quarta-feira, 9 de março de 2016

“BMC entrega primeira camisola azul do Tirreno-Adriático a Daniel Oss”

Foto: EPA
Por: Lusa
Equipa norte-americana venceu contrarrelógio por equipas.
A BMC puxou esta quarta-feira dos seus galões de dupla-campeã do mundo para vencer o contrarrelógio por equipas que inaugurou o Tirreno-Adriático, oferecendo ao italiano Daniel Oss a primeira camisola azul de líder.
A equipa norte-americana, bicampeã mundial em título da especialidade, não deu hipótese à concorrência, ao cumprir os 22,7 quilómetros com início e final em Lido di Camaiore, em 23.55 minutos, a uma média de 56,948 km/h.
A correr em casa, Oss foi o escolhido para cruzar em primeiro a linha de meta e, consequentemente, para subir ao pódio como líder, sendo escoltado na geral por cinco companheiros da BMC, todos creditados com o mesmo tempo.
Em segundo, a apenas dois segundos ficou a portentosa Etixx-Quickstep, com a FDJ a ser terceira a nove.
Entre os favoritos, foi Vincenzo Nibali quem melhor se saiu, graças ao desempenho da sua Astana, sexta a 15 segundos. Pior esteve a Movistar que, com Nelson Oliveira no seu bloco de trabalho para Alejandro Valverde, não foi além da décima posição, a 29 segundos da BMC.
Tiago Machado e a sua Katusha foram 14.º, a 59 segundos, enquanto a Caja Rural, com Ricardo Vilela e Domingos Gonçalves no conjunto, ocupou a 22.ª e penúltima posição, a 01.41 minutos. José Gonçalves foi o único que não conseguiu acompanhar o ritmo dos colegas, cortando a meta a 01.46 minutos do tempo registado pela BMC.
Na quinta-feira, a segunda etapa do Tirreno-Adriático vai ligar Camaiore a Pomarance, no total de 207 quilómetros.
Fonte: Record on-line

“Philippe Gilbert abandona Paris-Nice devido a infeção respiratória”

O belga, de 33 anos, tem várias vitórias em clássicas no currículo e ocupava a 104.ª posição, a 4.40 minutos do líder, foi obrigado a desistir da prova.
O ciclista belga Philippe Gilbert abandonou hoje o Paris-Nice, devido a uma infeção respiratória, informou hoje a BMC, equipa onde alinha o antigo campeão mundial de estrada.
“Adoro esta corrida e por isso é muito dececionante ser obrigado a parar”, disse Gilbert, que se sagrou campeão do mundo de estrada em 2012, um ano antes de Rui Costa ter se ter tornado o primeiro – e único - ciclista português a conquistar o título.
O belga, de 33 anos, tem várias vitórias em clássicas no currículo e ocupava a 104.ª posição, a 4.40 minutos do líder, o australiano Michael Matthews (Orica-GreenEDGE), à partida para a terceira etapa, que ligará Cusset a Beaujolais.
Rui Costa (Lampre-Merida) é o melhor português na geral do Paris-Nice, ocupando o 36.º posto, a 49 segundos australiano Michael Matthews (Orica-GreenEDGE), seguindo-se-lhe o irmão e colega de equipa Mário Costa, 149.º, a 10.27 minutos, e Sérgio Paulinho (Tinkoff), 159.º, a 10.50.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

 

“Terceira etapa do Paris-Nice anulada devido à neve”

Foto: KENZO TRIBOUILLARD / AFP
Na quinta-feira, o pelotão enfrenta a quarta etapa, uma ligação de 195,5 quilómetros entre Juliénas e Romans-sur-Isère.
A terceira etapa do Paris-Nice, que deveria ligar hoje Cusset ao Mont Mont Brouilly, foi anulada devido à queda de neve, anunciou a organização da prova.
A decisão foi tomada pelo colégio de comissários e pelos organizadores, quando cinco ciclistas - Alexis Gougeard (AG2R-La Mondiale), Alexei Lutsenko (Astana), Alexei Lutsenko (Astana), Thomas De Gendt (Lotto Soudal) e Jesus Herrada (Movistar) - seguiam isolados na frente , com uma vantagem de cerca de 03.30 minutos sobre o pelotão.
Num primeiro momento, os organizadores mostraram-se dispostos a neutralizar parcialmente a etapa e retomá-la a 42,4 quilómetros da meta.
A anulação da etapa, que tinha a distância de 168 quilómetros, deu-se perto do Col des Echarmeaux, a cerca de 75 quilómetros da chegada, com o tempo da tirada a não contar para a geral.
Assim, Rui Costa (Lampre-Merida) mantém-se como o melhor português na geral, ocupando o 36.º posto a 49 segundos do líder, o australiano Michael Matthews (Orica-GreenEdge), seguindo-se-lhe o seu irmão e colega Mário Costa, 149.º, a 10.27 minutos, e Sérgio Paulinho (Tinkoff), 159.º, a 10.50.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Tiago no apoio a "Purito" no Tirreno-Adriático"

Foto: Filipe Farinha
O vencedor das três grandes voltas, o italiano Vincenzo Nibali (Astana), é o grande favorito no Tirreno-Adriático, prova que também conquistou em 2012 e 2013. Com o tiro de partida agendado para hoje, a competição desenrola-se ao longo de sete etapas, com dois contrarrelógios e duas chegadas em alto. Mas a concorrência é muita, desde logo porque a Katusha apresenta um trepador puro como chefe de fila, o espanhol Joaquim ‘Purito’ Rodriguez, que será apoiado por Tiago Machado.
Já a Caja Rural será a equipa com mais corredores lusitanos, designadamente os irmãos Gonçalves, José e Domingos, e Ricardo Vilela, que poderão tentar a sua sorte numa fuga.
Destaque ainda para a Movistar, com Nelson Oliveira, um rolador e contrarrelogista de primeira classe, que terá a missão de apoiar o espanhol Alejandro Valverde.
Fonte: Record on-line