sábado, 19 de março de 2016

“Sérgio Paulinho falha Volta à Catalunha”

Foto: António Borga

Sérgio Paulinho vai falhar a Volta à Catalunha, que começa segunda-feira, porque ainda recupera de uma lesão (tendinite) que o obrigou à desistência no Paris-Nice. Será baixa pois no apoio ao líder da Tinkoff Alberto Contador.

Fonte: Record on-line

“Arnaud Démare vence clássica Milão-Sanremo”

Foto: MARCO BERTORELLO

A corrida acabou por ser prolongada em quatro quilómetros, por causa do desvio da Via Aurelia para uma autoestrada, devido a um deslizamento de terras.
O francês Arnaud Démare (FDJ) venceu este sábado a Milão-Sanremo, ao concluir os 295 quilómetros da clássica velocipédica italiana em 6:54.45 horas, impondo-se ao ‘sprint’ ao britânico Bem Swift (Sky) e ao belga Jurgen Roelandts (Lotto-Soudal).
Démare tornou-se no primeiro francês a vencer uma grande clássica desde 1997, ao erguer os braços na meta da 107.ª edição da corrida marcada por várias quedas, que afastaram alguns dos favoritos, entre os quais o eslovaco Peter Sagan (Tinkoff), campeão do mundo de fundo.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Clássica Milão-San Remo desviada para autoestrada”

Por: Lusa

A Milão-San Remo, a primeira grande clássica da temporada velocipédica, foi este sábado desviada para uma autoestrada, devido a um deslizamento de terras numa estrada que integrava o percurso, anunciou a organização.
O percurso da corrida teve 295 quilómetros, mais quatro do que o inicialmente previsto.
O deslizamento de terras ocorreu na Via Aurelia, uma estrada à beira-mar, a cerca de 135 quilómetros da chegada e o desvio para a A10 fez parte do percurso.

Fonte: Record on-line

“Tudo em aberto para o último dia da Alentejana”

Rafael Silva mantém quinto lugar após etapa muito exigente

A quarta etapa da Volta ao Alentejo entre Aljustrel e Grândola ficou marcada pelos muitos ataques, cortes no pelotão e discussão pela vitória num grupo restrito de corredores que chegou isolado. Rafael Silva voltou a ser o melhor representante da equipa EFAPEL e manteve o quinto posto na classificação geral individual depois de chegar no grupo dos principais candidatos ao triunfo final.

Com este resultado e sem qualquer alteração de lugares ou mesmo de tempo entre os primeiros cinco classificados, mantém-se tudo em aberto para a derradeira etapa da 34ª edição da Alentejana.

“O líder só tem quatro colegas de equipa. Quase perdeu a camisola amarela hoje. Isso não aconteceu, não por seu mérito mas pelo trabalho desenvolvido pela nossa equipa e outra que tentámos minimizar as perdas face à fuga do dia. Amanhã vamos jogar tudo para tentar chegar a uma eventual vitória. Não é fácil mas a equipa tem trabalhado bem e estamos motivados para fazer tudo o que pudermos no sentido de alcançar esse objectivo”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Amanhã termina a 34ª edição da Volta ao Alentejo. A prova acaba com uma etapa de 172,3 quilómetros entre Santiago do Cacém e Évora, com a meta montada na Praça do Giraldo. Pelo meio, o pelotão tem três metas volante (Isaías, Vendas Novas e Arraiolos) e duas contagens de montanha de quarta categoria, uma em Alcácer do Sal e a última em Montemor-o-Novo.

Classificação da quarta etapa na Volta ao Alentejo

    Jarno Gmelich Meyling    Metec/TKH Continental Team        4h34m17s

    Jose Botella            Louletano/Hospital de Loulé        mt

    Garikoitz Bravo        Euskadi Basque Country        mt


19º    Rafael Silva            EFAPEL                a 32s

59º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt

65º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt

92º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 5m09s

119º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 15m00s

120º    António Barbio        EFAPEL                mt

121º    Jóni Brandão            EFAPEL                mt

128º    Hélder Ferreira        EFAPEL                mt

Classificação geral individual após a quarta etapa na Volta ao Alentejo

    Krister Hagen            Team Coop/Oster Hus        17h57m56s

    Enric Mas            KLC - Klein Constantia        a 1s

    Jesus Ezquerra        Sporting/Tavira            a 10s


    Rafael Silva            EFAPEL                a 14s

30º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 2m42s

44º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 4m27s

62º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 16m01s

78º    Jóni Brandão            EFAPEL                a 21m08s

91º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 25m24s

128º    António Barbio        EFAPEL                a 39m54s

131º    Hélder Ferreira        EFAPEL                a 40m21s

Fonte: Efapel

“Segunda vitória para a Holanda mas a “Amarela” continua norueguesa”

Jarno Meijling venceu ao sprint, este sábado, 19 de março, a quarta e penúltima etapa da 34ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola, que terminou em Grândola. O holandês de 26 anos foi um dos homens que integrou a “fuga do dia”, logo à saída de Aljustrel, e deu, pelo segundo dia consecutivo, uma vitória à equipa Metec/TKH Continental. Os espanhóis Jose de Segovia (Louletano/Hospital de Loulé) e Garikoitz Bravo (Euskadi Basque Coutry/Murias) terminaram logo atrás.

Os três fizeram parte do grupo de corredores em fuga que a faltarem 40 quilómetros para a meta, e com o pelotão já muito perto, se lançaram determinados em chegar isolados a Grândola. Uma estratégia que agradou particularmente ao holandês.“Os últimos quilómetros foram sempre a atacar, na subida para o Prémio de Montanha não senti dificuldade e no sprint final só tive de dar tudo e a todo o gás! Está a ser uma ótima experiência estar no Alentejo. As estradas são boas e a organização está de parabéns. Só não estou habituado a tanto sol [risos]!”

O norueguês Krister Hagen (Team Coop/OsterHus), que chegara à liderança da “Alentejana” na véspera, foi o primeiro do pelotão a cortar a meta na 11ª posição, a 32 segundos do vencedor. Apesar de perder tempo manteve o comando da prova e a faltar apenas mais uma etapa tem o objetivo traçado: “Manter a Amarela, claro! As minhas pernas estão em forma, mas era bom conseguir entrar numa fuga pequena para não ter de sprintar nas metas volantes. Mas se tiver de o fazer para bonificar não me vou negar!”

Na classificação geral entre os primeiros, e na luta pelas Camisolas da “Alentejana”, está quase tudo na mesma. Krister Hagen veste a Amarela Crédito Agrícola pelo segundo dia consecutivo e o espanhol Enric Mas (Klein Constantia) segundo classificado, a um segundo de diferença, enverga a Camisola Branca RTP, símbolo da juventude. Com o terceiro lugar na etapa  Garikoitz Bravo (Euskadi Basque Coutry/Murias) lidera a classificação por pontos e veste a Camisola Verde Clara CA Vida. Destaque final para o português Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte) que se agarrou à Camisola Verde Escura CA Seguros do Rei dos trepadores no primeiro dia e que apenas amanhã saberá se a leva para casa. Rafael Silva (Efapel) continua na quinta posição e é o melhor português da “Alentejana”.

Fugida – Largada – Partida… e uma fuga de 144 quilómetros! Ainda o pelotão de 151 corredores não tinha “aquecido” a estrada e já havia história para contar na penúltima tirada da “Alentejana”. Pouco depois da partida em Aljustrel deu-se o ataque de 15 corredores que chegaram a ter uma vantagem máxima de 8 minutos para o pelotão (quilómetro 50). Entre estes homens o melhor classificado à geral era Krists Neilands (Axeon/Hagens Berman), a 1 minuto e 9 segundos do líder, que se destacou ao ganhar as Metas Volantes em Castro Verde, Odemira e Sines. 

O enredo desta “longa-metragem”, onde o vento e a chuva também marcaram presença, terminou, em parte, a faltarem 40 quilómetros para a chegada quando o pelotão já estava muito perto de alcançar a fuga. Determinado Jose De Segovia (Louletano/Hospital de Loulé) desferiu um ataque levando outros nove companheiros de fuga atrás. Foi esse grupo que acreditou que podia chegar a Grândola e, entre si, discutir o triunfo. O pelotão tudo tentou para se aproximar e o próprio líder da competição Krister Hagen (Team Coop/OsterHus) tentou sair da coluna, mas em vão. As cenas do próximo capítulo ficam marcadas para Évora! 

E o novo Vencedor da Volta ao Alentejo é…? As derradeiras emoções da 34ª edição da Volta ao Alentejo Crédito Agrícola vivem-se este domingo, 20 de março, a partir de Santiago do Cacém. O pelotão cumprirá os 172,3 km finais da “Alentejana” quando cortar a meta na Praça do Giraldo, em Évora. Pelo caminho estão marcadas as últimas Metas Volantes em Isaías, Vendas Novas e Arraiolos, e a classificação da Montanha confinada aos Prémios de 4ª categoria em Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo. Évora comemora 30 anos como Património da Humanidade da UNESCO e volta a fazer história quando coroar o 34º vencedor da “Alentejana”, pelas 16 horas. 

A 34ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola é uma organização conjunta da CIMAC - Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central e Podium Eventscom o patrocínio de Crédito Agrícola, CA Vida, CA Seguros, RTP, Jornal A Bola, Antena1, Cision, KIA, Delta Cafés, Vitalis, KTM, Fundação INATEL, Shimano, Pacto, Dietsport, Instituto Geográfico do Exército, Infraestruturas de Portugal e com apoio institucional do Turismo do Alentejo e Ribatejo, CIMBAL – Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, CIMAL – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral, da Junta de Freguesia de Alcáçovas e dos Municípios de Portalegre, Castelo de Vide, Monforte, Montemor-o-Novo, Portel, Beja, Aljustrel, Grândola, Santiago do Cacém e Évora.
Fonte: Podium