sexta-feira, 13 de maio de 2016

“Fernando Medina participa amanhã, 14 de maio, na celebração do Dia Paralímpico em Lisboa”

O Comité Paralímpico de Portugal (CPP) celebra no próximo sábado, 14 de maio, o Dia Paralímpico em Lisboa, com atividades no Terreiro do Paço entre as 10h00 e as 18h00. O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, estará às 13h00 nas celebrações, com o Presidente da República. 

Os visitantes terão oportunidade para experimentar mais de 20 modalidades paralímpicas e surdolímpicas, como boccia, escalada, voleibol sentado ou basquetebol em cadeira de rodas, entre muitas outras.

O evento, que conta com a parceria da Câmara Municipal de Lisboa, tem por objetivo sensibilizar a população para a importância da inclusão através do desporto e preparar a participação dos atletas portugueses nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

Na abertura, a partir das 10h00, participa o vereador da Câmara Municipal de Lisboa com o pelouro do Desporto, Jorge Máximo.

Fonte: CMLisboa

“EFAPEL mostra que vai lutar pela vitória”

Equipa reagiu muito bem a uma primeira etapa bastante nervosa

A primeira etapa do 1º Grande Prémio Internacional das Beiras e da Serra da Estrela foi extremamente nervosa e exigente, com Jóni Brandão a ser o melhor atleta da equipa. O corredor da formação ovarense chegou entre os dez primeiros com o mesmo tempo do vencedor, Eduard Prades.

O dia começou em Pinhel e pela frente os ciclistas tiveram uma etapa com 145 quilómetros até chegarem a Vilar Formoso. Ao quilómetro 22, um grupo com 37 ciclistas, entre os quais estavam Henrique Casimiro e Álvaro Trueba, saiu do pelotão. A EFAPEL assumiu o comando do pelotão e à entrada para a montanha de segunda categoria, estava a apenas 30 segundos, diferença que Jóni Brandão e Nuno Almeida eliminaram para chegarem, juntamente com os seus dois companheiros, entre os primeiros.

“Esta foi uma etapa bastante nervosa. O nível nesta competição está muito elevado. A Caja Rural apresentou-se aqui com a sua melhor equipa. Nós estamos com ambição de tentar vencer mas os adversários estão muito bem e deu para perceber isso no dia de hoje. Vamos continuar a fazer o que fizemos nesta etapa, ou seja, não basta dizer, há que demonstrar que queremos lutar pela vitória. E fizemos isso”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Amanhã realiza-se a segunda etapa do 1º Grande Prémio Internacional das Beiras e da Serra da Estrela. São 198,6 quilómetros entre Sabugal e Fundão. Pelo meio, há várias classificações por disputar, com três metas volante e três contagens de montanha de terceira categoria.


Classificação da primeira etapa

    Eduard Prades        Caja Rural                3h27m45s

    Luca Wackermann        Nasr Dubai                mt

    Sergei Shilov            Lokosphinx                mt


10º    Jóni Brandão            EFAPEL                mt

18º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt

42º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt

43º    Nuno Almeida        EFAPEL                mt

53º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 2m24s

66º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 16m54s

70º    Rafael Silva            EFAPEL                mt

91º    António Barbio        EFAPEL                a 17m37s


Classificação geral individual após a primeira etapa

    Eduard Prades        Caja Rural                3h27m45s

    Luca Wackermann        Nasr Dubai                a 2s

    Sergei Shilov            Lokosphinx                a 6s


    Jóni Brandão            EFAPEL                a 8s

    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 9s

41º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 10s

42º    Nuno Almeida        EFAPEL                mt

53º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 2m34s

66º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 17m04s

70º    Rafael Silva            EFAPEL                mt

91º    António Barbio        EFAPEL                a 17m47s


Fonte: Efapel

“GP Internacional Beiras e Serra da Estrela”

Edgar Pinto foi o melhor português em Vilar Formoso

Edgar Pinto (Seleção Nacional/Liberty Seguros) foi o melhor corredor português na primeira etapa do Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, que hoje terminou em Vilar Formoso, depois de percorridos 145 quilómetros, desde Pinhel.

O corredor natural de Albergaria-a-Velha entrou na grande movimentação do dia, quando 37 corredores se destacaram do pelotão, à passagem do quilómetro 22. Edgar Pinto manteve-se na dianteira e terminou na nona posição, com o mesmo tempo do catalão Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), que venceu ao sprint.

“Foi uma etapa bastante mexida. Houve muitos ataques e formaram-se vários grupos. Tive a felicidade de engatar no grupo principal, apesar de não ter as melhores sensações. Está tudo em aberto para as etapas que faltam. Os favoritos estão todos na discussão”, considera Edgar Pinto.

Tiago Ferreira também representou a Seleção Nacional/Liberty Seguros no grupo dos 37, mas uma queda sofrida a descer afastou-o do contacto com os melhores na etapa. Rui Oliveira foi outro elemento da equipa nacional em destaque. Manteve-se no primeiro pelotão, que acabou por fazer a junção aos 37 da dianteira. Conseguiu, dessa forma, terminar a jornada como segundo melhor jovem.

“O Edgar Pinto esteve bem e conseguiu um bom resultado. O Rui Oliveira também esteve em bom plano, mas não fomos capazes de o levar à camisola da juventude, que era o objetivo que tínhamos para esta etapa. Foi pena a queda do Tiago Ferreira”, resume o selecionador nacional, José Poeira.

Além de ganhar a etapa, Eduard Prades assumiu o comando da geral individual. Edgar Pinto é o melhor elemento da Seleção Nacional/Liberty Seguros na geral, ocupando a 12.ª posição, a 10 segundos do líder.

Na geral da juventude, Rui Oliveira está com o mesmo tempo do líder, o russo Dmitrii Strakhov (Lokosphinx), mantendo-se tudo em aberto para as próximas etapas.

 

Amanhã corre-se a segunda tirada, 198,6 quilómetros, entre o Sabugal e o Fundão.

Classificações

1.º Etapa: Pinhel - Vilar Formoso, 145 km

1.º Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), 3h27m45s (Média: 41,877 km/h)

2.º Luca Wackermann (ANSR Dubai), mt

3.º Sergei Shilov (Lokosphinx), mt

4.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), mt

5.º Marco Zamparella (Amore & Vita-Selle SMP), mt

9.º Edgar Pinto (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

23.º Rui Oliveira (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

54.º Tiago Ferreira (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 8m50s

67.º José Mendes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 16m54s

71.º Sérgio Sousa (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

72.º Venceslau Fernandes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

80.º Victor Valinho (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

90.º João Fernandes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 17m35s

 

Geral Individual

1.º Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), 3h27m35s

2.º Luca Wackermann (ANSR Dubai), a 2s

3.º Sergei Shilov (Lokosphinx), a 6s

4.º Ángel Madrazo (Caja Rural-Seguros RGA), mt

5.º Marco Zamparella (Amore & Vita-Selle SMP), a 7s

12.º Edgar Pinto (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 10s

23.º Rui Oliveira (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

54.º Tiago Ferreira (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 9m00s

67.º José Mendes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 17m04s

71.º Sérgio Sousa (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

72.º Venceslau Fernandes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

80.º Victor Valinho (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

90.º João Fernandes (Seleção Nacional/Liberty Seguros), a 17m45s

Fonte: FPC

“GP Internacional Beiras e Serra da Estrela/Etapa 1”

Eduard Prades deu-se bem com os ares da fronteira

O espanhol Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA) é o primeiro camisola amarela do Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela, graças ao triunfo conseguido hoje na primeira etapa, que ligou Pinhel a Vilar Formoso, ao longo de 145 quilómetros.

A Caja Rural-Seguros RGA semeou desde o início da etapa, partindo o pelotão em dois grandes grupos ao quilómetro 22, e colheu os frutos sobre a linha de meta. Na fronteira entre Portugal e Espanha, foi um homem do país vizinho a impor-se, ao sprint, ao grupo restrito que cortou a meta mais adiantado.

Eduard Prades foi o mais veloz, seguido pelo italiano Luca Wackermann (ANSR Dubai) e pelo russo Sergei Shilov (Lokosphinx). Na geral são também estes os três melhores, com Prades a dispor de 2 segundos de vantagem sobre Wackermann e 6 segundos sobre Shilov.

“Foi a primeira vitória do ano e isso é sempre especial. A equipa trabalhou desde o princípio até ao fim. Vínhamos cinco corredores da equipa no grupo de 37 que saiu do pelotão e fomos nós que puxámos sempre. Estou feliz com o triunfo e espero que esta seja a primeira de muitas vitórias nesta época”, afirmou Eduard Prades.

A tirada que se esperava ser a mais simples da competição colocou em prática uma velha máxima do ciclismo: são os corredores que fazem as corridas difíceis ou fáceis. O vento forte e o espírito atacante, sobretudo das equipas Caja Rural-Seguros RGA e W52-FC Porto, tornaram a viagem muito rápida e exigente. A perseguição movida pela Efapel fez o resto: dizimando o pelotão que perseguiu os fugitivos durante grande parte da jornada.

No final, as formações mais ofensivas acabaram por ser recompensadas. A Caja Rural-Seguros RGA ganhou a etapa e conquistou a camisola amarela. A W52-FC Porto conseguiu as camisolas da montanha, através de Rui Vinhas, e das metas volantes, por intermédio de Raul Alarcón, espanhol que chegou a sonhar com o triunfo, sendo alcançado com a meta praticamente à vista, depois de uma tentativa em solitário. A Lokosphinx comanda por equipas e lidera a tabela da juventude, com Dmitri Strakhov.

A segunda etapa da competição corre-se neste sábado, ligando o Sabugal ao Fundão, num traçado de 198,6 quilómetros. A partida será dada às 11h30, junto ao Tribunal do Sabugal, esperando-se a chegada dos primeiros corredores à Avenida da Liberdade, no Fundão, para cerca das 16h13. Pelo caminho os ciclistas irão ultrapassar três metas volantes e outras tantas contagens de montanha de terceira categoria.


Classificações

1.º Etapa: Pinhel - Vilar Formoso, 145 km

1.º Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), 3h27m45s (Média: 41,877 km/h)

2.º Luca Wackermann (ANSR Dubai), mt

3.º Sergei Shilov (Lokosphinx), mt

4.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), mt

5.º Marco Zamparella (Amore & Vita-Selle SMP), mt

6.º Alexander Vdovin (Lokosphinx), mt

7.º Karol Domagalski (One Pro Cycling), mt

8.º Diego Milán (Inteja-MMR), mt

9.º Edgar Pinto (Seleção Nacional/Liberty Seguros), mt

10.º Joni Brandão (Efapel), mt


Geral Individual

1.º Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), 3h27m35s

2.º Luca Wackermann (ANSR Dubai), a 2s

3.º Sergei Shilov (Lokosphinx), a 6s

4.º Ángel Madrazo (Caja Rural-Seguros RGA), mt

5.º Marco Zamparella (Amore & Vita-Selle SMP), a 7s

6.º Joni Brandão (Efapel), a 8s

7.º Henrique Casimiro (Efapel), a 9s

8.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), a 10s

9.º Alexander Vdovin (Lokosphinx), mt

10.º Karol Domagalski (One Pro Cycling), mt

Fonte: FPC

“Improviso” de Greipel no Giro vale vitória e camisola dos pontos”

Foto: BAS CZERWINSKI / EPA
O ciclista alemão André Greipel venceu a sétima etapa da Volta a Itália.
O ciclista alemão André Greipel (Lotto Soudal) venceu esta sexta-feira a sétima etapa da Volta à Itália, bisando na prova, novamente dependendo da sua capacidade de 'saltar de roda' para 'roubar' a camisola vermelha, símbolo dos pontos.
Apesar da Lotto Soudal ter conduzido o seu 'sprinter' até ao último quilómetro, Greipel foi forçado a seguir o 'comboio' de Orica e Lampre-Merida para se manter na discussão pela vitória de etapa, após duas viragens sinuosas à esquerda, creditado em 5:01.08 horas.
Sacha Modolo (Lampre) parecia a caminho do triunfo, mas a condição possante de Greipel serviu para 'galgar' para o triunfo. Giacomo Nizzolo (Trek) e Modolo terminaram em segundo e terceiro, respetivamente, no 'sprint' mais disputado do Giro2016.
"Sabíamos que as curvas seriam complicadas e a estratégia passava por estar resguardado do vento. Depois, dois companheiros saíram cedo de mais e tive de procurar um espaço para atacar. Não achava que conseguisse ganhar, mas, felizmente, acabei por conseguir", explicou Greipel, agora, com 119 pontos, mais 13 do que Marcel Kittel.
O alemão da Etixx viu-se impedido de se estrear a vencer em território italiano - Kittel triunfou nas tiradas dois e três, ainda em solo holandês - quando enfrentou um problema mecânico, a cinco quilómetros da meta.
Na ligação de 211 quilómetros, entre Sulmona e Foligno, não houve alterações significativas na geral. O holandês Tom Dumoulin (Giant) foi 28.º e preserva os 26 segundos de avanço para o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana) e 28 para o russo Ilnur Zakarin (Katusha), 32.º e 22.º classificados na etapa, respetivamente.
Os favoritos à camisola rosa chegaram integrados no pelotão. Dos candidatos ao 'top-10', só o colombiano Estebán Chaves (Orica) e o canadiano Ryder Hesjedal (Trek), sofreram um corte de tempo, acabando com nove segundos de atraso para o vencedor de etapa.
Neste grupo, estava André Cardoso (Cannondale), que mantém o 31.º posto, a 3.25 de Dumoulin.
Sábado, a oitava etapa, de 186 quilómetros, entre Foligno e Arezzo, conta com uma subida de segunda categoria, a 20 quilómetros da meta, que pode tornar o desfecho da tirada imprevisível.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Giro: Greipel bisa ao 'sprint', Tom Dumoulin continua líder”

Foto: LUK BENIES / AFP

O ciclista alemão André Greipel venceu a sétima etapa da Volta à Itália.
O ciclista alemão André Greipel (Lotto Soudal) venceu esta sexta-feira ao 'sprint' a sétima etapa da Volta à Itália, batendo os italianos Giacomo Nizzolo (Trek) e Sacha Modolo (Lampre Merida), com o tempo de 5:01.08 horas.
O holandês Tom Dumoulin (Giant) manteve a liderança.
O pelotão alcançou o último fugitivo do dia, o suíço Stefan Kung (BMC), já a sete quilómetros da meta, conseguindo posicionar para o 'sprint' os melhores velocistas.
O alemão Marcel Kittel (Etixx), vencedor da segunda e terceira etapas, ficou arredado da discussão por problemas mecânicos e a Lotto Soudal encaminhou o ‘comboio’ até ao último quilómetro, mas Greipel teve de superar as duas viragens à esquerda para ganhar ímpeto na reta da meta para a segunda vitória no Giro, em 2016.
Sábado, a oitava etapa, de 186 quilómetros, entre Foligno e Arezzo, conta com uma subida de segunda categoria, a 20 quilómetros da meta, que pode tornar o desfecho da tirada imprevisível.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa  

“Venceslau Fernandes no legado do pai e da irmã”

Por: Ana Paula Marques

Jovem de 20 anos compete pela Seleção Nacional no GP das Beiras e Serra da Estrela.

Venceslau Fernandes é o pai; Vanessa Fernandes, a irmã. Dois nomes que fizeram história no desporto português. Ele, como ciclista e vencedor de uma Volta a Portugal (1984); ela como uma das mais notáveis triatletas mundiais, sendo ainda a recordista de triunfos na Taça do Mundo (20), para além de vice-campeã olímpica em Pequim'2008. Quem se segue na família?
Venceslau Fernandes, 20 anos, herda para já o nome do pai e as pisadas, ao enveredar pelo ciclismo. Chegará longe como ele? "O meu sonho como ciclista é poder também ganhar uma Volta a Portuga". E chegar a uma medalha olímpica como a irmã? "Isso já é mais difícil. É pensar muito alto". O jovem falou à nossa reportagem esta manhã, antes do arranque, em Pinhel, da 1.ª edição do Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, onde compete ao serviço da Seleção Nacional.
"Faço ciclismo desde os 14 anos. Não escondo que tenho bases herdadas do meu pai e da minha irmã. Eu até comecei no triatlo, em Perosinho. Mas depois comecei a interessar-me mais pelo ciclismo. Pedi ao meu pai, ele formou uma equipa e estive com ele até ao escalão de juniores", explicou o ciclista que está no 2.º ano sub-23 e que corre pela equipa Moreira Congelados-Bicicletas Andrade, de São João de Ver.
Com Vanessa Fernandes arredada dos grandes palcos desportivos, o mais novo da família Fernandes é da opinião que a irmã ainda regressará à ribalta. "Acredito muito nela. Seja no atletismo ou no triatlo, ela voltará a participar nuns Jogos Olímpicos".
Fonte: Record on-line

“Raid BTT Margens do Cávado”


O VIII Raid BTT Margens do Cávado realiza-se no dia 29 de maio, junto à praia fluvial de Merelim São Paio, no concelho de Braga. Oficializada como prova aberta, a atividade tem o apoio da Associação de Ciclismo do Minho.

Os principais objetivos da iniciativa são a promoção da zona ribeirinha do Cávado, o desenvolvimento do espírito de grupo e a entreajuda, assim como incentivar a convivência e fomentar a prática desportiva como meio de promoção da saúde.

Organizado pela Trilhos do Cávado – Associação Desportiva, o evento conta nesta edição com três percursos, o Raid com uma distância de 40 km, um passeio de BTT com 25 km e um Raid BTT infantil para os mais jovens. O início das atividades acontecerá pelas 9 horas com partida da praia fluvial de São Paio de Merelim. Decorrerá durante a manhã uma aula de zumba junto ao local de partida.

Os participantes neste evento terão um custo de inscrição de 9 euros, a que acrescerá um valor de 4 euros caso pretendam almoço. O valor de inscrição inclui seguro, banho, frontal, reforço, brindes e a participação em sorteios.

As inscrições e a consulta do regulamento devem se efetuadas em www.bttmargensdocavado.com ou através do email bttmargenscavado@gmail.com ou dos seguintes telefones: 917 897 179 ou 961 709 480.

A iniciativa tem o apoio da Câmara Municipal de Braga, Gráfica Santa Luzia e das Juntas de Freguesia de Merelim São Paio, Panoias, Parada de Tibães, Merelim São Pedro e Frossos.

Fonte ACM

“A MAIOR ECOPISTA DE PORTUGAL”

POR: Miguel Judas

FOTO: Volta ao Mundo

Inaugurada em 1890, a denominada Linha do Dão tinha início em Santa Comba Dão e ligou, durante quase cem anos, a Linha da Beira Alta a Viseu, tendo sido a primeira via-férrea a chegar à cidade beirã. Foi encerrada em 1988 e, após alguns anos de abandono, foi transformada numa ecopista de 49,2 quilómetros, em 2011.

A Ecopista do Dão é a mais comprida de Portugal – e, sem dúvida, uma das mais belas em matéria de paisagens. Tem início em Santa Comba, junto à margem do Dão, onde este se encontra com o seu afluente Paiva, acompanhando, durante os primeiros quilómetros, o curso do rio em todas as suas curvas, sempre com vista para a magnífica paisagem natural que é uma das imagens de marca da região.

Adiante, o percurso afasta-se da água, entrando numa zona onde predomina a flora autóctone das serranias beirãs, com muitos sobreiros, castanheiros e carvalhos. Já mais próximo de Viseu, atravessa também vinhas, campos agrícolas e aldeias, avistando-se ao longe as serras do Caramulo, a norte, e da Estrela, a sul. A ausência de grandes desníveis, aliada ao bom pavimento, em cimento – pintado de azul no concelho de Santa Comba Dão, verde em Tondela e vermelho em Viseu –, torna-a bastante acessível para todo o tipo de caminhantes, ciclistas ou corredores.

Outras Ecopistas para conhecer

Ecopista do Ramal do Lena

A única linha de caminhos-de-ferro mineira de alta montanha existente em Portugal ligava as minas da Bezerra à vila de Porto de Mós, pela serra da Pevide, no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros. É hoje um percurso pedestre e ciclável com pouco mais de sete quilómetros.

Ecopista do Montado

Tem início na antiga estação de comboios de Montemor-o-Novo, prosseguindo em direção ao apeadeiro de Paião, para terminar, quase 13 quilómetros depois, na estação de Torre da Gadanha. O percurso atravessa uma importante área natural, o Sítio de Monfurado, parte da Rede Natura 2000.

Ecopista da Linha do Sabor

Situada no trecho da antiga linha ferroviária do Sabor, esta ecovia prolonga-se ao longo de 24 quilómetros entre Torre de Moncorvo e a aldeia de Carviçais. Percorre o sopé da serra do Reboredo, contando com vários miradouros ao longo do percurso.

Fonte: Volta ao Mundo

“2º Passeio de Cicloturismo Vitória Clube de Lisboa”

Dia 12 de Junho de 2016

9 Horas

Texto: José Morais

Vai para a estrada no próximo dia 12 de junho, o 2º Passeio de Cicloturismo do Vitória Clube de Lisboa, será um passeio com cerca de 50 quilómetros, tem concentração marcada para as 8 horas junto ao Campo do Vitória Clube de Lisboa, á Picheleira, e a partida será dada pelas 9 horas.

O Vitória Clube de Lisboa, é um dos recentes clubes da capital, iniciando a sua vida velocipédica não há muito tempo, bem cedo se começaram a distinguir nos eventos, e são participantes ativos em diversos passeios, participantes em diversos locais, com a capital a ser a sua preferida, não faltando a nada onde a bicicleta esteja presente, tendo como objetivos neste passeio, além da promoção e o incentivo ao usa da bicicleta, a divulgação de uma Lisboa ciclável, convidando assim todos que desejem participar neste passeio, a conhecer a capital de uma forma diferente, num passeio salutar, num verdadeiro passeio de cicloturismo.

Para informações e inscrições, podem contatar Ricardo Figueiredo:

Telefone: 966 287 689 ou pelo mail: cicloturismo@vcl.pt

Marque já na sua agenda, e venha participar neste evento que muito promete, no final haverá porco no espeto para todos os participantes se deliciarem e confraternizarem tarde dentro. As inscrições devem ser feitas até ao dia 5 de junho a fim de serem garantidas lembranças para os participantes, após essa data, a participação pode ser feita, não sendo porém é garantidas lembrança.

Venha participar, nós Notícias do Pedal vamos estar lá, com a cobertura total do evento, de que está á espera, inscreva-se já…

“Atualização do Canal NP-TV com o “Vídeo Promocional do 2º Passeio Vitória Clube Lisboa.2016”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o “Vídeo Promocional do 2º Passeio Vitória Clube Lisboa.2016”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.

“De Madrid a Lisboa sem paragens - a prova dos super-heróis do BTT”

Por: Armando Saldanha

Fotos: Armando Saldanha

Fotos: POWERADE NON-STOP (organização)

Foi ontem, dia 12, apresentada oficialmente a IV edição da Powerade MTB non stop Madrid - Lisboa, a prova de BTT "mais longa e dura do mundo", sem paragens, a qual irá ter lugar de 30 de setembro a 2 de outubro.

A prova terá início em Las Rosas, em Madrid, e meta no Parque das Nações, em Lisboa, tendo como desafio adicional ultrapassar o record atingido pelo português Bruno Rosa na categoria “Solo” na última edição da prova. De recordar que o ciclista português fez todo o trajeto, 774 quilómetros, sozinho durante 40 horas, 32 minutos e 22 segundos.

Com algumas mudanças nos trilhos da prova em território espanhol, o trajeto contará, na edição deste ano, com um desnível acumulado de 12.077 metros, que terá de ser percorrido em menos de 55 horas. Além do cronómetro e do desnível, também o facto de a prova ser non-stop, implicando etapas de noite, apresenta um desafio adicional à medida dos mais destemidos.

Nas suas intervenções, Jorge Máximo - vereador do Desporto da Câmara Municipal de Lisboa -, Fátima Galhardo - presidente da Câmara de Coruche -, e Rogério Alves - vereador do Desporto de Ponte de Sôr -, reconheceram que as características da prova, a ligação das duas capitais ibéricas, a passagem por duas das cidades mais bonitas do nosso país e de terminar numa cidade cada vez mais amiga da bicicleta, são requisitos suficientes para que esta prova se torne daqui a uns anos numa grande referência mundial desta modalidade

Em 2015, ineditamente, a prova foi discutida ao sprint tendo a equipa vencedora - MMR-POWERADE-Garmin - completado o percurso em 30 horas 9 minutos e 43 segundos.

Reportagem efetuada em parceria com www.anoticia.pt
 
Clique na foto para ver tamanho real: