quinta-feira, 26 de maio de 2016

“Matteo Trentin impõe-se na 18ª etapa”

Foto: AFP

O ciclista transalpino de 26 anos deu à Etixx-QuickStep o quarto triunfo nesta edição, o ciclista venceu a etapa desta quinta-feira do Giro2016.
O ciclista italiano Matteo Trentin (Etixx-QuickStep) venceu hoje a 18.ª etapa da Volta a Itália, depois da qual o holandês Steven Kruijswijk (LottoNL-Jumbo) ficou separado da vitória final somente pelas duas grandes etapas alpinas.
A mais longa tirada da 99.ª edição do Giro, com 244 quilómetros a ligarem Muggiò a Pinerolo, foi sem surpresa palco de uma fuga de sucesso em que o jogo de equipa entre Gianluca Brambilla e Matteo Trentin valeu a vitória ao segundo e negou o triunfo a outro italiano, Moreno Moser (Cannondale), neto de Francesco Moser, vencedor da prova em 1984.
Isolado com Brambilla nos últimos 20 quilómetros, depois de se destacarem de um grupo de 24 corredores, Moser tinha uma boa oportunidade para alcançar a primeira vitória numa etapa na Volta a Itália, mas, sem a colaboração do adversário, a vantagem esfumou-se e permitiu a reaproximação de Trentin, que os ultrapassou na reta final para ganhar em 5:25.34 horas, o mesmo tempo atribuído aos outros dois.
"Moser é rápido no 'sprint'. Quando percebi que Brambilla não conseguia distanciar-se na última subida, fiz a minha corrida", afirmou Trentin, um rolador-'sprinter' de 26 anos que obteve o seu primeiro triunfo na 'corsa rosa' e deu a quarta vitória à Etixx-QuickStep nesta edição, após duas de Marcel kittel e uma de Brambilla.
Os restantes elementos da fuga inicial foram chegando a 'conta-gotas', com o italiano Sacha Modolo (Lampra-Merida) à cabeça, a 20 segundos, antes de o grupo dos favoritos, comandado pelo espanhol Alejandro Valverde (Movistar), terceiro da geral, e por Kruijswijk, cruzar a meta 13.24 minutos depois do vencedor. O português André Cardoso (Cannondale) chegou um pouco atrás, no 44.º lugar, a 13.56.
Apesar da média de quase 45 km/hora, a etapa foi 'tréguas' para os candidatos, mais preocupados com a subida fronteiriça do gigante Agnello (21,3 km a 6,8%) e a sua longa descida antes da escalada final para Risoul (12,9 km, a 6,9%), já em território francês, 162 quilómetros depois da partida em Pinerolo.
É neste terreno e no cenário ainda mais impressionante da etapa de sábado, com passagens no Col de Vars e no Col de la Bonette, ainda em França, e no Colle de la Lombarda, de novo em Itália, que Seven Kruijswijk terá de defender a camisola rosa, segura por 3.00 minutos em relação ao colombiano Esteban Chaves (Orica-GreenEDGE) e 3.23 face a Valverde. O italiano Vincenzo Nibali (Astana), vencedor em 2013, é o quarto, a 4.43.
"Treinei para estar bem nas grandes subidas", afirmou o holandês, pouco impressionado pelos 2.744 metros do Agnello - 'teto' do Giro - e pela rarefação do ar. "Senti-me bem no outro dia [sábado] no Giau, que é a mais de 2.200 metros", acrescentou o líder.
Único português em prova, André Cardoso avança para a antepenúltima etapa no 20.º lugar, a 30.35 de Kruijswijk.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa  

“Giro/Trentin vence etapa e Kruijswijk mantém liderança”

Foto: LUCA ZENNARO / EPA
A 18.ª etapa da Volta a Itália em bicicleta ligou Muggio a Pinerolo.
O italiano Matteo Trentin (Etixx) venceu hoje ao ‘sprint’ a 18.ª etapa da Volta a Itália em bicicleta, que ligou Muggio a Pinerolo, enquanto o holandês Steven Kruijswijk (Lotto Jumbo) manteve a liderança na geral.
Nos metros finais da tirada, Trentin foi mais forte que os compatriotas Moreno Moser (Cannondale) e Gianluca Brambilla (Etixx), todos cronometrados em 5:25.34 horas. O grupo de favoritos, no qual estava Kruijswijk, cruzou a meta 13.24 minutos depois.
Na sexta-feira disputa-se a 19.ª etapa, um traçado montanhoso de 162 quilómetros, que ligará Pinerolo a Risoul.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Rui Costa falha Nacionais/Foco no Tour e Rio'2016”

Por: Ana Paula Marques

Rui Costa revelou que não vai este ano marcar presença nos Campeonatos Nacionais, em Braga, no final de junho. O ciclista da Lampre não defende, assim, o título de campeão de estrada. "Depois da Volta à Suíça vou estar em estágio em altitude a preparar o Tour e os Jogos Olímpicos", explicou ao Eurosport.
O poveiro, que confirmou a participação este ano na Volta à Suíça – começa a 11 de junho –, onde tentará a quarta vitória em cinco anos, em detrimento do Dauphiné (fez em 2015), disse ainda não se sentir pressionado na Lampre para ter um bom desempenho na Volta a França, depois das desistências em 2014 e 2015. "Esse tipo de pressão nunca houve na equipa. Eles [dirigentes] sabem que todos os ciclistas dão o máximo."
Em final de contrato com a Lampre, Rui Costa refere que propostas "em pé de igualdade", a sua preferência será permanecer na formação italiana.
Fonte: Record on-line

“EFAPEL corre no Dão durante dois dias”

Equipa pronta para a segunda edição deste grande prémio

A EFAPEL ruma, mais uma vez, à região Centro do país para a segunda edição do Grande Prémio do Dão, para dois dias de intensa competição. A equipa liderada por Américo Silva apresenta-se com um conjunto ambicioso de oito atletas que procura discutir cada uma das três etapas previstas para o fim-de-semana.

Entre sábado e domingo, o pelotão nacional pedala durante quase 240 quilómetros, num percurso desenhado que se antevê selectivo. Perante estas características, a EFAPEL preparou esta prova para se bater pelos melhores lugares.

“Sabemos que o figurino desta prova não é o mais indicado às características dos nossos atletas. Mas a ambição e a postura da equipa fazem com que queiramos lutar pelos lugares de destaque. Vamos procurar o protagonismo em todas as etapas e tirar dividendos”, assegurou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

A segunda edição do Grande Prémio do Dão tem três etapas que se realizam durante dois dias. No sábado, o pelotão cumpre 163,3 km entre Mangualde e Penalva do Castelo. Um percurso de média montanha bastante selectivo, com uma meta volante e três prémios de montanha, um de terceira e dois de segunda categoria. No domingo há mais duas etapas. A primeira compreende um percurso de 66 quilómetros com partida e chegada em Nelas. Pelo meio há mais uma meta volante e duas montanhas categorizadas, uma de terceira e outra de segunda. Por fim, pela tarde, os ciclistas enfrentam um contra-relógio individual de 10,1 km em Viseu.


Nome da prova

2º Grande Prémio do Dão
 

Data

28 e 29 de Maio de 2016


Director desportivo

Américo Silva


Ciclistas

Álvaro Trueba (Contra-relogista/Trepador)

António Barbio (Contra-relogista)

Daniel Mestre (Contra-relogista)

Hélder Ferreira (Trepador)

Henrique Casimiro (Trepador)

Jóni Brandão (Trepador)

Nuno Almeida (Trepador)

Rafael Silva (Sprinter)

Fonte: Efapel