumiu este domingo o comando do Criterium du Dauphine, ao superar os especialistas e vencer o prólogo, uma crono-escalada de 3,9 quilómetros na estação de Gets.
Alberto Contador, de 33 anos, cumpriu o prólogo em 11.36 minutos, superando o australiano Richie Porte (BMC), segundo classificado, por seis segundos, e o britânico Chris Froome (Sky), terceiro, por 13.
Na sua carreira, recheada de troféus, Contador não conta qualquer triunfo no Dauphine, ao contrário de Froome, que venceu em 2013 e 2015 e é o campeão em título da Volta a França, que arranca a 02 de julho.
Pela negativa, no prólogo, uma crono-escala com uma média de inclinação de 9,7 por cento, destaque para o italiano Fabio Aru (Astana), que se ficou pelo 36.º posto, a 1.08 minutos do ciclista espanhol.
A primeira etapa do Criterium du Dauphine realiza-se segunda-feira, entre Cluses e Saint-Vulbas, na distância de 186 quilómetros.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“José Gonçalves em quinto na última etapa da Boucles de la Mayenne"

Foto: Javier Lizon / EPA

Ricardo Vilela e Domingos Gonçalves, também da Caja Rural, foram os outros dois portugueses em prova, terminando em 31.º e 87.º, respetivamente.
O português José Gonçalves, da equipa espanhola Caja Rural, terminou hoje em quinto lugar a prova francesa Boucles de la Mayenne, de categoria 2.1 do calendário da União Ciclista Internacional, conquistada pelo gaulês Bryan Coquard, da Diretc Energy.
O ciclista luso terminou a terceira e última etapa, entre Juvigné e Laval (180 quilómetros) em 14.º, a seis segundos do neozelandês Thomas Scully (Drapac), que venceu a tirada ao ‘sprint’.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Maurits Lammertink vence Volta ao Luxemburgo”

Philippe Gilbert (BMC) foi segundo na classificação geral

Por: Lusa
O ciclista holandês Maurits Lammertink, da Oranje Peloton, conquistou a Volta ao Luxemburgo em bicicleta, terminando a quarta etapa com o mesmo tempo do vencedor, o belga Philippe Gilbert (BMC), que foi segundo na classificação geral.

O português Fábio Silvestre, que partiu para a ligação entre Mersch e a Cidade do Luxemburgo (178,2 quilómetros) com o 97.º tempo, acabou por desistir antes do final da tirada, vencida ao sprint pelo corredor belga.

Cumpridos os cinco dias de prova, Maurits acabou vencedor com menos nove segundos que Gilbert, sendo que o pódio ficou completo com o luxemburguês Alex Kirsch, com mais 19 segundos que o camisola amarela.

Fonte: Record on-line

“BTT ACV supera Grande Rota do Zêzere”

Os 370 Km de extensão da GRZ percorrem 13 concelhos e unem importantes marcas nacionais: Serra da Estrela, Aldeias do Xisto, Castelo de Bode e Rio Tejo. O percurso apesar de projetado para ser multimodal, podendo ser feito a pé, de bicicleta ou de canoa o BTT ACV apenas fez o percurso com bicicleta. Assim, para quem quiser pode realizar de forma contínua e encadeada, troços ou mesmo em circuitos multimodais, recorrendo a mais do que uma disciplina. Para este aspeto contribui o caráter inovador das 13 Estações Intermodais existentes ao longo do percurso.
Ao longo de 3 dias podemos privar com um percurso - GR 33 que percorre uma variedade de cenários, onde é possível apreciar a riqueza da fauna e flora da região, bem como a paisagem humanizada que se foi estabelecendo ao longo das suas margens. Natureza e cultura humana misturam-se ao longo do trajeto, revelando um dos segredos mais bem escondidos de Portugal onde também é possível apreciar a gastronomia, ter momentos de pura confraternização entre 9 Betetistas e as gentes destes locais.



O Rio Zêzere nasce na Serra da Estrela, a cerca de 1900m de altitude, junto ao Cântaro Magro, onde se define o início do maior vale glaciar da Europa (13 km). Depois de descer a Serra da Estrela em agitado percurso, o Zêzere, já mais sereno, passa por Belmonte e Covilhã. Daqui, e quase até desaguar no Tejo, em Constânica, depois de um percurso de cerca de 248 Km, é alimentado, de ambas as margens pelo mar de montanhas que enquadra as Aldeias do Xisto. Depois do Mondego, é o segundo maior rio exclusivamente português.
Próximo de Cambas (Oleiros), entre as aldeias de Janeiro de Cima e Álvaro, o Zêzere deixa de ser rio e passa à calmaria de albufeira (Barragem do Cabril), onde as suas águas repousam antes de continuarem viagem. É neste troço que o encontramos nas curvas e contracurvas que o Geopark Naturtejo da Meseta Meridional por "Meandros do Zêzere".

Se não corresse num vale tão sinuoso e encaixado daqui até Constância, ver-se-ia que o conjunto das albufeiras das três barragens (Cabril, Bouça e Castelo do Bode) formam um imenso lago artificial, com mais de 5.800 hectares.


No histórico jantar de fim de Percurso o sentimento geral era de objectivo superado e vontade de estabelecer novo compromisso para fazer outro percurso semelhante ainda este ano.

Fonte: ACV

"TRIATLO DO SABUGAL"

Apuramento para o Europeu de Youth na Hungria

Disputou-se este fim-de-semana no Sabugal, uma jornada dupla pontuável para o Campeonato Nacional de Triatlo por Clubes com a realização no sábado, de uma prova em distância olímpica, e no domingo, de uma prova de estafetas em distância Super-Sprint.

Mas, a prova mais importante para Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas foi a prova de Super-Sprint (300m natação, 8kms natação e 2kms corrida), de participação obrigatória para os atletas Cadetes e Juvenis de 2ºano, que se realizou também no domingo de manhã, no Sabugal, com vista à participação pela Selecção Nacional de Triatlo, no Campeonato da Europa de Youth, que se realiza no início de Julho, na Hungria.

Depois dos bons resultados alcançados em Altura e Amora, nesta 3ªetapa de apuramento os atletas torrejanos voltaram a estar em bom plano. RICARDO BATISTA, que subiu ao pódio no 2ºlugar e JOSÉ PEDRO VIEIRA, que terminou a prova na 4ºposição, deram um excelente passo para estarem presentes na Hungria, da mesma forma JOANA MIRANDA, que obteve o 5ºlugar nesta prova, também está bem posicionada para alcançar este apuramento.

Entretanto, estiveram mais atletas torrejanos em acção nesta etapa, e que ajudaram na obtenção do 1ºlugar por equipas para a Escola Triatlo de Torres Novas. Carolina Serra no 6ºlugar e Mariana Correia fecharam a equipa feminina, e em masculinos, Afonso do Canto e André Rodrigues também terminaram a prova.

Voltando ao Campeonato Nacional de Triatlo por Clubes, e à prova disputada no sábado à tarde em distância olímpica (1.500m natação, 40kms ciclismo e 10kms corrida), que contou com a presença de uma equipa torrejana constituída por Rafael Marques (que realizou o seu 1ºtriatlo nesta distância), Ricardo do Canto e Marco Sousa, o destaque individual vai para mais um 1ºlugar de Marco Sousa no escalão de Veteranos I.

No domingo, disputou-se a prova de estafetas, na qual cada atleta teve de efectuar uma prova na distância de Super-Sprint. Rafael Marques (junior), Afonso Silva (cadete) e Ricardo do Canto (Veteranos II), competiram pela Escola de Triatlo torrejana. A prova realizou-se no centro do Sabugal, com o segmento de natação a ser efectuado no Rio Côa, com a temperatura da água a rondar os 13 graus.

As próximas provas realizam-se, em Peniche no dia 10/junho, a prova única do Campeonato Nacional de Grupos de Idades, e no Arripiado, aldeia do concelho da Chamusca, no dia 12/junho, a 7ªetapa do Campeonato Nacional de Triatlo Jovem, que será um Aquatlo (natação e corrida).

Fonte. Escola Triatlo de Torres Novas

“Tiago Machado e José Mendes no Passeio de Bicicleta "Dia 1 de Portugal"

Pré-convocados para os Jogos Olímpicos, os ciclistas minhotos Tiago Machado e José Mendes participam no Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal que a Associação de Ciclismo do Minho promove no dia 24 de junho, em Guimarães.

A iniciativa é de participação gratuita (oferta de t-shirt oficial, seguro e sorteio de vários prémios), havendo a possibilidade de inscrição no Passeio, Mini Passeio e Trilho de BTT (inscrições em www.acm.pt).

Os ciclistas profissionais minhotos – que já disputaram a Volta a França e estão pré-convocados para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro - associam-se assim à 8ª edição do Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal que pretende incentivar a prática desportiva e a utilização da bicicleta como opção de mobilidade, para além de assinalar uma importante data histórica, a Batalha de São Mamede (24 de Junho de 1128) que viria a ser designada como "a primeira tarde portuguesa".

Confirmada está igualmente a participação de Cândido Barbosa (ex-ciclista), Delmino Pereira (ex-ciclista e Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo) e de, entre outros, Carlos Rocha (Campeão do Minho de BTT XCM).

A 8ª edição do Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal terá dois percursos de dificuldade baixa (passeio e mini passeio) e um trilho de BTT (Trilho do Fundador/Profº Orlando Lemos), procurando-se assim incentivar a participação de todos os interessados, independentemente da idade e da condição física.

A participação de figuras públicas e de referências do desporto tem sido uma das características do Passeio Dia 1 de Portugal, proporcionando-se assim momentos de interação e de convivência no contexto de uma autêntica "festa do ciclismo de lazer" em que pode participar toda a família.

O Trilho do Fundador/Profº Orlando Lemos, uma das três opções de participação, é promovido em parceria com a ERDAL - Escolas de Referência de Desportos de Ar Livre.

Com partida e chegada junto ao Estádio D. Afonso Henriques (início às 10 horas), a iniciativa terá três percursos (Passeio, Mini Passeio e Trilho de BTT), sendo o trajeto inicial (no Centro Histórico de Guimarães) efetuado em conjunto por dois grupos de participantes (Passeio e Mini Passeio). À passagem pelo local da partida, depois do trajeto inicial no Centro Histórico, termina o Mini Passeio.

O Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal conta, entre outros, com os seguintes apoios: Câmara Municipal de Guimarães, Federação Portuguesa de Ciclismo, Liberty Seguros, Cision, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Tempo Livre / Centro de Medicina Desportiva de Guimarães, Vitrus Ambiente, Salvaggio, União de Freguesias de Atães e Rendufe, Like Bike, Controlsafe, Decathlon, Hermotor - Ford, Foto Fundador - Imagens Aéreas, GuimarãeShopping, Guimarpeixe, Hotel ibis - Guimarães, Enfcare - Serviços de Enfermagem, Lda., IPDJ, Roda na Frente e Ciclismo a Fundo (revista oficial).

Nas edições anteriores o Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal integrou a programação de Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura, de Guimarães 2013 - Cidade Europeia do Desporto, foi o evento escolhido pelo Comité Olímpico de Portugal para assinalar o Dia Olímpico (2013), integrou o programa oficial das Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa (2014) e o programa do centenário do Centro Juvenil de São José (2015).

Fonte: ACM

“Campeonato da Europa de XCM”

Tiago Ferreira vice-campeão europeu de maratonas

O português Tiago Ferreira foi o segundo classificado no Campeonato da Europa de Maratonas BTT, disputado em Sigulda, Letónia, com vitória do estoniano Peeter Pruus.

O corredor viseense cumpriu o objetivo de alcançar o pódio na terceira vez que conseguiu terminar um Campeonato da Europa no top 10. O vencedor da corrida é desconhecido do mundo das Maratonas BTT, mas é conhecido do ciclismo português, uma vez que faz parte da equipa continental de estrada Rietumu-Delfin, que, em 2015 e 2016, estagiou no Algarve, no âmbito do programa Cyclin’Portugal.

Peeter Pruus concluiu os 105 quilómetros da corrida em 3h28m38s, menos dois segundos do que Tiago Ferreira. O terceiro foi o checo Kristin Hynek, a 43 segundos.

“O Tiago fez uma corrida de grande qualidade, em termos físicos e de leitura dos acontecimentos. Atacou para fazer a seleção na primeira passagem pela meta e, no final, aproveitou a subida para a chegada para tentar ganhar. Foi apenas batido ao sprint por um adversário. Este é um dos dias mais importantes do BTT português, porque nunca antes tínhamos conseguido uma medalha em Europeus ou Mundiais na categoria de elite”, afirma o selecionador nacional de BTT, Pedro Vigário.

O resultado neste Campeonato da Europa confirma o potencial de Tiago Ferreira, numa disciplina de fundo, para a qual, aos 27 anos, o português é considerado ainda muito jovem e um ciclista com larga margem de evolução.

“Fiquei um pouco triste por não ter ganho, mas reconheço que o segundo lugar é muito bom e significa a concretização de um objetivo que tinha há muito: fazer um lugar no pódio. Discuti a prova até ao final, mas nos últimos 100 metros não consegui aguentar o ritmo do ciclista que venceu”, explica Tiago Ferreira.

O corredor de Viseu já tem mais duas metas: “Quero revalidar o título de campeão nacional, algo que é sempre importante para mim e para a equipa. E vou lutar por um top 5 no Campeonato do Mundo”, confessa o novo vice-campeão europeu de maratonas.

Tiago Ferreira é um dos quatro portugueses pré-convocados para a prova de cross country olímpico dos Jogos do Rio de Janeiro, onde Portugal estará representado por dois corredores.

Fonte: FPC

“Troféu Internacional CAR Anadia”

França domina no encerramento

A seleção nacional de França terminou a participação no Troféu Internacional CAR Anadia da mesma forma que a iniciara, há dois dias, dominando completamente a competição de classe 1 internacional, disputada no Velódromo Nacional, em Sangalhos, Anadia.

Os corredores gauleses impuseram-se nas quatro provas realizadas. No Madison de elite masculina, a equipa francesa levou a melhor sobre a dupla da Suíça, que ocupou o segundo lugar. Ivo Oliveira e João Matias, ao serviço da Seleção Nacional/Liberty Seguros, fecharam o pódio.

Ainda entre a elite masculina, destaque para o pódio totalmente francês na disciplina de keirin. Sebastien Vigier foi o mais rápido, seguido por Quentin Lafargue e por Charlie Conord. Também em keirin, mas no setor feminino, a vitória foi para outra representante de França, Melissandre Pain, que teve na compatriota Mathilde Gross a mais direta concorrente. A terceira classificada foi a espanhola Helena Casas.

A corrida por pontos de elite feminina foi mais uma prova com total hegemonia gaulesa. Pascale Jeuland triunfou, diante de Marion Borras e de Laurie Berthon, segunda e terceira respetivamente.

Fonte: FPC

“Daniel Mestre conquista camisola verde no Grande Prémio JN”

Etapa louca ditou muitas mudanças na classificação geral individual

Os mais de 170 quilómetros que ligaram Matosinhos ao Porto na derradeira etapa do Grande Prémio Jornal de Notícias foram verdadeiramente loucos. Daniel Mestre, que partia de amarelo, acabou por ficar “preso” num grupo e atrasou-se. Mas garantiu a camisola verde, relativa à vitória na classificação por pontos. Henrique Casimiro, que não se livrou de uma queda no derradeiro dia de prova, foi o melhor classificado da EFAPEL, com o quinto posto.

No dia de todas as decisões, o Grande Prémio Jornal de Notícias teve um dos melhores espectáculos de ciclismo da temporada. A etapa foi muito atacada e as bonificações acabaram por ter um papel importante na classificação final. No seio da EFAPEL, e apesar de os corredores tudo terem feito para defender a amarela de Daniel Mestre, nem tudo correu pelo melhor com várias adversidades a atingirem a formação de Ovar. Ainda assim, os responsáveis ficaram satisfeitos com o que a equipa fez ao longo de cinco dias de competição.

“O balanço é bastante positivo. Partimos para esta prova com o objectivo de ganhar uma etapa. Vencemos duas e estivemos na discussão pela vitória final até à meta. Com a equipa que trouxemos e depois das quedas sofridas por alguns dos nossos corredores, o resultado foi bom. Estamos satisfeitos com a nossa prestação”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Concluído o Grande Prémio Jornal de Notícias, a equipa prepara nova competição, o Grande Prémio ABIMOTA, que se realiza nos próximos dias 10, 11 e 12.

 

Classificação na quarta etapa do 26º Grande Prémio Jornal de Notícias

    António Carvalho        W52/FC Porto            4h08m18s

    Rinaldo Nocentini        Sporting/Tavira        mt

    Rafael Reis            W52/FC Porto            mt


    Henrique Casimiro        EFAPEL            a 8s

16º    Rafael Silva            EFAPEL            a 35s

32º    Filipe Cardoso        EFAPEL            a 18m18s

33º    Daniel Mestre            EFAPEL            mt

40º    Nuno Almeida        EFAPEL            a 21m29s

57º    Hélder Ferreira        EFAPEL            a 23m16s

NT    Álvaro Trueba        EFAPEL            NT

 

Classificação geral individual no 26º Grande Prémio Jornal de Notícias

    Rafael Reis            W52/FC Porto            17h48m55s

    António Carvalho        W52/FC Porto            mt

    Vicente de Mateus        Louletano/Hospital de Loulé    a 9s


    Henrique Casimiro        EFAPEL            a 18s

11º    Rafael Silva            EFAPEL            a 1m12s

28º    Daniel Mestre            EFAPEL            a 17m59s

30º    Filipe Cardoso        EFAPEL            a 18m47s

46º    Nuno Almeida        EFAPEL            a 33m57s

53º    Hélder Ferreira        EFAPEL            a 42m56s

Fonte: Efapel

“26.º Grande Prémio Jornal de Notícias”

Rafael Reis coroado nos Aliados

Rafael Reis (W52-FC Porto) sagrou-se vencedor do 26.º Grande Prémio Jornal de Notícias, depois de ser o terceiro na última etapa, ganha pelo colega de equipa António Carvalho, ao cabo dos 171,6 quilómetros, que ligaram Matosinhos ao Porto.

A derradeira jornada foi a mais emocionante da competição, com ataques do princípio ao fim, que dizimaram completamente o pelotão e deixaram para trás os dois primeiros da geral à partida, Daniel Mestre (Efapel) e Raul Alarcón (W52-FC Porto).

As decisões ficariam guardadas para o quilómetro final, sempre a subir, em empedrado, desde a Ribeira até ao cimo da Avenida dos Aliados. António Carvalho atacou desde o começo da escalada e poucos conseguiram seguir-lhe a roda. Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) foi um deles e terminou em segundo na etapa. Outro foi Rafael Reis, terceiro na tirada, perante milhares de pessoas que deram mais colorido à sala de visitas do Porto.

Nem depois de cortada a meta pelos corredores acabou o suspense, já que António Carvalho e Rafael Reis terminaram com o mesmo tempo os cinco dias de competição. Aplicou-se o desempate pelos centésimos de segundo no prólogo e, assim, Rafael Reis foi declarado vencedor com 74 centésimos de vantagem sobre Carvalho. Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) fechou o pódio, a 9 segundos.

“Não venci por centésimos, porque a minha vitória não foi sobre o António Carvalho. Partimos com o objetivo de recuperar a camisola amarela para a equipa e trabalhámos para isso, como uma verdadeira equipa, como amigos. No final foi impressionante, ganhar perante todo este público”, regozijou-se Rafael Reis.

O vencedor da etapa, António Carvalho, explicou como a W52-FC Porto despedaçou o pelotão. “Logo a seguir à primeira meta volante continuava a subir, em paralelo, e devíamos endurecer aí a corrida”, disse o vencedor do Grande Prémio Jornal de Notícias do ano passado. Na aproximação à meta, Carvalho deu a cara e ergueu os braços: “Neste tipo de subidas, gosto de assumir as despesas. Ataquei logo na Ribeira. O García de Mateos estava forte e respondeu, mas no final consegui a vitória”, contou.

A W52-FC Porto também venceu por equipas e teve em Raul Alarcón o primeiro na classificação das metas volantes. Daniel Mestre (Efapel) perdeu a camisola amarela, mas segurou a verde, dos pontos. Pablo Guerrero (Rádio Popular-Boavista) confirmou o estatuto de melhor trepador e Gaspar Gonçalves (Liberty Seguros/Carglass) terminou no topo da classificação de sub-23.

Classificações

4.ª Etapa: Matosinhos - Porto, 171,6 km

1.º António Carvalho (W52-FC Porto), 4h08m18s

2.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), mt

3.º Rafael Reis (W52-FC Porto), mt

4.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), mt

5.º César Fonte (Rádio Popular-Boavista), mt

6.º Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), mt

7.º Frederico Figueiredo (Rádio Popular-Boavista), mt

8.º Luís Mendonça (Sicasal/Constantinos/UDO), a 4s

9.º Henrique Casimiro (Efapel), a 8s

10.º Bruno Silva (LA Alumínios-Antarte), a 8s

Geral Individual

1.º Rafael Reis (W52-FC Porto), 17h48m55s

2.º António Carvalho (W52-FC Porto), mt

3.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 9s

4.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), a 15s

5.º Henrique Casimiro (Efapel), a 18s

6.º Frederico Figueiredo (Rádio Popular-Boavista), a 28s

7.º César Fonte (Rádio Popular-Boavista), mt

8.º Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 30s

9.º Hugo Sabido (Sporting-Tavira), a 45s

10.º Bruno Silva (LA Alumínios-Antarte), a 1m02s

Fonte: FPC

“Reportagem no “A Notícia” do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016”

Já está on-line a reportagem na “A Notícia”, do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016” realizado ontem em Vila Nova de Cernache, Coimbra, a mesma pode ser visualizada em: http://www.anoticia.pt/pt/201605/Desporto/229/13º-Convívio-Cicloturistico-de-Vila-Nova-de-Cernache-junta-cerca-de-150-participantes.htm ou em: http://anoticia.pt/ onde pode ainda visualizar outras notícias.
 
 

“Reportagem no “O Praticante” do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016”

Já está on-line a reportagem no “O Praticante” do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016” realizado ontem em Vila Nova de Cernache, Coimbra, o mesmo pode ser visualizado em: http://www.opraticante.pt/13o-convivio-cicloturistico-vila-nova-cernache-junta-cerca-150-participantes/ ou em: http://www.opraticante.pt/  onde pode ainda visualizar outras notícias.

“Reportagem no “Jornal de Ciclismo” do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016”

Já está on-line a reportagem no “Jornal de Ciclismo”, do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016” realizado ontem em Vila Nova de Cernache, Coimbra, a mesma pode ser visualizada em: http://jornalciclismo.com/?p=42529 ou em: http://jornalciclismo.com/ onde pode ainda visualizar outras notícias.

“Galeria Multimédia” divulgação das Fotos do “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016”

Já estão on-line na “Galeria Multimédia”, as fotos do  “13º Convívio Cicloturistico Vilanovense.2016” realizado ontem em Vila Nova de Cernache, Coimbra, as mesmas podem ser visualizadas em:

24ª Edição “Lisboa Antiga de Bicicleta junta 400 participantes”

Texto: José Morais

Fotos: António Baganha

Se muitos dizem que pedalar em Lisboa é difícil e complicado, ao afirmarem e apontarem as suas sete colinas, podem colocar de parte essa ideia, e mergulhar numa cidade que é já considerada por muitos bastante ciclável, e para desmitificar essa teoria da dificuldade, a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB) levou novamente para as ruas da capital mais uma edição de Lisboa Antiga de Bicicleta, na sua 24ª edição, onde mais uma vez se provou que se podem ultrapassar de forma simples, descontraidamente,  e que, afinal, na capital, também se pode andar de bicicleta, e dar fortes pedaladas, mesmo nas zonas mais ingremes, já que hoje em dia as bicicleta são diferente e conseguem ultrapassar os obstáculos.

O Largo do Intendente foi este ano o local da concentração neste domingo 5 de junho, pelas 8,30, dava-se início à concentração dos amantes das duas rodas, os quais tinham pela frente pouco mais de trinta quilómetros, cinco pontos de encontros de paragem obrigatória, com três das mais emblemáticas Calçadas de Lisboa para subir.

Cerca das 10 era dada a partida, o pelotão pedalou rumo ao Martim Moniz, Praça da Figueira entrou pela rua dos Fanqueiros, rua da Conceição, e iniciou a subida com passagem junto à Sé de Lisboa, entrou pelo bairro de Alfama, saiu em São Tomé, e fez a sua primeira paragem no Miradouro das Portas do Sol, aqui foi tempo de reagrupar, restabelecer energias, e contar algumas das peripécias das primeiras pedaladas.

De regresso á estrada, os participantes entraram pela rua de São Tomé, Calçada Santo André, ruas dos Cavaleiros, Calçada da Moraria, Martim Moniz, Largo de São Domingos, rua das Portas de Santo Antão, e no Largo da Anunciada, o segundo ponto de encontro, foi feita nova paragens, aqui para os mais audaciosos terem o primeiro grande desafio da manhã, a subida e descida da Calçada do Lavre.

 

Tudo preparado, a Calçada mais importante estava em frente, atravessando a Avenida da Liberdade, com cerca de 270 metros os cicloturistas tinham a celebre Calçada do Glória, pedalada a pedalada, até lá ao cimo no Bairro Alto, o longo pelotão lá foi subindo metro a metro a velha Glória, com o terceiro ponto de encontro a ocorrer no Jardim de São Pedro de Alcântara, onde mais uma vez se descansou e reagrupou todos os participantes, onde nos rosto dos mesmo se via o cansaço, mas também a satisfação de tão fortes pedaladas.

De volta á estrada, os participantes seguiram até ao Príncipe Real, entrando Bairro Alto dentro pela rua do Século, despois uma descida cheia de adrenalina pela Calçada do Combro, Calçada das Estrela, São Bento, Av. D. Carlos I, Av. 24 de Julho, Viaduto de Alcântara, Av. Brasília, e Belém, onde junto à Torre foi feito o quarto ponto de encontro, reagrupar o pelotão, e feito um abastecimento liquido, para restabelecer as energias. Corpo santo

Na reta final, os amantes das bicicletas voltam a pedalar, entrando pela Av. de Brasília, Cais do Sodré, Lago Corpo Santo, Rua São Paulo, aqui, o último grande desafio do dia, a subida da Calçada da Bica, até lá bem ao alto, ao Calhariz, seguindo depois para o Largo de Camões, aqui o quinto é último ponto de encontro, o reagrupamento do pelotão, e antes das últimas pedaladas, foi tempo de foto em grupo, após a mesma, os cicloturistas entraram pela Brasileira, Chiado, e Largo do Carmo, onde pelas 12,30 terminou mais uma edição de “Lisboa Antiga de Bicicleta”.

Foi um belo passeio, numa excelente manhã, onde o sol marcou forte presença, de salientar o excelente trabalho feito mais uma vez pela PSP- Trânsito de Lisboa dando segurança a todos os participantes, num trajeto sem dúvida com algumas dificuldades, mas superados por todos, já que a passagem por locais emblemáticos da capital marcou os participantes, em ruas ou vielas onde apenas a pé ou de bicicleta se pode passar, foram descobertas por muitos, com o cheirinho das festas de Lisboa, onde não faltou também o belo cheiro da sardinha assada, também já com o cheirinho aos Santos Populares que se aproximam.

No final, José Manuel Caetano, presidente das FPCUB dizia á nossa reportagem; “Mais uma vez os objetivos foram conseguidos, tivemos uma participação muito boa, e provamos mais um ano de que aquela cidade de que muitos comentam não ser ciclável, afinal é, o que falta é criar mais condições, e respeito da parte dos automobilistas, se existir isso, podemos contribuir para que Lisboa seja mais limpa, mais saudável, e se possa utilizar ainda mais a bicicleta, a qual cada vez é mais utilizada diariamente por muitos, por isso venham pedalar por Lisboa, a mesma merece”.

A finalizar, apenas os botos de bons passeios, boas pedaladas, e experimentem descobrir a cidade de bicicleta.

13º Convívio Cicloturistico de Vila Nova de Cernache junta cerca de 150 participantes

Passeio ao rubro, com um convívio inesquecível

Texto: José Morais
Fotos: José Morais e Helena Morais

As instalações da Associação Desportiva e Recreativa Vilanovense, em Vila Nova de Cernache, Coimbra, foi o local da concentração este domingo 5 de junho, do 13º passeio de cicloturismo organizado por esta Associação, um evento do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB). Ao local, bem cedo começaram a chegar os primeiros participantes oriundos de diversos locais, muitos da zona centro, algumas equipas da zona da área da grande Lisboa, caso do Penteado/Moita, Manique/Cascais, ou do Alentejo, Gáfete/Crato. Confirmadas as inscrições, dois dedos de conversa, e as últimas afinações nas bicicletas, pelas 9 horas todo o pelotão estava a postos, pela frente havia um percurso de 65 quilómetros para percorrer, com um trajecto de dificuldade média, já que a zona assim era propícia a isso e um pouco acidentada, os cicloturistas iniciaram as pedaladas por Vila Nova, seguindo por Casconha, Feteira, e Tirado, aqui, foi tempo de paragem, e como tem acontecido nos últimas edições, foi feita uma breve homenagem a dois elementos do Vilanovense falecidos já alguns anos, o Mário Correia e Armindo, homenagem que anualmente é feita, fazendo uma paragem, e oferecendo um ramos de flores á família, para ser depois depositado em ambas as campas, este é sem dúvida um momento muito comovente, já que a emoção é muita e as lagrimas acabam por aparecer, relembrando os grandes amigos e dedicando a eles uma grande salva de palmas.

E as pedaladas seguiu-se depois em direção a Cernache, P. do Alto, Orelhudo, Eira da Pedrinha, Condeixa, Alcabideque, Casal Novo, Chão de Lamas, Ponte Espinal e Penela, aqui, a segunda paragem do dia, sendo oferecido a todos os participantes um abastecimento líquido e sólido, seguiu depois as pedaladas por Sº Amaro, Alfafar, Condeixa, Anobra, Avenal, Vila Pouca, Cernache, e a chegada a Vila Nova ao local da saída, a ocorrer cerca das12,45.

O postal ilustrado do evento:

Foi na zona centro que estivemos neste primeiro domingo de junho, Cernache, mais propriamente a localidade de Vila Nova, estava preparada para receber todos que quiseram comparecer, a recção aos participantes começou logo pela manhã a distinguir-se de alguns eventos, já que antes das pedaladas, e porque existia uma longa subida antes do abastecimento em Penela, todos tinham á sua disposição bolos, águas e iogurtes, aproveitando aquela célebre frase do nosso saudoso Actor Vasco Santana, onde a certa altura dizia “Chapéus á muitos…” eu aqui arrisco a dizer, “Passeios á muitos…” mas boas organizações, às vezes não existem muitas, ficando aquém do esperado, neste passeio que estivemos presentes já por três edições, cada uma diferente, onde fomos surpreendidos sem duvida cada ano, com mais responsabilidade de organização, não é só levar para a estrada um determinado número de ciclistas e dar umas voltas, acima de tudo, terá de haver organização, paixão pelo que se faz, e aqui, vi este ano mais uma vez isso, a forma como as pessoas são recebidas, e a disponibilidades dos participantes, fazendo-me lembrar os passeios de antigamente, onde as pessoas participavam, conviviam, sem pressas nem atropelos, algo que muito pouco se vê por esse país.

E estando nós no centro do país, onde muitas vezes muitos locais ficam no esquecimento, é de salientar não só da organização de tentar dar o seu melhor, mas dos apoios que conseguem, de referir a aposta da parte de algumas autarquias, que apesar de terem dificuldades, apostam no cicloturismo, o qual promove a sua região, incentivando muitos a voltarem, algo que não acontece com autarquias com mais condições monetárias, e não só, os apoios pelo comercio local e arredores que poiam este evento, traduzindo-se no final em boa lembranças, um bom almoço, ou bons abastecimentos, e Vila Nova consegue distinguir-se também aqui.

Pedro Relvão, é o responsável pela ADR Vilanovense, no final falava á nossa reportagem, e fazia um balanço ao dizer; “Fazendo um balanço deste evento o mesmo cada vez nos trás mais responsabilidades, porque muitos para virem aos eventos tem de existir qualidade nos mesmos, porque as despesas já são imensas, e se não tivermos cuidado no que fazemos, as pessoas não comparecem. Sei que a inscrição talvez fosse um pouco cara, 12.50€ para pedalar e almoçar, com os abastecimentos e as lembranças, mas, conseguimos ter qualidade, e segurança, que é o que é importante, e é de enaltecer depois no final, como alguém que esteve hoje pela primeira vez aqui, e nos deu os parabéns, por isso, queremos agradecer a todos, e deixar uma mensagem, venham a Vila Nova de Cernache, não se vão arrepender, temos bonitos locais, e estamos cá para dar o nosso melhor e receber de braços aberto”.

E foi sem dúvida um belo passeio, por locais bem bonitos, com o verde invejável, num trajeto de média dificuldade, onde a equipa da casa soube manter uma verdadeira velocidade de cicloturismo. De salientar, o excelente trabalho feito pela Brigada de Trânsito da GNR a dar segurança a todos, num passeio que terminou tarde dentro com um magnífico almoço, algumas entradas, um belo caldo verde, e uns excelentes panados, acompanhados por um maravilhoso arroz de feijão, que não posso deixar de dar os parabéns á cozinheira, depois, os digestivos, o café, e a entrega de lembranças a todos os participantes, não esquecendo antes algumas alusões de alguns presentes, com um agradecimento especial a todos os patrocinadores que apoiaram este grande convívio.

Da nossa parte, um agradecimento especial como nos receberam, marcamos presença para 2017, deixando aqui os votos de bons passeios, boas pedalas.