quarta-feira, 27 de abril de 2016

“À Descoberta… da Liberdade em Castelo de Vide”

Terceira Ronda encerrou com festa de homenagem ao Moto Clube do Porto na comemoração do 25 de Abril.

A receita tinha tudo para dar certo! Basta juntar 130 motociclistas num percurso, em redor de Castelo de Vide, que parece ter sido talhado para passear de moto e adicionar aliciantes propostas históricas, umas pitadas de museus e alguns castelos para visitar. A estes ingredientes juntar, de forma pausada, aliciantes gastronómicos e deixar cozinhar ao longo de três dias de excelente meteorologia. Sirva-se com homenagem ímpar aos motociclistas e temos uma delícia de passeio, de paladar inesquecível.

Pelo terceiro ano consecutivo, o Moto Clube do Porto levou animada caravana motociclística À Descoberta de Castelo de Vide, em divertido e bem recheado fim-de-semana. Depois da Rota do Contrabando (2014) e das Três Religiões (2015), a Terceira Ronda provou que há muito para descobrir na região raiana, proporcionando evento mototurístico de eleição, onde nem sequer faltou importantíssimo contributo do São Pedro, brindando passeata alentejana com belíssimo céu azul e alguns dos dias mais quentes do ano. Ponto final de inverno que teima em prolongar-se primavera adentro, o evento organizado pelo MCP com imprescindível apoio da Câmara Municipal de Castelo de Vide começou, como já é tradição, com as partidas simbólicas da Praça da Ribeira, no Porto, mas também de Vila Velha do Rodão e Estremoz, pontos estratégicos para os motociclistas de todo o País que rumaram à Sintra do Alentejo.

Início de viagem que prometia muita animação, patente na entusiasmante Ronda das Tascas, compondo o estômago dos participantes com petiscos regionais ao longo de várias tascas, cafés e restaurantes castelo-videnses. Tempo para rever amigos, dos mais antigos aos mais recentes, e por a conversa em dia, contar as últimas anedotas e saber das mais recentes novidades em ambiente de boa disposição. Preparação para o passeio em caravana até à vila de Marvão e ao seu castelo alcandorado no topo da serra do Sapoio, aproveitando o sol e céu completamente limpo de um excelente fim de tarde para vislumbrar a paisagem desde a vizinha Espanha à distante serra da Estrela. Visita que abriu o apetite para o jantar de abertura, com a presença do presidente da edilidade, António Pita, e animado com atuação do Rancho Folclórico de Nossa Senhora D’Alegria, apresentado de forma magistral por Ana Júlia, incansável na explicação dos usos e costumes da terra que tão bem a acolheu. E para ajudar na digestão de tão agradável repasto, nada como uma caminhada no centro de Castelo Vide, mais ou menos rápida, que domingo era dia de grande passeata…


 

Café e vinho, museus e… muitos ossos

Cerca de duas centenas de quilómetros pontilhados por animados controlos secretos, onde imperou a boa disposição em quadros evocativos da região, com figuras castiças interpretadas a rigor pelos sempre prestáveis elementos do MCP. Foi assim na visita ao castelo de Ouguela – logo depois de paragem atribulada em Alegrete por força de uma prova de atletismo… – onde ceifeiras, lavradoras e outras trabalhadoras acolheram a caravana à porta do castelo. Lá dentro, bem aparcadas as motos, passeio pelas muralhas rumo à petisquice servida pelo Sr. Elísio e “sus muchachos” com excelente vista sobre algumas das suaves serranias do Alto Alentejo. A mesma equipa que haveria de preparar mais algumas iguarias nas margens da Barragem do Caia, onde os 130 comensais chegaram depois da visita ao espetacular Centro de Ciência do Café, único do Mundo e considerado o melhor museu português em 2015, e um saltinho à não menos formosa Adega Mayor, sonhada por Rui Nabeiro e desenhada por Siza Vieira. Primeira passagem por Campo Maior antes do regresso para novo banho de cultura, desta feita com visita ao centro histórico da vila que, apesar de milenar história, ganhou recente preponderância com o crescimento da indústria cafeeira. A visita à curiosa Capela dos Ossos, ao Lagar Museu do Palácio do Visconde d’Olivã ou ao Museu Aberto revelou grandes surpresas, antecipando turístico regresso a Castelo de Vide com passagem por Arronches, Assumar e pelo Parque Natural da Serra de São Mamede. Viagem de grande tranquilidade apesar de alguns contratempos mecânicos, que serviram, essencialmente, para evidenciar a camaradagem que continua a marcar as relações entre motociclistas. E ninguém ficou pelo caminho…

 

Presidente do Moto Clube do Porto hasteou Bandeira Nacional

Com muitas histórias e outras tantas peripécias para contar, a noite foi de grande animação nos cafés e bares viticastrenses, com impagável sessão de karaoke e direito a um especialista na confeção de gin tónico que fez as delícias de muitos notívagos. Que, apesar da escassez de horas de sono, não faltaram ao toque de ordem para marcar presença na Cerimónia do Hastear da Bandeira, nos Paços do Concelho, ponto alto das comemorações do 25 de Abril. Momento único na história do Moto Clube do Porto, com o presidente da Direção, Carlos Gomes, convidado a hastear a Bandeira Nacional ao som d’A Portuguesa tocada pela Banda dos Bombeiros Voluntários de Castelo de Vide. Foi a primeira vez que tamanha honra foi concedida a um Moto Clube, importância sublinhada pelo discurso do presidente da Câmara Municipal que deixou bem clara o enquadramento e importância dos motociclistas na sociedade. Honrarias que continuaram na passagem pela barragem de Póvoa e Meadas e no regresso ao Parque 25 de Abril onde, depois de depositado ramo de cravos junto à estátua do Herói de Abril, Salgueiro Maia, teve lugar o almoço de despedida de um evento que, garante quem participou, ofereceu uma descoberta única, repleta de momentos excelentes em verdadeiro hino ao mototurismo. E que logo exigiram que, em 2017, houvesse mais À Descoberta…

Fonte: Moto Clube do Porto/Parceria Notícias do Pedal

“Prova Espírito do Caramulo regressa a 5 de Junho”

O Espírito do Caramulo, prova de velocidade na rampa do Caramulo, organizada pelo Museu do Caramulo e pelo Clube Automóvel de Viseu, regressa no próximo dia 5 de Junho, Domingo. 

Considerado o “aquecimento” para as provas anuais no traçado da rampa, a prova do Espírito do Caramulo assume um traçado com cerca de 2.800 metros de extensão, pela serra acima, sendo há muito um ícone do panorama automobilístico nacional pelas suas características técnicas que potenciam a velocidade e lhe conferem um carisma especial. 

Para além da prova de velocidade, a edição deste ano volta a contar com a categoria de Regularidade, que permite a participação de automóveis sem o arco de segurança (roll-bar), além de alargar o espectro a outro tipo de participantes que preferem este modelo ao da velocidade. 

Para a categoria de velocidade é exigida a licença desportiva nacional C e mantém-se a admissão de todos os participantes que cumpram as normas de segurança descritas no regulamento como o uso de capacete, cintos e bacquet com certificação FPAK, fato, luvas, balaclava e botas de competição, com homologação, mesmo que a mesma esteja caducada. É exigido roll-bar, cortacorrente interno, assim como um extintor no interior da viatura de, no mínimo, 2 Kg, dentro da validade.

Museu do Caramulo – Fundação Abel e João de Lacerda Rua Jean Lurçat 42, 3475-031 Caramulo Tel.: 232 861 270   Fax: 232 861 308   info@museu-caramulo.net   www.museu-caramulo.net     

Mantendo a tendência das últimas edições, em 2016 a organização continuará a apostar na participação de pilotos femininas, com um prémio próprio para esta categoria, reconhecendo assim a sua importância no desporto automóvel. 

Simultaneamente, e como já é tradição no evento, vão decorrer, em paralelo à rampa, vários passeios e concentrações de clubes. Todos estes passeios farão o percurso da rampa em desfile, logo após a última subida oficial. 

Programa: 09h45 - Início das subidas de treino: 2 subidas 12h00 - Chegada dos passeios e concentrações de clubes 13h00 - Início das subidas de prova: 3 subidas  17h30 - Desfile das várias concentrações pelo percurso da rampa  

Sobre o Museu do Caramulo  Com mais de 60 anos de existência e visitado por mais de um milhão e meio de pessoas, o Museu do Caramulo alberga no seu espólio uma colecção de arte, uma colecção de automóveis, motos e bicicletas e uma colecção de brinquedos antigos. O Museu do Caramulo produz ainda, de forma regular, exposições temáticas e temporárias, e organiza vários eventos como o Salão Motorclássico, o Caramulo Motorfestival, a Rampa do Caramulo, o Espírito do Caramulo, a Noite dos Museus ou o Rider. Mais informação em www.museu-caramulo.net.

Fonte: Museu do Caramulo/Parceria Notícias do Pedal

“UCI suspende primeira ciclista com motor na bicicleta”

Foto: BELGA / AFP

A União Ciclista Internacional detetou o uso de um motor, escondido na bicicleta, durante os Campeonatos do Mundo de sub-23.

A União Ciclista Internacional (UCI) suspendeu esta terça-feira, por seis anos, a belga Femke Van den Driessche, depois de detetado o uso de um motor, escondido na bicicleta, durante os Campeonatos do Mundo de sub-23, em janeiro.
A antiga campeã europeia de sub-23 de ciclocrosse foi multada em 18.180 euros, ficando obrigada a entregar todos os prémios monetários e medalhas ganhos desde outubro de 2015.
Segundo a UCI, a atleta de 19 anos utilizou um aparelho mecânico "controlado por um interruptor 'bluetooth' instalado debaixo do guiador".
Um novo 'scanner' de ressonância magnética deteta campos magnéticos e objetos ou componentes escondidos.
O presidente da UCI, Brian Cookson, salientou a importância das vistorias de bicicletas para o futuro do ciclismo.
"Investimos muitos recursos no desenvolvimento desta nova tecnologia de 'scan' e este caso é uma grande vitória para a UCI e para os adeptos de ciclismo, que querem que esta forma de batota esteja fora do desporto.
Femke Van den Driessche foi a primeira atleta suspensa, mas o método de vigilância tem sido realizado nas 'clássicas' Volta à Flandres, Paris-Roubaix e Liège-Bastogne-Liège.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“ASFIC foi a segunda melhor equipa no 21.º circuito do Torrão, em Alcácer do Sal”

ASFIC foi a segunda melhor equipa no 21.º circuito do Torrão, em Alcácer do Sal

Após na véspera ter participado no Évora Granfondo Challenge, onde subiu 3 vezes ao pódio e alcançou o 1.º lugar de um escalão e o 2.º lugar da geral, a equipa riomaiorense da ASFIC deslocou-se ontem, 25 de abril, à freguesia do Torrão, no concelho de Alcácer do Sal, para participar no XXI Grande Prémio de Ciclismo 25 de Abril.

A formação do concelho de Rio Maior apresentou-se para esta prova em inferioridade numérica, pois neste momento tem quatro ciclistas lesionados, dois deles resultantes de quedas na prova de anteontem ( João Portela, Ricardo Silva, Luís Vicente e Jorge Madeira).

Assim, para esta prova a equipa contava apenas com 6 atletas (Rui Rodrigues, Hélder Pereira, Humberto Careca, Diogo Silva, Nuno Margalho e Jorge Letras), aos quais se juntou um reforço da equipa de BTT (Edgar Oliveira )

A equipa apresentou-se desfalcada em atletas, mas contou com o apoio de um dos principais patrocinadores, Gonçalo Pinheiro do Grupo Parapedra que foi apoiar a equipa e conhecer melhor e interagir com os atletas. Aliás, Gonçalo Pinheiro acompanhou de perto a corrida, apoiando os atletas durante a prova no carro de apoio da equipa.

A prova, em que participaram 143 atletas em representação de 19 equipas, teve uma extensão de 80 km, sendo feita a um ritmo elevado. Nos primeiros 60 km percorridos surgiram várias tentativas de fuga, as quais foram sempre anuladas.

À passagem do Km 60 deu-se uma fuga de 7 atletas de várias equipas, entre eles o ciclista da ASFIC, Humberto Careca.

Até final os fugitivos não viriam a ser alcançados e a 1 km da meta surgiram vários ataques, com os sete ciclistas da frente a procurar a vitória. Humberto Careca da ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo/Riomagic acabou por cortar a meta na 2.ª posição, obtendo a vitória no seu escalão etário.

Por equipas a equipa da Ribeira de São João alcançou um brilhante 2.º lugar, entre as 19 formações presentes neste circuito.

A ASFIC considera que este foi um fim de semana desgastante, mas mesmo reduzida e com baixas a equipa demonstrou uma enorme capacidade, dedicação e entrega, estando ao mais alto nível de competição, dando enorme luta aos seus adversários e subindo sempre ao pódio. Apenas lamentamos as baixas dos atletas e desejamos que recuperem rápido para integrar a equipa”, escreve a direção do clube riomaiorense.

Agradecemos a presença do Gonçalo Pinheiro, do Grupo Parapedra e dedicamos-lhe o resultado alcançado. Estamos confiantes que a atitude do Gonçalo foi o exemplo a seguir por outros patrocinadores que queiram interagir com a equipa. Mais uma vez a equipa demonstrou toda a sua raça e ambição dignificando todos os patrocinadores, a União das Freguesia de São João da Ribeira e Ribeira de São João e a cidade de Rio Maio

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Ranking Ciclista do Ano”

Rafael Reis comanda ranking nacional

O corredor palmelense Rafael Reis (W52-FC Porto) vai terminar o mês de abril na frente do Ranking Ciclista do Ano, tendo assumido a dianteira na sequência da conquista da Volta à Bairrada.

Rafael Reis é o ciclista mais vitorioso do pelotão nacional em 2016, tendo vencido uma etapa e a geral da Volta à Bairrada, assim como a Clássica de Amarante. Além dos triunfos, foi a regularidade nas outras competições – sexto na Clássica da Primavera, décimo na Volta ao Alentejo – que garantiu ao corredor da W52-FC Porto a subida ao topo da geral, desalojando o espanhol David de la Fuente (Sporting-Tavira), que liderava, no final de março.

O corredor português soma 258 pontos, mais 69 do que David de la Fuente. O terceiro classificado é outro espanhol do Sporting-Tavira, Jesús Ezquerra, com 149 pontos.

Merece também destaque a presença de dois sub-23 no top 10. Rui Oliveira (Liberty Seguros/Carglass) é oitavo e o irmão gémeo e companheiro de equipa Ivo Oliveira ocupa a nona posição.

Os 258 pontos de Rafael Reis são determinantes para que a W52-FC Porto seja a equipa mais forte, tendo já conseguido 454 pontos, que lhe valeram substituir os sportinguistas na frente do Ranking Equipa do Ano. O Sporting-Tavira tem 393 pontos. O terceiro coletivo mais pontuado é o da Efapel, com 201 pontos.

O Ranking é atualizado pela Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais, sob a égide da Federação Portuguesa de Ciclismo.

Ranking Ciclista do Ano

1.º Rafael Reis (W52-FC Porto), 258 pontos

2.º David de la Fuente (Sporting-Tavira), 189

3.º Jesús Ezquerra (Sporting-Tavira), 149

4.º Samuel Caldeira (W52-FC Porto), 131

5.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), 130

6.º Rafael Silva (Efapel), 125

7.º Alejandro Marque (LA Alumínios-Antarte), 105

8.º Rui Oliveira (Liberty Seguros/Carglass), 96

9.º Ivo Oliveira (Liberty Seguros/Carglass), 91

10.º Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), 80

Equipa do Ano

1.ª W52-FC Porto, 454 pontos

2.ª Sporting-Tavira, 393

3.ª Efapel, 201

4.ª LA Alumínios-Antarte, 192

5.ª Liberty Seguros/Carglass, 192

Fonte: FPC

“Equipa feminina da AJA em destaque na Taça”

As atletas da Academia Joaquim Agostinho (AJA), Ana Rita Valido e Andreia Alves, estiveram em destaque na categoria de elites da Taça de Portugal feminina. Ana Rita Valido foi a grande vencedora da 2.ª etapa desta competição, que se realizou no dia 24 de abril, em Roriz. A atleta da AJA dominou os 51 quilómetros da corrida de elite, terminando isolada, ao fim de 1h43m57s de prova. Quanto a Andreia Alves, alcançou o 3.º lugar na 3.ª etapa, que foi ganha pela líder da Taça de Portugal, Liliana Jesus, da equipa 5 Quinas/Município de Albufeira. Nos 75 quilómetros desta etapa, a atleta da equipa algarvia adiantou-se 4 segundos às quatro perseguidoras. A colega de equipa Irina Coelho foi a segunda classificada e Andreia Alves fechou o pódio na categoria de elite.

As atletas juniores da AJA também estiveram em destaque nestas duas provas da Taça de Portugal, com Beatriz Lopes a alcançar o 1.º lugar na 2.ª etapa e o 3.º lugar na 3.ª etapa. Sicasal/Constantinos/UDO falha Top 10 na Bairrada

A equipa sub-23 da Academia Joaquim Agostinho deslocou-se mais uma vez ao norte de Portugal para participar na 3.ª Volta à Bairrada, entre os dias 23 e 25 de abril. Na primeira etapa, que ligou o Luso à Mealhada, Luís Mendonça alcançou o 9.º lugar, ficando a apenas 3 segundos do líder. A partir daí, o objetivo era tentar manter o chefe de fila da Sicasal/Constantinos/UDO no Top 10 até ao final.

Na 2.ª etapa, que ligou o Luso a Casal Comba, Luís Mendonça acabou por ter alguns percalços, mas conseguiu terminar no 9.º lugar e manter-se no 10.º lugar da geral individual. O próprio admitiu no final desta tirada de 169,5 quilómetros, que teria de dar tudo no contrarrelógio final para conseguir manter-se no Top 10. "Furei no Caramulo, a única montanha do dia e já bem perto do alto. O pelotão já ia muito fracionado, o que me obrigou a um enorme desgaste para voltar a reentrar no grupo principal. Contudo, depois desse enorme esforço, a força não voltou da mesma forma. O 11.º lugar na etapa foi o resultado possível. Amanhã termina a Volta, estou a apenas 3 segundos do líder...É dia de deixar tudo na estrada", afirmou. No último dia da Volta à Bairrada, o coletivo da equipa torriense esteve em destaque, com os atletas mais jovens da equipa a alcançarem excelentes resultados. Para o treinador, Hugo Lúcio, os resultados alcançados mostram a excelente forma desta equipa bastante jovem.

"O ojectivo era tentar manter o Top 10, apesar de sabermos que era muito complicado, porque as diferenças entre os primeiros eram muito reduzidas - 51 corredores separados por apenas 45 segundos.


Coletivamente fizemos um bom contrarrelógio, com destaque para o Tiago Antunes e Rafael Apolinário, que durante bastante tempo tiveram os melhores tempos, algo difícil quando estão profissionais como adversários. No final, o Tiago conseguiu o 19º melhor tempo da geral e 5º entre os Sub-23. Já o Rafael, alcançou o 33º tempo da geral e 10º melhor sub-23. Também destaco as excelentes prestações do Gonçalo Leaça, Marvin Scheulen, Emanuel Duarte e Miguel Santos, que mesmo com bicicletas que não estavam preparadas para contrarrelógio, conseguiram fazer bons tempos", destacou o treinador da equipa sub-23 da Academia Joaquim Agostinho.

Em relação ao chefe de fila, Hugo Lúcio elogiou o trabalho do atleta na prova.

"O Luís Mendonça, defendeu-se bem numa especialidade que não é a sua preferida, mas infelizmente não conseguir manter o Top 10 da geral, caindo no final para o 28º lugar", concluiu.

O grande vencedor da Volta à Bairrada foi Rafael Reis (W52-FC Porto) após ter feito um contrarrelógio irrepreensível.

Juniores da AJA cimentam lugar no pódio

Depois de uma participação bastante positiva na Taça de Portugal, a equipa de juniores da AJA esteve em destaque no Grande Prémio da Freguesia de Castelo Branco. A prova realizou-se no passado dia 25 de abril e a equipa subiu coletivamente ao 2.º lugar do pódio. Uma classificação que se repete, depois de na 3.ª etapa da Taça de Portugal, este grupo de jovens corredores ter alcançado a mesma classificação coletivamente e ter colocado um atleta no 3.º lugar.

Nesta prova de Castelo Branco subiram ainda ao pódio Gonçalo Ferreira, que alcançou o 4.º lugar, e Leonel Firmino, que terminou no 5.º lugar.

Cadetes da AJA mostram-se na Taça de Portugal

A equipa de cadetes da Academia Joaquim Agostinho participou, no passado dia 25 de abril, na 2.ª etapa da Taça de Portugal. Com um calendário muito mais reduzido do que outros escalões, a equipa conseguiu colocar três atletas nos 20 primeiros lugares. Esta tirada tinha uma extensão de 63,3 quilómetros, que foram percorridos a uma média horária de 33,8 quilómetros. Rafael Costa terminou no 9.º lugar, Guilherme Valverde no 12.º posto, e Afonso Morgado classificou-se em 16.º. A equipa era composta por 8 atletas.

Escola Joaquim Agostinho participa em mais um encontro
A Escola Joaquim Agostinho participou em mais um encontro de escolas de ciclismo, em Alpiarça. No passado dia 23 de abril, a pista de Alpiarça recebeu jovens ciclistas de pupilos/benjamins, iniciados, infantis e juvenis. A Escola da Academia Joaquim Agostinho participou em todos os escalões e classificou-se coletivamente no 7.º lugar.

Daniel Gonçalves voltou a estar em destaque ao conquistar o 2.º lugar na categoria de juvenis.

Fonte: Escola da Academia Joaquim Agostinho

“Mais de duas centenas de jovens no 14º Prémio ACR Roriz”

Com a participação de mais de duas centenas de jovens atletas, o 14º Prémio de Ciclismo Associação Cultural e Recreativa de Roriz animou as ruas da freguesia barcelense com a realização de provas pontuáveis para a Taça de Portugal de Cadetes e Femininas, juniores e escolas.

Manuel Barbosa venceu a corrida da Taça de Portugal de Cadetes e Ana Valido a de Femininos, tendo os restantes vencedores sido os seguintes: Pedro Teixeira e Beatriz Lopes (juniores), Raquel Silva (cadetes femininas), Elisete Sousa (masters femininas), Miguel Mera e Beatriz Pereira (juvenis), João Martins e Nicole Lopes (infantis), David Ferreira e Milza Gonçalves (iniciados) e Rui Sabino e Jéssica Oliveira (pupilos/benjamins).

Numa autêntica "festa do ciclismo jovem", aquela que é conhecida como a “Roubaix portuguesa” numa alusão à clássica prova francesa, contou com a presença de bastante público, tendo sido organizada conjuntamente pela Associação de Ciclismo do Minho e pela Associação Cultural e Recreativa de Roriz.

Com exceção da corrida de cadetes - segunda prova da Taça de Portugal que teve um percurso de 66 quilómetros - as diversas provas foram realizadas em circuito fechado nos arruamentos da localidade de Roriz (Barcelos).

Manuel Barbosa (Seissa/MGB Bikes/Matias & Araújo/Frulact) a corrida da Taça de Portugal de Cadetes. O corredor da equipa de Roriz aproveitou o "fator casa" para se impor perante os três corredores que, com ele, lutaram pelo primeiro lugar. O segundo classificado foi Carlos Barreiros (Tensai/Sambiental/Santa Marta) e o terceiro António Ferreira (Moreira Congelados/Feira/Bicicletas Andrade). A Tensai/Sambiental/Santa Marta venceu por equipas.

Ana Valido (Academia Joaquim Agostinho Femininas/UDO) foi a primeira atleta a cortar a meta na corrida da Taça de Portugal Feminina, terminando em segundo Liliana Jesus (5Quinas/Município de Albufeira) que com o resultado em Roriz ascendeu ao topo da geral de elite. Ana Valido dominou os 51 quilómetros da corrida de elite, terminando isolada, ao fim de 1h43m57s de prova. Liliana Jesus gastou mais 2m23s. A terceira classificada foi Irina Coelho (5Quinas/Município de Albufeira), a 2m38s.

Beatriz Lopes (Academia Joaquim Agostinho Femininas/UDO) foi a melhor júnior, Raquel Silva (5Quinas/Município de Albufeira) venceu em cadetes e Elisete Sousa (5Quinas/Município de

Na prova de juniores venceu Pedro Teixeira (A.C.D.C. - Trofa) que disputou o sprint final com Tiago Fernandes (Seissa/MGB Bikes/Matias & Araújo/Frulact) e Pedro Lopes (Escola de Ciclismo Carlos Carvalho), respetivamente, segundo e terceiro classificados. A formação A.C.D.C. - Trofa venceu a classificação coletiva de juniores.

O atleta espanhol Miguel Mera (Cortizo Team) venceu destacado a corrida de juvenis, terminando nas posições seguintes do pódio Tiago Moreira (Tensai / Sambiental / Santa Marta) e Pablo Fernandez (Cortizo Team). Beatriz Pereira (CRC / Garbo / Vegas Cosmetics) foi a melhor atleta feminina de juvenis.

No 14º Prémio de Ciclismo Associação Cultural e Recreativa de Roriz evidenciaram-se em infantis João Martins (Escola de Ciclismo Arca de Noé - Gaia) e Nicole Lopes (Tensai / Sambiental / Santa Marta), em iniciados David Ferreira (CRC / Garbo / Vegas Cosmetics) e Milza Gonçalves (Escola de Ciclismo Arca de Noé - Gaia) e em pupilos/benjamins Rui Sabino (CRC / Garbo / Vegas Cosmetics) e Jéssica Oliveira (Escola de Ciclismo Arca de Noé - Gaia).

A equipa Seissa/MGB Bikes/Matias & Araújo/Frulact  foi a melhor formação dos escalões de  escolas, terminando o 14º Prémio ACR Roriz à frente da Escola de Ciclismo Arca de Noé - Gaia e da Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel.

O 14º Prémio de Ciclismo Associação Cultural e Recreativa de Roriz teve o apoio das seguintes entidades: Federação Portuguesa de Ciclismo, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Salvaggio, Seissa, Matias & Araújo, SA., Sidónios, Frulact, Almeida & Miranda, Class Wash, EDC Adrasa, Ferreirolux, Roriz Mel, Confort Barcelos - Eletrodomésticos, Givec, FisiPadrão, Grupo Medicávado, Leão d´Ouro, Roque - Supermercados, Lima & Barros, MCG - Manuel Costa Gomes, Reciol, Optibor, Quinta da Granja, MGB Biks, Nicos Kids, ACC, Enervit, Allsport, Flexaco, Inovacarnes - Pequeno Patamar, Cidade Gym, Ciclismo a fundo (revista oficial) e Roda na Frente.

Fonte: ACM

“Equipa Sicasal - Liberty Seguros – Bombarralense em 3º no Grande Prémio de Ciclismo Freguesia de Castelo Branco/Beiranews”

O II Grande Prémio de Ciclismo Freguesia de Castelo Branco realizou-se no dia 25, prova esta integrada na programação das comemorações do 42º aniversário do 25 de Abril, tendo o percurso uma extensão de 105 km pelas estradas do concelho com passagem pelas várias freguesias da autarquia, que para além do seu traçado e extensão contou também com 3 metas volantes, instaladas nas juntas de Freguesia de Salgueiro Campo ao km 12,40, Lentiscais km 60,50 e Cebolais/Retaxo ao km 92,7. Contou ainda com premio de Montanha em Taberna Seca ao Km 34. A dureza do percurso fica também patente na quantidade de atletas que não conseguiram obter qualificação pois dos 78 que alinharam á partida apenas 45 atletas o conseguiram.

Nesta segunda edição da prova em Castelo Branco a equipa Sicasal / Liberty Seguros / Bombarralense conseguiu alcançar pódios. Na meta Volante instalada em Salgueiro Campo Francisco Duarte passou em 2º Lugar, já na passagem pelo premio da Montanha foi Pedro Poeira que alcançou a 2ª posição.
Na meta final individual o melhor qualificado da Equipa do Bombarral foi Bruno Araújo em 9º Lugar seguido de José Afonso em 11º, Daniel Marcos em 20º e Pedro Poeira em 21º.

Quanto á qualificação por equipas foi alcançado o pódio ocupando a 3ª posição.

Nas palavras do Treinador Carlos Reis, a equipa tinha á partida por missão discutir as metas volantes, premio de montanha e meta final. Quanto ás metas volantes apenas na primeira se alcançou o pretendido, na montanha também se conseguiu, mas no resto da prova e fruto de ser a única equipa a trabalhar para eliminar fugas, trabalho que ao longo da prova viria a provocar o desgaste prematuro nos nossos atletas, não permitindo alcançar melhores resultados na meta final.

Fonte: Bombarralense

“17ª edição da Peregrinação ao Santuário de Fátima em bicicleta”

Por: Nuno Almeida

A secção de BTT InterCaimabike/Polisport/Lojas da Visão, realizou no passado dia 24 de Abril, a 17ª edição da Peregrinação ao Santuário de Fátima em bicicleta.

Pelas 6.15h com o romper da manhã, os 22 valentes e destemidos participantes foram chegando ao parque do Inter Caima, depois de preparar as bikes e com os pilotos já alinhados, tiramos a foto de partida.
Ordem de partida dada por volta das 6.40h, os bicigrinos dirigiram-se à E.N.1, e tomaram a direcção de Fátima, sempre acompanhados de perto pelo amigo e atleta do clube, Sérgio Pinto, o nosso apoio nas 4 rodas (gentilmente cedido pelo Sr. Leonel da empresa Plastinox)

Com um ritmo moderado e boa disposição, lá fomos percorrendo quilómetros atrás de quilómetros e já com o sol lá no alto a impôr os seus raios e a aquecer o ambiente, efectuamos a primeira paragem na Malaposta, onde se processou o primeiro abastecimento de líquidos e ingestão de alguns alimentos energéticos, arrancando de seguida, já com a destino marcado para a próxima paragem.

Coimbra foi a segunda paragem da jornada, o que permitiu que o grupo se juntasse mais uma vez, e efectuasse um novo reforço, onde se proporcionou mais um momento de convívio e troca de experiências ocorridas na primeira metade do percurso.

Terminada o ligeiro abastecimento, lá seguimos viagem com a subida de Stª Clara já à vista.

Próximo abastecimento foi realizado à saída de Pombal, no corte do Barracão, onde foi altura de um almoço rápido, pois ainda faltavam 40kms e umas valentes subidas. Finalmente, após esta paragem, lá partimos para os derradeiros quilómetros, sempre com o objetivo na mente, chegada ao recinto do Santuário, o que viria a acontecer por volta das 14.30 horas, com o espírito de dever cumprido.

No recinto teve lugar a habitual foto de grupo, após a qual nos dirigimos de imediato para os banhos, gentilmente cedidos pelo SEPE.

 Foram cerca de 170 Kms com um ótimo dia para pedalar, muita coragem e esforço, mas também de muito divertimento e companheirismo por parte dos 22 atletas participantes, estes pertencentes aos grupos; InterCaimabike, Vale dos Duros, Os Febras e Lobos Lusitanos.

 A Associação agradece desde já a participação dos Atletas, ao nosso "motorista" Sérgio Pinto, a cedência do carro de apoio pela Plastinox, o autocarro ao Município de Vale de Cambra e os patrocinadores; "Lojas da Visão / Polisport / Caixa Agrícola / TavaresAuto / Partilhadrenalina / Leirinox / Luz do Horizonte / Fullbike ".

Fonte: Intercaimabike

“Goldwin – Team José Maria Nicolau em crescendo”


A equipa de sub-23 Goldwin – Team José Maria Nicolau, marcou presença na terceira Volta à Bairrada, e mostrou que o bom momento de forma já exibido nas Voltas as Terras de Santa Maria, continua, ao ser a segunda melhor equipa de sub-23 em prova, oitava na classificação absoluta. 

O primeiro dia de prova  ligou o Luso à Mealhada, num total de 161km. Nesta primeira etapa estabeleceram-se já diferenças significativas, com quatro ciclistas da Goldwin – Team José Maria Nicolau a chegarem no restrito pelotão de 54 ciclistas que disputaram o sprint final, sendo que  Victor Valinho foi 16º classficado e  Fabio Oliveira  o 3º melhor jovem. Por equipas a GoldWin - Team José Maria Nicolau conseguia a  6ª posição, sendo a 2ª equipa de clube.

Na 2ª etapa da Volta à Bairrada, que incluia a passagem na Serra do Caramulo, contagem de 2ª categoria, e uma chegada selectiva em Casal Comba, os ciclistas da GoldWin-Team José Maria Nicolau continuaram muito  determinados. José Neves passou no restrito grupo que encabeçava a prova, na passagem do Caramulo. Fabio Oliveira foi o 4º Sub-23 a ultrapassar o risco da meta, descaindo uma posição na Classificação de Juventude, que o fez descer para a 4ª posição. Por equipas a GoldWin continuava a ser a segunda equipa de sub-23.

No terminus desta volta a bairrada, tinhamos o contra-relogio individual de  9,7km, onde os lobos da Goldwin-Team José Maria Nicolau, continuaram firmes, tendo Victor Valinho sido o nosso melhor elemento neste exercicio individual, seguido de José Neves na 23ª posição, sexto melhor sub-23 e André Andre Ramalho na 34ª posição.

Colectivamente a GoldWin - Team José Maria Nicolau foi a 2º classificada das Equipas de Clube, cimentando assim a segunda posição das equipas de sub-23, na classificação geral final. Vitor Valinho na 21ª posição seria o nosso melhor elemento na classificação geral individual, seguido de José Neves na 24ª posição (6º melhor sub-23).  

Para o director desportivo José Nicolau a equipa mostrou estar forte,  “Fizemos uma corrida muito bem conseguida, estando ao nivel dos melhores, mas tambem acho que podemos fazer ainda melhor porque este grupo tem muita  qualidade. A equipa mostra uma forma em crescendo, estando melhor de prova para prova como revelam os desempenhos nas duas últimas competições. Mas queremos mais e por isso vamos já nas provas da Taça do proximo fim-desemana tentar segurar o pódio do João Fernandes e se possivel melhora-lo”.  

Classificação:

21º Victor Valinho

24º José Neves

33º Fábio Oliveira 

56º André Ramalho 

65º Marcelo Salvador 

77º João Fernaandes 

82º Bruno Coelho 

Equipa:

2º lugar  

Fonte: Clube de Ciclismo José Maria Nicolau 

“Seleção Nacional/Liberty Seguros”

Cinco corredores pré-convocados para os Jogos Paralímpicos

O selecionador nacional de paraciclismo, José Marques, pré-convocou cinco corredores para os Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. Desta lista alargada sairão os dois homens que vão representar a Seleção Nacional/Liberty Seguros.

Os escolhidos são os H4 André Sobreiro e Flávio Pacheco, o C4 José Castanheira (Bairrada), o H5 Luís Costa (Sporting-Tavira) e o C2 Telmo Pinão (Bairrada).

Os dois representantes lusos vão competir nas provas de contrarrelógio e de fundo. As corridas de estrada dos Jogos Paralímpicos vão decorrer entre 14 e 17 de setembro.

 “Quaisquer que sejam os dois escolhidos para representar o país, será a sua primeira experiência nos Jogos Paralímpicos. Iremos enfrentar adversários mais experientes, mas daremos o máximo para obter os melhores resultados possíveis”, antecipa José Marques.

Será a primeira vez que Portugal participa nos Jogos Paralímpicos desde que o paraciclismo está integrado na Federação Portuguesa de Ciclismo.

Fonte: FPC

“Agenda de Ciclismo”

Taça de Sub-23 decide-se em Arouca e na Murtosa

As duas últimas provas da Taça de Portugal de Sub-23 correm-se no próximo fim de semana, na região de Aveiro. No sábado o pelotão vai pedalar entre Estarreja e Arouca e no domingo vai deslocar-se de Ovar até à Murtosa.

A corrida de sábado terá partida, às 11h30, junto à Câmara Municipal de Estarreja, prevendo-se a chegada aos Paços do Concelho de Arouca às 14h45, depois de percorridos 136,8 quilómetros. Três setores de empedrado, na primeira metade do percurso e duas contagens de montanha, na fase final, a última a 30 quilómetros da meta, poderão provocar alguma triagem de valores.

O final da Taça vai acontecer no domingo. Os corredores vão enfrentar 148,6 quilómetros, entre a Câmara Municipal de Ovar (11h30) e os balneários da Murtosa (14h50). As únicas subidas pontuáveis para a classificação da montanha estão colocadas na fase inicial da viagem, esperando-se que os velocistas tenham vantagem sobre os demais competidores.

Está ainda tudo em aberto na luta pela Taça de Portugal de Sub-23, mas a vantagem pertence a César Martingil (Liberty Seguros/Carglass), com 75 pontos, Fábio Mansilhas (Anicolor), com 65, e João Fernandes (Goldwin/Team José Maria Nicolau), com 60, que ocupam as posições cimeias na sequência da prova inaugural, disputada na Maia.

Mais eventos oficiais

30 de abril, 9h00: 3 Horas Resistência BTT do Pilado, Marinha Grande

30 de abril, 10h00: Campeonato Regional de XCO Desporto Escolar, Castanheira do Ribatejo

30 de abril, 10h00: Passeio Solidário, Calheta, Madeira

30 de abril, 14h00: 2.ª Prova da Taça do Algarve de BMX, Portimão

30 de abril, 14h30: Encontro Regional de Escolas, Torre Dona Chama, Mirandela

30 de abril, 17h00: 2.º Aquarace – Resistência BTT de Quarteira

1 de maio, 8h30: Enduro Challenge da Madeira, Calheta

1 de maio, 9h00: 7.º Raid do Facho em BTT, Roriz, Barcelos

1 de maio, 9h00: 14.º Circuito da Palmeira/Prémio Peixoto Alves, Braga

1 de maio, 9h00: 4.ª Prova do Campeonato de XCO da Maia, Castelo da Maia

1 de maio, 9h00: Passeio BTT Eiras Simgle Track, Eiras, Coimbra

1 de maio, 9h00: Maratona dos Bombeiros Voluntários de Óbidos

1 de maio, 9h00: 8.ª Maratona BTT “Só Vai Quem Quer”, Cercal do Alentejo

1 de maio, 9h30: Maratona BTT da Camarneira, Cantanhede

1 de maio, 9h30: 31.º Circuito de Vila Chã de Ourique, Cartaxo

1 de maio, 9h30: Maratona BTT da Raposa, Almeirim

1 de maio, 10h00: Maratona BTT de Monsanto, Lisboa

1 de maio, 10h00: Prova Aberta de Escolas, Areia, Cascais

1 de maio, 14h00: Taça Regional de Estrada do Porto/Circuito de Lousada

1 de maio, 17h00: 2.ª Prova da Taça Ilha Azul, Faial, Açores

Fonte: FPC

“Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves”

Disputa-se no próximo dia 1 de maio o 14º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves, prova para a categoria de juniores que homenageará a velha glória do ciclismo português e vencedor da Volta a Portugal de 1965. A competição, patrocinada pela Junta de Freguesia de Palmeira (Braga), tem início marcado para as 09h15 horas e é pontuável para Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã.

Organizada pela Associação de Ciclismo do Minho, a prova terá início pelas 09h15 horas (Palmeira - Braga EN 101) e o final previsto para as 11h10 (Rua de Miracávado, junto à Igreja de Palmeira).

Para a prova bracarense - competição que já foi ganha, entre outros, pelo Campeão do Mundo Rui Costa - está em perspetiva um excelente espetáculo desportivo, com momentos de grande competitividade aos quais não serão certamente alheias as diversas e habituais metas volantes nas várias freguesias ao longo do percurso. Como tem sido apanágio das anteriores edições do Circuito de Palmeira é também esperada a presença de muito público ao longo de todo o percurso e na subida final em direção à meta que estará instalada junto à Igreja de Palmeira.

A prova será disputada ao longo de 72,7 quilómetros no seguinte circuito: Palmeira, EN 101, rotunda em frente p/Braga, rotunda Confeiteira, à esq. p/Adaúfe, Adaúfe, Santa Lucrécia, rotunda à esq. p/ Navarra, Navarra, Escola de Navarra, Adaúfe, Palmeira, rotunda à esq. p/Braga EN 101, Palmeira (1ª passagem pela zona de partida), rotunda em frente p/Braga, rotunda Confeiteira, à drt p/ Dume, Dume (igreja), rotunda em frente p/Real, Real, rotunda à drt. p/ Prado EN 201, Merelim S. Pedro, Merelim S. Paio, à direita p/Palmeira, Rua Marginal, rotunda à drt. p/ Braga EN 101, Palmeira (2ª Passagem pela zona de partida). Circuito a percorrer 3 vezes, sendo que depois da quinta passagem pela zona de partida, em Palmeira, a prova prossegue pela Rua Mira Cávado, à drt. Travessa de Mira Cávado, com a Meta Final junto à Igreja de Palmeira.

O 14º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves tem o patrocínio da Junta de Freguesia de Palmeira e o apoio das seguintes entidades: Federação Portuguesa de Ciclismo, Câmara Municipal de Braga, Freguesias de Adaúfe, Navarra e Santa Lucrécia de Algeriz, União de Freguesias de Merelim São Pedro e Frossos, União de Freguesias de Merelim São Paio, Panóias e Parada de Tibães, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Salvaggio, Seissa, Controlsafe, Ciclismo a fundo (revista oficial) e Roda na Frente.

Em 2015, o 13º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves foi ganho por Jorge Magalhães (Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel) que se destacou do pelotão e chegou isolado à meta com uma vantagem 1:35 segundos para Fabio Silva (C.C. Avidos / Metalização A. Lemos, Lda.) e de 1:38 para Gonçalo Carvalho (Bairrada), respetivamente, segundo e terceiro classificados. Bruno Coelho (Contifiel / Downinfor) venceu quatro metas volantes, Jorge Magalhães (Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel) duas e Francisco Campos (Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel) uma meta volante. Maria Jesus Barros (Spol C.C.) ganhou a classificação feminina.


João Peixoto Alves - Vencedor da Volta a Portugal de 1965

João Peixoto Alves, natural de Palmeira (Braga), nasceu a 23 de Maio de 1941 e iniciou a sua atividade no ciclismo, como popular, no Futebol Clube do Porto.

Posteriormente representou o C. C. Aldoar e o Benfica, onde se tornou conhecido como um dos melhores ciclistas portugueses. A sua carreira como profissional iniciou-se em 1960 e terminou em 1966, quando se retirou, com 25 anos, deixando um lugar difícil de preencher no ciclismo e no Benfica.

Ao longo da carreira desportiva disputou 171 provas, tendo ganho 22. Conquistou os títulos de Campeão Nacional e Regional de Rampa, no último caso por quatro vezes.

Vencedor da Volta a Portugal de 1965, alcançou ainda dois segundos e um terceiro lugares na importante competição. Na prova “rainha” do ciclismo português ganhou ainda 9 etapas, foi portador da camisola amarela em 23 e ganhou o Prémio da Montanha e a Classificação por Pontos no ano de 1963.

Participou na Volta a França do Futuro em 1963 (7º na geral e 2º na Montanha) e em 1964, tendo ainda participado na Volta à Espanha (1962, 1963 e 1965), na Volta a S. Paulo (1962 e 1966), na Volta à Catalunha (1965) e no Campeonato do Mundo (1965 e 1966).

Fonte: ACM

“José Gonçalves continua em segundo na Volta à Turquia”

Foto: JOSE COELHO / LUSA

A etapa do dia foi ganha ao 'sprint' pelo italiano Sacha Modolo (Lampre Merida), José Gonçalves foi 17º na etapa, atrás do irmão Domingos Gonçalves.
O ciclista português José Gonçalves (Caja Rural) preservou o segundo lugar na Volta à Turquia, ao chegar integrado no pelotão na etapa ganha ao 'sprint' pelo italiano Sacha Modolo (Lampre Merida).
José Gonçalves foi 17.º, atrás do irmão Domingos Gonçalves, também da Caja Rural, em 14.º, e manteve-se a cinco segundos do líder e colega de equipa espanhol Pello Bilbao.
Depois do polaco Niemiec ter vencido a etapa inaugural da prova, a Lampre alcançou o segundo triunfo na prova turca. Modolo, em preparação para a Volta à Itália, estreou-se a ganhar esta época, batendo um contingente italiano que ocupou as cinco primeiras posições da tirada.
A ligação de 187 quilómetros, entre Seydisehir e Alanya, reuniu as principais dificuldades na primeira metade da etapa, com três contagens de montanha, ficando reservada a discussão para o 'sprint'.
A Lotto Soudal tentou colocar André Greipel para nova vitória, mas acabou por ser superada pela Lampre, Southeast e Nippo - Vini Fantini, deixando o alemão sem 'comboio' para chegar sequer ao 'top-10'.
Modolo superou Antonio Viola, da Nippo - Vini Fantini, e Marco Zanotti, da Parkhotel Valkenburg, com o tempo de 4:26.26.
O português Ricardo Vilela (Caja Rural) andou fugido e conseguiu, inclusivamente, ser terceiro na subida de segunda categoria, ao quilómetro 38 da prova. Na meta, Vilela terminou em 29.º e baixou da 12.ª para a 13.ª posição.
Domingos Gonçalves subiu da 52.ª para a 47.ª posição da geral.
Quinta-feira, cumpre-se a quinta etapa, de 189,3 quilómetros, entre Alanya e Kemer.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Primeira etapa da Volta à Romandia 'encurtada' devido à neve”

Foto: FABRICE COFFRINI / AFP

A rganização decidiu ‘recolocar’ a partida em Mathon, mantendo a chegada em Moudon, a primeira etapa ligava La Chaux-de-Fonds a Moudon, na distância de 169 quilómetros.

A primeira etapa da Volta à Romandia (Suíça) em bicicleta, que ligava esta quarta-feira La Chaux-de-Fonds a Moudon, na distância de 169 quilómetros, foi reduzida para 100,5 quilómetros devido à neve que caiu de noite na zona da partida.
Desta forma, a organização decidiu ‘recolocar’ a partida em Mathon, mantendo a chegada em Moudon, onde a meta coincide com uma contagem de montanha de segunda categoria.
A organização tomou esta decisão “devido ao risco de a chuva e o granizo congelarem sobre o pavimento, o que poderia motivar quedas na descida de Etroits”, perto do quilómetro 48 da tirada.
No prólogo de terça-feira, o espanhol Ion Izagirre (Movistar) foi o ciclista mais rápido, ao percorrer os 3,95 quilómetros em 5.33 minutos, garantindo a primeira liderança da prova.
O português Rui Costa (Lampre-Merida) ficou a 20 segundos do vencedor, no 33.º lugar.
Mário Costa (Lampre-Merida) foi 74.º classificado, a 30 segundos de Izagirre, e Bruno Pires (Team Roth) terminou em 111.º, a 39 segundos.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa  

“Volta ao Romandia/Marcel Kittel soma oitavo triunfo da época”

Foto: DANIEL DAL ZENNARO

O alemão Marcel Kittel (Etixx) foi o ciclista mais forte no 'sprint' da primeira etapa em linha da Volta à Romandia, Suíça, marcada por um encurtamento da tirada devido às más condições meteorológicas.
Com partida recolocada para Mathon, a etapa foi reduzida de 169 quilómetros para 100,5, com a meta colocada no mesmo local, em Moudon, retirando-se a dificuldade da subida de segunda categoria e a descida que a seguia, de maior perigo caso o pavimento estivesse congelado devido ao granizo que caíra na noite anterior.
Assim, a discussão ficou reservada para o 'sprint' final, com Kittel a somar a oitava vitória da época, vencendo em 2:27.46 horas, à frente do italiano Niccolo Bonifazio (Trek) e do suíço Michael Albasini (Orica).
Com as bonificações da vitória, Kittel subiu a 11.º da geral, ainda liderada pelo basco Ion Izagirre (Movistar), com seis segundos de avanço para o holandês Tom Dumoulin (Giant) e sete sobre o britânico Geraint Thomas (Sky).
Rui Costa (Lampre Merida) foi 16.º e subiu do 33.º posto para 27.º, ainda a 20 segundos do líder. Os restantes portugueses também chegaram integrados no pelotão. Mário Costa (Lampre) fez 29.º e subiu 18 posições (de 74.º para 56.º) e Bruno Pires (Team Roth) foi 46.º e subiu de 111.º para 81.º, a 39 segundos da liderança.
A Movistar endureceu o ritmo nas duas subidas antes da meta e dificultou a vida ao polaco Michal Kwiatkowski (Sky), que se viu arredado do principal grupo, a 25 quilómetros da meta, perdendo aí o terceiro lugar da geral obtido no prólogo.
Na quinta-feira, corre-se a ligação entre Moudon e Morgins, de 173,9 quilómetros, com duas subidas categorizadas. A última, de primeira categoria, coincide com o final da etapa e é o primeiro grande teste aos trepadores da prova.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa