segunda-feira, 14 de março de 2016

“Tirreno-Adriático: Van Avermaet voltou a bater Sagan e é o novo líder”

Por: Lusa

Tiago Machado é o melhor português

O ciclista belga Greg Van Avermaet (BMC) soube esperar para vencer esta segunda-feira a sexta etapa do Tirreno-Adriático, diante do campeão do Mundo Peter Sagan (Tinkoff), e assumir a liderança da geral da prova italiana.
Num final espetacular, que reuniu alguns dos mais combativos ciclistas do pelotão, Van Avermaet mostrou que descobriu a estratégia ideal para bater o eslovaco, deixando o ciclista da Tinkoff arrancar para a meta, apanhando-lhe a roda e ultrapassando-o nos metros finais dos 210 quilómetros entre Castelraimondo e Cepagatti.
Duas semanas depois de bater Sagan na 'semiclássica' Het Nieuwsblad, o belga da BMC voltou a condenar o eslovaco ao segundo lugar, o seu quarto da temporada, com o duo a cortar a meta com o tempo de 04:34.14 horas, dois segundos à frente de Michal Kwiatkowski (Sky) e quatro do anterior líder Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep).
O desfecho da sexta e penúltima etapa do Tirreno-Adriático começou a desenhar-se 20 quilómetros antes de Cepagatti, quando Sagan acelerou para bonificar num 'sprint' intermédio e levou consigo os pesos pesados Van Avermaet, Kwiatkowski e Stybar, além dos colegas de equipa Oscar Gatto e Daniele Bennati e de Matteo Trentin e Fernando Gaviria, da Etixx-Quickstep.
Com o camisola azul na fuga, o pelotão tardou em reagir, permitindo que os fugitivos entrassem no pequeno topo do dia destacados. Apesar do frenético esforço final de Movistar, Orica-GreenEdge e Lotto NL-Jumbo, o grupo, onde seguia José Gonçalves (Caja Rural), passou a meta sete segundos depois do vencedor.
Tiago Machado (Katusha) foi 69.º, a 29 segundos, Nelson Oliveira (Movistar) 103.º, a 01.26 minutos, com Ricardo Vilela e Domingos Gonçalves, ambos da Caja Rural, a chegarem integrados num grupo a 07.37 minutos do belga da BMC, que hoje pode ter dado um gigantesco passo para suceder a Nairo Quintana no palmarés da 'Corrida dos Dois Mares'.
À entrada para um contrarrelógio totalmente plano, de apenas 10,1quilómetros, reservado para terça-feira, Van Avermaet tem sete segundos de vantagem sobre Stybar e oito sobre Sagan.
Entre os portugueses, Machado é o melhor, na 32.ª posição (está a 02.26 minutos do líder), com José Gonçalves a surgir três lugares atrás, com mais 02.39 do que o camisola azul. Oliveira é 45.º, a 03.47, Domingos Gonçalves é 134.º, a 22.05, e Vilela é 160.º, a 30.45.
A decisão da organização de cancelar a quinta tirada, agendada para domingo, devido às condições atmosféricas adversas 'descaracterizou' a geral do Tirreno-Adriático, uma prova que costuma funcionar como teste para os candidatos às grandes Voltas.
Sem montanha para decidir o vencedor, a discussão será feita entre os 'puncheurs' do pelotão.

Fonte: Record on-line

“Equipas nacionais querem acabar com 'jejum' na Volta ao Alentejo”

Foto: SAPO Desporto

A 34ª edição da Volta ao Alentejo irá consagrar um novo vencedor na sua história, a 'Alentejana' irá arrancar este ano de Portalegre.

A 34.ª edição da Volta ao Alentejo sai quarta-feira para a estrada com a incógnita de saber se o vencedor será outro novo talento ou sairá das equipas nacionais, há anos relegadas para lugares de honra.
Longe do ‘glamour’ mediático e desportivo de outros tempos, daqueles em que nomes consagrados do pelotão internacional como Miguel Indurain (1996), Melchor Mauri (1998) ou José Luís Rubiera (1999) se sagravam vencedores, a Volta ao Alentejo soube reinventar-se.
A prova transformar-se num viveiro de novos talentos (o mais proeminente será o vencedor de 2013, Jasper Stuyven, o belga da Trek, que ganhou uma etapa na Vuelta2015), sem esquecer o seu papel de momento de exibição das equipas nacionais.
Transformada numa volta para corredores regulares, ou não fosse a chegada a Montemor-o-Novo, na segunda etapa, o único final em ‘alto’ (uma contagem de montanha de quarta categoria), há muito que a ‘Alentejana’ deixou de ser território de ‘portugueses’, com o espanhol David Blanco, em 2010, a figurar como o último vencedor das formações lusas e Sérgio Ribeiro, há precisamente 10 anos, a ser o derradeiro ciclista nacional a subir ao lugar mais alto do pódio.
Sem estrelas sonantes do pelotão internacional e muito menos equipas do WorldTour, a prova, que vai estar na estrada entre 16 e 20 de março, num percurso de 907,8 quilómetros entre Portalegre e Évora, vai ser palco do primeiro frente-a-frente real numa corrida por etapas entre os regressados ‘grandes’, com a W52-FC Porto e o Sporting-Tavira a procurarem brilhar entre as 22 formações que farão alinhar 175 corredores.
Depois de uma presença discreta na Volta ao Algarve, ‘dragões’ e ‘leões’ deram nas vistas nos dois fins de semana de ciclismo que se seguiram, com Rafael Reis (W52-FC Porto) a impor-se na Clássica de Amarante e David de La Fuente, segundo na mesma prova, a mostrar-se o elemento mais irrequieto do Sporting-Tavira.
Sem alta montanha ou contrarrelógio no percurso, é de esperar que na discussão pela geral não estejam os líderes Gustavo Veloso, que regressou ao pelotão depois de cinco meses de ‘paragem’ como gregário de luxo dos companheiros ‘dragões’, e Rinaldo Nocentini, que caiu no Grande Prémio Liberty, mas sim os habituais trabalhadores, que no Alentejo têm uma oportunidade única para brilhar.
Pelo segundo ano consecutivo, a ‘Alentejana’ arranca de Portalegre, cidade que acolhe o início da primeira etapa, que cumprirá 158 quilómetros até Castelo de Vide, num percurso que inclui as contagens de montanha de Cabeço do Mouro (2.ª categoria), Monte Paleiros (3ª), Marvão (4ª) e, a menos de 20 quilómetros da meta final, Senhora da Penha (3ª).
No dia seguinte, o pelotão, composto pelas seis equipas continentais portuguesas, seis de clube e 10 estrangeiras, enfrenta a mais longa tirada da 34.ª edição, uma ligação de 206,2 quilómetros entre Monforte e o castelo de Montemor-o-Novo, com a meta a coincidir com a única contagem de montanha do dia.
Vincando a presença do Baixo Alentejo na prova, o terceiro dia de competição liga Portel a Beja ao longo de 186,6 quilómetros, sem qualquer contagem de montanha.
No sábado, a quarta etapa arranca de Aljustrel para embrenhar-se na vizinhança da Costa Vicentina, nos 1.847 quilómetros que levam o pelotão até Grândola, depois de cruzada a única dificuldade do dia, uma contagem de 4.ª categoria, em Santiago do Cacém.
Para o último dia, estão reservados 172,3 quilómetros entre Santiago do Cacém e Évora, que incluem duas montanhas de quarta categoria, em Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo.
Aconteça o que acontecer nas cinco etapas, há já uma certeza: a Volta ao Alentejo vai continuar a ser a única prova por etapas do calendário da União Ciclista Internacional (UCI) que nunca foi ganha duas vezes pelo mesmo corredor, uma vez que não há qualquer antigo vencedor entre os inscritos para a 34.ª edição.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa  

“Brian Cookson com vontade de se recandidatar à presidência da UCI”

Por: Lusa

Foto: Reuters

Assumiu posição em Loulé a 18 meses do ato

O britânico Brian Cookson manifestou esta segunda-feira em Loulé a vontade de se candidatar a novo mandato na presidência da União Ciclista Internacional (UCI), desejo assumido a distantes 18 meses das eleições. Presidente desde 2013, o dirigente revelou a sua vontade no congresso da União Europeia de Ciclismo (UEC), que decorre no Algarve, perante 37 das 50 federações membros do organismo.
A UEC está reunida para tomar medidas quanto à fraude tecnológica, com destaque para o motor incorporado numa bicicleta da jovem competidora belga Femke Van den Driessche nos recentes mundiais de ciclocrosse.
A proposta é a de fornecer a cada federação condições idênticas de fiscalização às usadas pela UCI, nomeadamente usando o fundo de solidariedade da UEC para a aquisição do equipamento.
O presidente da UEC -- e vice-presidente da UCI -, o francês David Lappartient, também assumiu a intenção de ser candidato a um novo mandato na federação europeia.

Fonte: Record on-line

“Máfia terá sido responsável pela expulsão de Pantani no Giro'1999”

Por: Fábio Lima

Foto: EPA

Investigação da procuradoria de Forli descobre fraude.

Uma investigação da procuradoria de Forli, que esta segunda-feira é destacada pela "La Gazzetta dello Sport", revela que terá sido a Camorra a responsável pela expulsão de Marco Pantani do Giro'1999, numa altura em que o malogrado ciclista liderava a prova.
De acordo com a "Gazzetta", tudo terá ocorrido a 5 de junho de 1999, no Hotel Touring, em Maddona di Campiglio, antes da penúltima etapa, altura em que o italiano foi excluído por ter acusado um nível de glóbulos vermelhos superior aos 50% permitidos pela UCI. Ora, segundo a investigação, a máfia napolitana entrou em ação nessa altura, até porque as suas apostas para o vencedor iam contra o então ciclista da Mercatone Uno.
"Um membro da camorra ameaçou um médico para que alterasse a análise e para que o Pantani fosse excluído", aponta o procurador Sergio Sottani, dando assim um desfecho à investigação que iniciou em 2014. Nesse processo, reconstruiu os passos do ex-ciclista, falecido em 2004, ouviu dezenas de pessoas e chegou a esta conclusão.
Agora, à luz novos factos, os advogados da família Pantani já trabalham para reabrir o caso, ainda que o mesmo já tenha prescrito.

Fonte: Record on-line

 

“ASFIC COM A EQUIPA DESFALCADA GARANTE O 2 º LUGAR POR EQUIPAS NA 9ª VOLTA AO CONCELHO DE ALMODOVAR”


Decorreu no passado sábado e domingo, 12 e 13 de março, a 9.ª Volta ao Concelho de Almodôvar em Ciclismo, prova em que alinharam 140 concorrentes de 26 equipas portuguesas e espanholas.

A ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo / Riomagic participou nesta prova com a sua equipa desfalcada e reduzida a 5 elementos, uma vez que à última hora os outros 5 ciclistas, por motivos diversos, não puderam acompanhar a equipa.

Mesmo em inferioridade participamos nesta competição com os ciclistas Rui Rodrigues, João PortelaHelder Pereira, Humberto Careca e Jorge Madeira, tendo sido reforçada por um elemento da equipa de BTT da Asfic, Edgar Oliveira.

A 1.ª etapa, com 91 km, decorreu na tarde do dia 12, tendo a corrida decorrido a um ritmo elevado. Os atletas da ASFIC Edgar Oliveira e Hélder Pereira ainda por vezes diferentes estiveram em fuga, mas foram sempre alcançados pelo pelotão. A etapa acabou após uma subida acentuada com cerca de 4 km, tendo a chegada sido dispersa de vários atletas. A etapa viria a ser ganha por Pedro Cidoncha da equipa Espanhola da Tany Nature.

A 6 segundos e em 5.º lugar chegou João Portela, o primeiro atleta da ASFIC. Nesta primeira etapa a equipa do concelho de Rio Maior mesmo em inferioridade numérica mostrou um excelente trabalho alcançando o 4.º lugar por equipas, tendo para além de João Portela no 5.º lugar, alcançado ainda o 11.º por Rui Rodrigues, o 15.º por Humberto Careca, o 35.º por Jorge Madeira, o 50.º por Hélder Pereira e 0 74.º por Edgar Oliveira.

No dia 13, da parte da manhã, decorreu a 2.ª etapa, composta por 64 km, tendo alinhado 130 atletas, por terem desistido 10 na etapa anterior.

A etapa rodou a um ritmo bastante elevado, tendo terminado com uma média superior a 43 km/h. Mais uma vez os 6 atletas da ASFIC estiveram sempre na frente do pelotão , tendo Humberto Careca e Edgar Oliveira integrado duas fugas que foram alcançadas pelo pelotão.

Desta vez a chegada foi em pelotão compacto, tendo a vitória sido disputada ao sprint e ganha por outro atleta da equipa espanhola, Tany Nature.

A ASFIC alcançou novamente o 4.º lugar por equipas, tendo João Portela sido 4.º, Rui Rodrigues 13.º, Hélder Pereira 25.º, Edgar Oliveira 30.º, Humberto Careca 40.º e Jorge Madeira 52.º. Nesta etapa chegaram fora de controlo do tempo 11 ciclistas, tendo desistido 9.

Para a última etapa, que decorreu da parte da tarde e era composta por um circuito fechado de 10 voltas que perfazia um total de 45km, já só alinharam 98 atletas, e destes viriam a desistir 25.

A etapa decorreu a um ritmo elevado, tendo à 4.ª volta João Portela arriscado a fuga juntamente com o atleta André Felipe, não tendo sido alcançados até final. João Portela passou a meta em 1.º e venceu a 3.ª etapa da 9.ª Volta ao Concelho de Almodôvar, logo seguido por André Filipe, ciclistas que ganharam 1m27s para o pelotão.

A ASFIC venceu também por equipas esta etapa, classificando-se os restantes atletas nas seguintes posições: Hélder Pereira 11.º, Rui Rodrigues 25.º, Edgar Oliveira 33.º, Jorge Madeira 38.º e Humberto Careca 39.º.

No final da 9ª Volta ao concelho de Almodôvar, e mesmo em inferioridade numérica em relação aos seus principais opositores que se apresentaram com as suas equipas completas, a ASFIC Grupo Parapedra /Dinazoo /Riomagic, foi a 2.ª melhor equipa da prova, subindo ao segundo lugar do pódio.

Na geral individual, João portela alcançou também o 2.º Lugar do pódio. Os restantes atletas classificaram-se da seguinte forma: Rui Rodrigues 12.º, Humberto Careca 27.º, Jorge Madeira 28.º, Hélder Pereira 31.º e Edgar Oliveira 37.º.

A ASFIC, através de João portela, subiu ao 1.º lugar do pódio mais duas vezes, ao ganhar a camisola verde, classificação por pontos (a Classificação por Pontos é estabelecida pela soma dos pontos obtidos em cada uma das etapas ) e a camisola azul (vencedor da categoria master 30).

Através do ciclista Rui Rodrigues, a ASFIC subiu também ao segundo lugar do pódio, na categoria master40.

Não podemos deixar de enaltecer a prestação e atitude dos atletas da ASFIC , que mesmo em inferioridade numérica, foram enormes e souberam lutar contra todas as equipas e impor a sua raça e determinação. Congratulamo-nos e estamos orgulhosos pelos resultados obtidos e mesmo com a equipa reduzida e os atletas a terem de fazer um esforço muito maior fomos a única equipa que não desistiu nenhum atleta”.

Queremos dedicar este excelente resultado obtido a todos os nossos patrocinadores, em especial ao Gonçalo Pinheiro do Grupo Parapedra.
Conforme prometemos aos nossos patrocinadores e à Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior, 
Isaura Morais, durante a apresentação da equipa, mais uma vez os dignificámos.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“TRIATLO de VILA REAL SANTO ANTÓNIO”

JOSÉ PEDRO VIEIRA é BI-CAMPEÃO NACIONAL de DUATLO
JOSÉ PEDRO VIEIRA sagrou-se BI-CAMPEÃO NACIONAL de DUATLO ao vencer a sua prova de Juvenis, na 3ªetapa do Campeonato Nacional de Triatlo Jovem, que se realizou este fim-de-semana em Vila Real de Santo António, e conseguiu desta forma mais uma grande conquista para o Triatlo torrejano, o 1ºtitulo nacional nesta época de 2016.
Numa organização conjunta da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António e da Federação de Triatlo de Portugal, Vila Real de Santo António foi palco de um dos grandes eventos do calendário competitivo Nacional, com a disputa em formato de Duatlo (corrida, ciclismo e corrida) da 3ª etapa do Campeonato Nacional Jovem e uma Prova Aberta no sábado à tarde, e no formato de Triatlo (natação, ciclismo e corrida) da 1ªetapa do Campeonato Nacional de Clubes de Triatlo em Absolutos (para escalões acima de Cadetes) no domingo de manhã.
Entre os mais de 300 jovens que se juntaram em representação dos seus clubes, a Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas alcançou mais uma vez o 3ºlugar colectivamente, mas foi individualmente que os jovens torrejanos estiveram mais uma vez em destaque ao alcançarem 5 pódios com 17 atletas presentes neste Duatlo.
Nos Benjamins, Francisco Carvalho alcançou o 2ºlugar, depois de uma grande disputa com o seu adversário sobre a linha da meta. Rodrigo Viegas foi 20ºclassificado, e em femininos Ana Júlia Marques terminou a sua prova na 4ºposição.
Excelente 2ºlugar para João Nuno Batista em Infantis, que conseguiu mais uma vez ter a companhia no pódio do seu colega de equipa, Pedro Afonso Silva na 3ªposição, enquanto Vasco Santos foi uma agradável surpresa ao terminar no 6ºlugar.
Nos Iniciados, Duarte Santos subiu também ao pódio na 2ªposição, Gustavo do Canto conseguiu o 4ºlugar, e João Graça terminou na 15ºposição.
Mas o grande momento da tarde de sábado estava guardado para prova de Juvenis, com JOSÉ PEDRO VIEIRA mais uma vez a fugir aos seus diretos adversários no segmento de ciclismo, para chegar destacadíssimo à meta, e ao vencer as 3 provas de Duatlo já disputadas esta época, sagrou-se BI-CAMPEÃO NACIONAL de DUATLO.
Ainda nesta prova de Juvenis, Afonso do Canto alcançou o 4ºlugar, e Luis Carvalho que se estreou esta época em competição, foi 23ºclassificado, Guilherme Marques e Daniel Rodrigues chegaram nas 67ª e 70ªposições. Em femininos, Ana Margarida Silva terminou a sua prova no 26ºlugar, e Beatriz Neves chegou na 32ªposição.
No domingo de manhã, disputou-se a 1ªetapa do Campeonato Nacional de Clubes de Triatlo, com a presença de 400 atletas nos escalões acima de Cadetes. A prova de 750 metros de Natação, 21,9 quilómetros de ciclismo e 5 quilómetros de corrida foi vencida pelo Rio Maior Triatlo em femininos e pelo Sport Lisboa e Benfica em masculinos. O Clube de Natação de Torres Novas alcançou um excelente 10ºlugar em masculinos entre 42 equipas que se classificaram, e um brilhante 5ºlugar em femininos.
Individualmente, os atletas presentes tentaram obter os seus melhores os resultados, uma vez que esta era a 1ªprova de apuramento para a Taça da Europa que se realiza no início de Abril em Quarteira, e para o Campeonato de Europa de Triatlo que se realiza este ano em Lisboa no final do mês de Maio.
E assim foi, Ricardo Batista e Carolina Serra ao subiram ao pódio no 3ºlugar, e Joana Miranda ao alcançar o 4ºlugar em Cadetes, estarão bem encaminhados para atingir esse objectivo. Ainda em Cadetes, André Rodrigues chegou na 13ªposição, Miguel Moreira foi 22ºclassificado, enquanto Mariana Correia ao chegar na 9ªposição, fechou a classificação da equipa feminina torrejana.
Marco Sousa venceu a sua prova em Veteranos I, conseguindo impor-se de uma forma categórica no segmento de corrida sobre os seus mais diretos adversários.
Participaram ainda nesta prova, Rafael Marques em Juniores, Pedro Serra em Sub-13, Miguel Silva, André Sousa e André Antunes em Séniores, Pedro Antunes e Pedro Silva em Veteranos I, e Ricardo do Canto em Veteranos II.
A próxima prova será também no Algarve, no próximo fim-de-semana, Triatlo de Altura.
A Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas continua com as inscrições abertas para esta nova época 2016, e todos os jovens com idades compreendidas entre os 8 e os 14 anos de idade podem inscrever-se, basta saber nadar e aparecer nas Piscinas Municipais de Torres Novas entre segunda e sexta-feira a partir das 18h00.
Fonte: Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas

“Ciclismo: Academia Joaquim Agostinho”

J
uniores da AJA ficam em 4.º lugar em Alcobaça

Por: Inês Antunes

A equipa de juniores da Academia Joaquim Agostinho começou a época no dia 6 de março, na prova de abertura da Taça de Portugal, que se realizou em Alcobaça.

Nos 114 quilómetros de prova, destacou-se Francisco Morais, que terminou na 5.ª posição. Na prova estavam presentes vinte equipas, com 136 atletas, tendo o coletivo de Torres Vedras terminado no 4.º lugar da classificação por equipas.

Os restantes oito atletas da Academia Joaquim Agostinho classificaram-se da seguinte forma:

Gonçalo Ferreira, 14.º lugar

Leonel Firmino, 20.º lugar

Diogo Pereira, 34.º lugar

Miguel Esteves, 50.º lugar

Eduardo Silve, 65.º lugar

João Carvalho, 77.º lugar

A próxima prova da equipa de juniores é a Volta a Loulé, que se realiza de 24 a 26 de março. Já a equipa de cadetes da Academia Joaquim Agostinho vai iniciar a sua participação em provas oficiais este domingo, dia 20 de março, na Trofa. Vai ser uma prova que serve de treino para os atletas mais jovens de competição da Academia.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho

“Ciclismo: Sicasal/Constantinos/UDO”

Equipa enfrenta maré de azar no 8.º GP Liberty Seguros

Por: Inês Antunes

A equipa sub-23 da Academia Joaquim Agostinho apresentou-se este fim-de-semana no 8.º Grande Prémio Liberty Seguros, que começou no sábado, em Vila Nova de Cacela, e terminou no domingo, em Lagoa, no Algarve. Os oito atletas da Sicasal/Constantinos/UDO que se apresentaram para esta prova enfrentaram uma verdadeira maré de azar, depois de na primeira etapa, aos 50 quilómetros de corrida, terem ficado todos envolvidos numa queda coletiva no pelotão. O Rafael Apolinário, um dos novos atletas da equipa, foi transportado de imediato para o hospital. Os outros sete corredores continuaram em prova, mas um deles, o Marvin Scheulen, acabaria por ser transportado para o hospital no final da etapa, com queixas na clavícula. Depois de vários exames, os dois atletas passaram a noite no hotel com a equipa.

Apesar da queda coletiva a alta velocidade – cerca de 70 km/h -, Luís Mendonça voltou a ser o atleta melhor classificado da equipa, tendo terminado esta tirada de 152,4 quilómetros no 9.º lugar. Ao longo da etapa, o Luís bonificou numa meta-volante, e terminou o primeiro dia de prova no 8.º lugar da geral individual.

No segundo dia alinharam apenas cinco corredores da Sicasal/Constantinos/UDO, depois de Miguel Santos e Gonçalo Leaça terem ficado fora do controlo no primeiro dia.


O Marvin Scheulen acabou por ser obrigado a desistir durante a segunda etapa, por a organização da prova e a equipa não conseguirem garantir uma bicicleta de substituição da sua medida, o que o fez ressentir-se da dor no ombro. Com ele, acabou por desistir também o João Letras.

A 2.ª etapa começou e terminou em Lagoa e tinha uma extensão de 186,6 quilómetros. Foi uma etapa onde se criaram vários grupos, tendo muitos atletas ficado para trás. A Sicasal/Constantinos/UDO terminou com três atletas, que ficaram classificados na geral individual assim:

Luís Mendonça, 36.º lugar

Tiago Antunes, 105.º lugar

Emanuel Duarte 102.º lugar

O grande vencedor do 8.º Grande Prémio Liberty Seguros acabou por ser o norueguês August Jensen, da Team Coop-Oster Hus.  

A Sicasal /Constantinos/UDO vai agora participar na Volta ao Alentejo, entre os dias 16 e 20 de março. O treinador, Hugo Lúcio, espera confessou que o grande objetivo para esta prova é "colocar um atleta no top15".

Fonte: Sicasal/Constantinos/UDO

“Queda tira EFAPEL da luta pelo triunfo GP Liberty Seguro”

“Queda tira EFAPEL da luta pelo triunfo GP Liberty Seguro”
Daniel Mestre com possível fractura da clavícula.
A segunda etapa do GP Liberty Seguro foi madrasta para a equipa de ciclismo EFAPEL. A formação liderada por Américo Silva saiu para a estrada na discussão do triunfo à geral mas Daniel Mestre sofreu uma queda e foi forçado a abandonar quando seguia no grupo da frente e iria discutir a vitória final. Com esse incidente, a equipa acabou por perder tempo e Rafael Silva também não não teve a possibilidade de terminar entre os melhores.
Em mais um dia muito disputado, a EFAPEL não foi afortunada. A equipa começou a etapa da melhor forma e preparava-se para se bater pelo primeiro lugar na classificação final individual. Mas a queda de Daniel Mestre hipotecou tal desígnio. “Hoje foi um dia para esquecer. Tínhamos boas hipóteses de triunfar mas não fomos felizes. Infelizmente, o Daniel magoou-se na queda e não vai poder correr na Volta ao Alentejo num momento em que estava em boa forma”, lamentou o director desportivo, Américo Silva.
Daniel Mestre vai ser sujeito a mais exames pois suspeita-se que pode ter fracturado a clavícula, para além de já ter sido suturado, com três pontos, no sobrolho.
Finalizada a participação no GP Liberty Seguros, a EFAPEL deixa o Algarve e sobe um pouco mais a norte onde corre a Volta ao Alentejo a partir de quarta-feira.
Classificação da segunda etapa no GP Liberty Seguros
    Will Routley            Rally Cycling                4h32m17s
    Imanol Estevez Salas        Euskadi Basque Country        mt
    Vicente De Mateos        Louljtano-Hospital Loulé        mt
45º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 5m47s
47º    Rafael Silva            EFAPEL                mt
55º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 13m03s
77º    António Barbio        EFAPEL                a 27m48s
78º    Jóni Brandão            EFAPEL                mt
80º    Nuno Almeida        EFAPEL                mt
97º    Hélder Ferreira        EFAPEL                mt
NT    Daniel Mestre            EFAPEL                NT
Classificação geral individual após a primeira etapa no GP Liberty Seguros
    Jensen August        Team Coop-Oster Hus        7h32m37s
    Will Routley            Rally Cycling                a 3s
    Vicente De Mateos        Louljtano-Hospital Loulé        a 5s
35º    Rafael Silva            EFAPEL                a 6m00s
42º    Filipe Cardoso        EFAPEL                mt
48º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 13m16s
78º    António Barbio        EFAPEL                a 28m01s
92º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 37m10s
104º    Jóni Brandão            EFAPEL                mt
108º    Hélder Ferreira        EFAPEL                mt
Fonte: Efapel