quinta-feira, 28 de abril de 2016

“Prólogo do 18.º Portugal de Lés-a-Lés promete desvendar muitos dos segredos de Albufeira”

Algarve de sabor intenso 

Mantendo tradicional função de “aquecimento” para a grande aventura que, ano após ano – e já lá vão quase duas décadas! – cruza Portugal de Lés-a-Lés, o prólogo da 18.º edição promete revelar mais algumas joias algarvias. Cerca de 70 quilómetros de enorme intensidade ajudarão a perceber, no dia 9 de junho, o porquê de Albufeira ser considerada a capital nacional do turismo. Mas o reconhecimento efetuado pela Comissão de Mototurismo da Federação de Motociclismo de Portugal revela muito mais motivos de interesse…

 Com partida e chegada à praia dos Pescadores, o arranque da maior maratona mototurística europeia mostrará, aos mais de 1500 participantes que este ano arrancarão rumo a Vila Pouca de Aguiar, as mais belas paisagens do concelho albufeirense com passagem pelas praias da Falésia ou da Galé mas também pela menos conhecida (que não menos espetacular!) Ponta da Baleeira, oferecedora de soberba vista sobre o Atlântico. Pelo caminho, (re)descoberta da mais turística das cidades portuguesas, com passagem por locais icónicos, recordando bares e restaurantes que fazem parte das memórias de muitos motociclistas. Percurso que contou com importante ajuda do Moto Clube de Albufeira, mostrando grande sensibilidade turística de clube responsável pela organização de memoráveis jornadas do Troféu Nacional de Moto-Ralis.

Com fortíssimo apoio da Câmara Municipal de Albufeira, o prólogo do 18.º Portugal de Lés-a-Lés contará ainda com visita a locais de interesse histórico, nomeadamente o Castelo de Paderne. Exemplo marcante da arquitetura militar muçulmana e um dos sete castelos representados na Bandeira Nacional, começou a ser construído no século XI para controlar a estratégica estrada romana que passava pela ponte da ribeira de Quarteira. Disputado ao longo de séculos, viria a ficar sob alçada portuguesa apenas no Sec. XII, no reinado de D. Afonso III, e destaca-se pela torre albarrã, conceito arquitetónico introduzido pelos Almóadas na Península Ibérica que funciona como atalaia avançada, saliente do castelo ou das suas muralhas e ligada ao edifício principal através de um passadiço.

Visita histórica que ajudará a ganhar apetite para o jantar servido em local de ampla panorâmica, sobre a Praia dos Pescadores, onde ficarão estacionadas as motos e de onde será dada a partida, no dia seguinte, para uma etapa que vai ser bastante comprida. Viagem até ao Luso, com passagem pela Mata Nacional do Bussaco e pelo belíssimo Palace Hotel, mandado contruir no Séc. XIX pelo rei D. Carlos I e que promete mais um dia de grande intensidade mototurística.

Fonte: Gabinete de Imprensa 18.º Portugal de Lés-a-Lés/Parceria Notícias do Pedal

“André Cunha 13º no GP Castelo Branco”

O passado dia 25 de Abril foi também de festa do ciclismo, com os cadetes e juniores a competirem na Cidade de Castelo Branco, prova organizada pela Associação de Ciclismo da Beira Interior. Os cadetes foram os primeiros a entrarem na luta, percorrendo 63,3km, pontuável para a 2º prova de Taça de Portugal – zona B com Rafael Mateus a ser o nosso melhor representante terminando a prova na 50ª posição, classificação ainda pontuavel.

 Á tarde foi a vez dos juniores entrarem em competição. Percorreram um total de 105km, num percurso selectivo e de constante sobe e desce. Para os nossos cilcistas foi uma prova atribulada, marcada por quedas aparatosas. No entanto os nossos ciclistas foram guerreiros e apesar das marcas, não desistiram. No final André Cunha foi lançado para o sprint pelos colegas, terminando na 13º posição. 

Classificações.

13º André Cunha 

29º Sandro Branco 

30º Bernardo Gonçalves 

Equipa:

8º lugar 

Fonte: Clube de Ciclismo José Maria Nicolau:

“Atleta abandona ciclismo após grave acidente no treino”

Um atleta da Academia Joaquim Agostinho sofreu um grave acidente durante o treino, no dia 16 de abril, e confirmou agora que devido às graves lesões na bacia e na zona da lombar não vai regressar ao ciclismo.

Infelizmente as vértebras deslocadas no brutal atropelamento, e os problemas ósseos na bacia, não permitem que o jovem, de apenas 15 anos, volte a fazer o desporto de que mais gostava. Apesar de tudo o que se está a passar, o Tiago Almeida confessou que está a enfrentar esta fase da melhor forma possível. "Não fiquei com sequelas a nível psicológico. Não tenho pesadelos, nem pensamentos negativos. Estou feliz. Não vai ser por um imprevisto que vou parar de lutar. Vou é direcionar o meu foco para outra vertente. O meu corpo vai recuperar com o tempo e vou entrar para o ginásio para construir uma musculatura boa para proteger as minhas costas e a minha anca", garantiu.

O atleta da equipa de cadetes da Academia Joaquim Agostinho regressa à escola já na segunda-feira e vai, ainda esta semana, tirar os 17 pontos que suturaram uma profunda ferida na zona da anca. Daqui a um mês deverá regressar ao médico para mais uma consulta de rotina e, dentro de quinze dias, vai recomeçar a fazer desporto para recuperar ao máximo.

"Infelizmente não posso regressar ao ciclismo se quiser recuperar. Ainda assim, dão-me um período de 8 meses para atingir o máximo de recuperação", confessou.

O grupo de jovens ciclistas, do escalão de cadetes, treinava-se acompanhado por dois treinadores e pelo diretor da equipa. Todos cumpriam escrupulosamente as regras de trânsito, no traçado que liga Vila Franca do Rosário a Vale da Guarda. Os atletas e técnicos encontravam-se numa reta, com bastante visibilidade, seguiam dois a dois, e ocupavam na via o espaço permitido por lei. O atleta, de apenas 15 anos, acabou por ser atropelado, de forma brutal, por um condutor que não quis esperar pela sua vez para ultrapassar o grupo de ciclistas.

A Academia Joaquim Agostinho lamenta mais uma vez o sucedido e deseja que o Tiago consiga alcançar uma recuperação praticamente total. O momento é triste para todos nós, que trabalhamos diariamente para que a formação no ciclismo nacional evolua. Esperamos que o Tiago encontre outras ocupações que o preencham tanto como o ciclismo.

Fonte: A Academia Joaquim Agostinho

“1º Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela”

Pela primeira vez a região irá ter uma prova Internacional de ciclismo disputada em todo o seu território que se denomina 1º Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela e é disputada de 13 a 15 de Maio de 2016. 

O 1º Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, visa utilizar o ciclismo como um importante veículo de promoção e divulgação da região das Beiras e Serra da Estrela. 

Esta prova tem como alvo principal a promoção regional e a projeção desta região, com enormes potencialidades naturais e diversificado património natural, cultural e gastronómico, enquanto destino turístico sustentável, durante todo o ano. 

Os 3 dias de prova 13, 14 e 15 de Maio, estão estrategicamente colocados no calendário Internacional de Ciclismo, dado ser início de época e podermos captar o máximo de Equipas de nível internacional. As 3 etapas deste 1º Grande Prémio Internacional Beiras e Serra da Estrela, foram estrategicamente desenhadas para que a prova percorra todo o território abrangente dos 16 Municípios envolvidos no evento. 


Ao captar para o seu território uma prova internacional que junta os melhores ciclistas do pelotão internacional, a Associação de Municípios da Cova da Beira em parceria com a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela e o Turismo do Centro de Portugal, vislumbra uma oportunidade soberana de aprofundar e divulgar no contexto europeu a região que conta com uma grande envolvência na relação transfronteiriça com uma comunidade autónoma espanhola, geograficamente contígua, com mais de 2,5 milhões de habitantes, não só no plano desportivo, como também no cultural, social e económico, estando já em análise a proposta de, na próxima edição do evento ser realizada uma etapa na província espanhola de Salamanca. 

A Associação de Municípios de Cova da Beira como entidade promotora propõe-se assumir a realização futura do evento, como uma prova de referência internacional de realização anual com o objetivo estratégico de promover a região sendo para isso fundamental os apoios regionais e nacionais bem como as parcerias entretanto já assumidas com a TVI, o jornal de noticias, o jornal do fundão, o turismo do centro, a CIM Beiras e Serra da Estrela e todos os municípios e demais instituições regionais/nacionais envolvidos 


EQUIPAS       

1ª Etapa PINHEL – V. FORMOSO (145 Km)    

Meta Volante

32,3 km Trancoso

57,6 km Mêda

129,3 Km Almeida 

Prémio Montanha

78,4Km 3ª Categoria

92,8 Km 2ª categoria

107,7 Km Alto do castelo  3ª Categoria    

                                                                                             

2ª Etapa SABUGAL – FUNDÃO (192 Km)    

Meta Volante

35,4  km Belmonte

103 km Orca

114 km  

PM

74,5 Penamacor 3ª Categoria

139,5 3ª Categoria

160,5 Argemela 3ª Categoria                                                                                 

3ª Etapa SABUGAL – PENHAS SAÚDE (192,4 Km)   

Meta Volante

168,5 Orjais

71,7 Gouveia

41,8 Fornos Algodres

Prémio Montanha

119,5 Torre 1ª Cat

1ª Categoria Meta Penhas Saúde / Meta

Fonte: Fullsport 

“BERG CYCLES POWERED BY SRAM”

Além de uma prestação de peso que o colocou num TOP 50 em termos de resultado final, o atleta da Berg Cycles, SRAM e Rock Shox tem estado também envolvido de forma ativa na dinamização da modalidade através de trabalhos de média cujo sucesso tem sido sublinhado das mais variadas maneiras.  A partilha e a motivação transmitida tem sido também uma mais valia a associar à competição pelo que Marco Fidalgo não poderia estar mais satisfeito por um arranque de temporada que tem sido tudo menos aborrecido.

“ Tenho estado a trabalhar de forma muito feliz e motivadora fazendo jus ao amor e respeito que tenho pela Berg Cycles e o grupo SRAM. Aliar o trabalho de comunicação e lifestyle com a competição tornou-se numa paixão ainda maior cujos resultados tem sido brutalmente surpreendentes pelo que escusado será dizer que adoro cada vez mais competir, partilhar e motivar todos aqueles que tal como eu idolatram o BTT. Obrigado mais uma vez pois não me canso à Berg Cycles, Berg Outdoor, Sram e Rock Shox pelo apoio fenomenal na minha vida desportiva. Venham daí os próximo desafios! ” Marco Fidalgo - Berg Cycles Factory Team 

          Marco Fidalgo :: Adventure Every Day - Part 1 ( EN ) 

          Marco Fidalgo & Berg Cycles in Patagonia Mode #JustRide

          Direct_Download: https://we.tl/woVsxKUVEQ


A equipa Berg Cycles Factory Team gostaria de agradecer à Berg Outdoor, Sram, Rock Shox, Truvativ assim como a todos os parceiros incluindo a Gold Nutrition, Tune, Nextie, 360Fly, G-Form, HT- Components, OneUp Components pelo apoio essencial.

Nota: Em termos de agenda e apesar do seu trabalho estar já patente nas muitas plataformas de comunicação social, em Maio próximo estará presente também na Bike Magazine Portugal uma grande reportagem relacionada com o Chile e Argentina. As próximas competições estão também a chegar...
Fonte: equipa Berg Cycles Factory Team

“Seleção Nacional/Liberty Seguros”

Bruno Cardoso representa Portugal na Taça da Europa de BMX

Bruno Cardoso vai estrear-se pela Selecção Nacional/Liberty Seguros de BMX, no próximo fim-de-semana, na Taça da Europa, que vai realizar-se em Kampen, Holanda.

O corredor de 17 anos vai competir na classe de 17 a 24 anos, na qual conseguiu dois sextos lugares nas duas mangas iniciais da Taça da Europa.

Bruno Cardoso vive em França, onde os pais estão emigrados, venceu no domingo passado o Troféu de BMX de Setúbal, superiorizando-se a toda a concorrência portuguesa e espanhola.

“O Bruno é um corredor que, apesar de viver em França, temos acompanhado ao longo dos anos. Sabemos que tem qualidade e vamos para as duas mangas holandesas da Taça da Europa com intenção de melhorar o resultado conseguido nas mangas anteriores”, afirma o selecionador nacional de BMX, Alexandre Almeida.

Fonte: FPC

“Rui Costa sobe a quinto na Romandia e Quintana é o novo líder”

Foto: KENZO TRIBOUILLARD / AFP

O ciclista português Rui Costa (Lampre-Merida) subiu hoje ao quinto lugar da Volta à Romandia, após o terceiro posto alcançado na segunda etapa, ganha pelo colombiano Nairo Quintana, novo líder, que beneficiou da desqualificação do russo Ilnur Zakarin.
A ligação entre Moudon e Morgins, de 173,9 quilómetros, foi o primeiro teste aos trepadores na corrida suíça, com duas subidas nos últimos 20 quilómetros. Nairo Quintana (Movistar) atacou a 6.500 metros da meta e só Zakarin (Katusha), vencedor na Romandia em 2015, conseguiu 'colar-se' ao colombiano.
Já na reta da meta, em terreno plano, Zakarin até cortou a meta primeiro, mas acabou desqualificado por 'sprint' irregular. Quintana levou assim a vitória, com 4:28.40 horas, e conquistou a liderança, agora com 18 segundos sobre o russo, segundo classificado.
A 26 segundos do duo, chegou o segundo grupo, com Rui Costa (Lampre-Merida) a voltar a fechar um pódio, depois do terceiro lugar na Liège-Bastogne-Liège.
Aliado ao tempo na estrada, o português somou bonificações que o levam ao quinto posto da geral, a 32 segundos de Quintana, subindo 26 posições. O ex-líder, o espanhol Ion Izagirre, também da Movistar, estava inserido no segundo grupo, descendo a terceiro, com o francês Thibaut Pinot (FDJ) a ocupar agora o quarto posto.
Depois do polaco Michal Kwiatkowski ter perdido na quarta-feira mais de quatro minutos para o líder, o dia voltou a ser negativo para a Sky, que viu os britânicos Chris Froome e Geraint Thomas arredados da discussão pela vitória.
O vencedor da Volta à França em 2013 e 2015 teve um furo na penúltima subida, a 20 quilómetros da meta, e não conseguiu retomar o grupo dos favoritos, terminando a 17.30 minutos, já em ritmo de descompressão.
Geraint Thomas, vencedor da Paris-Nice e da Volta ao Algarve, também não conseguiu acompanhar o ritmo imposto na frente, ficando a 57 segundos, em 19.º, passando de terceiro para 14.º na geral, a 54 segundos de Quintana.
Também na BMC, as hipóteses de vitória ficaram hoje amplamente prejudicadas. O norte-americano Tejay Van Garderen ficou a 1.01, descendo a 16.º, e o australiano Richie Porte desistira na véspera devido a problemas gastrointestinais.
Bruno Pires (Team Roth) chegou a 5.47, em 46.º, subindo de 93.º para 48.º. Mário Costa (Lampre-Merida) foi 85.º, 'recuando' da 66.ª para a 78.ª posição, a 16.16 minutos.
A terceira etapa, na sexta-feira, é um contrarrelógio de 15,1 quilómetros, em Sion, com uma subida de quatro quilómetros sensivelmente a meio que pode baralhar as contas da vitória.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“José Gonçalves mantém segundo lugar na Volta à Turquia”

Foto: Javier Lizon

O italiano Jakub Mareczko venceu a quinta etapa da prova ao 'sprint'.
O italiano Jakub Mareczko (Southeast) venceu esta quinta-feira ao 'sprint' a quinta etapa da Volta à Turquia em bicicleta, com José Gonçalves (Caja Rural) a preservar o segundo posto da geral, ao chegar integrado no pelotão.
Em mais uma discussão em pelotão compacto, nova vitória italiana. Jakub Mareczko foi o mais forte, batendo o alemão André Greipel (Lotto Soudal) e o companheiro de equipa italiano Manuel Belletti, para chegar à quarta vitória na temporada.
Com apenas uma contagem de montanha categorizada a meio da etapa, os 'sprinters' tiveram, no entanto, que superar uma subida a oito quilómetros da meta. Na descida que a seguiu, e em plena reta da meta, o 'comboio' da Southeast foi o mais forte, conquistando os primeiro e terceiro lugares.
A ligação de 189,3 quilómetros, entre Alanya e Kemer, foi percorrida em 4:20.28 horas e todos os portugueses chegaram no grupo principal. José Gonçalves foi 22.º, mantendo o segundo lugar da geral, a cinco segundos do companheiro de equipa espanhol Pello Bilbao.
Dos restantes portugueses, também da Caja Rural, Domingos Gonçalves terminou em 12.º, continuando em 47.º, e Ricardo Vilela foi 33.º, permanecendo em 13.º.
As derradeiras três tiradas terão muita montanha. A etapa de sexta-feira, entre Kumluca e Elmali, será a mais curta da prova (116,9 quilómetros), mas termina a 1.900 metros de altitude, em subida que contará com setores de 14% de inclinação.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa