sexta-feira, 4 de março de 2016

“Seleção Nacional/Liberty Seguros/ Campeonatos do Mundo”

Ivo Oliveira abandona com dificuldades respiratórias
Ivo Oliveira não conseguiu terminar a corrida por pontos, ao início da noite de hoje, em Londres, tendo uma estreia azarada em Campeonatos do Mundo de elite, devido a problemas respiratórios.
O corredor português iniciou a prova de forma prometedora, ganhando o primeiro sprint graças a uma fuga na companhia do italiano Liam Bertazzo. No entanto, depois de ser absorvido pelo pelotão surgiram os problemas.
“Ficou com muitas dificuldades para conseguir respirar. Não conseguiu equilibrar-se no momento em que precisava de recuperar, talvez devido à humidade de 30 por cento que se registava dentro do velódromo”, admite o selecionador nacional, Gabriel Mendes.
O responsável técnico admite que o desfecho da participação no Mundial ficou aquém do esperado, mas já pensa no futuro. “Ficámos desapontados, porque trabalhámos arduamente para ter outro resultado. O Ivo começou bem, cumprindo o planeado, que era pontuar. No entanto, acabou por abandonar. Quero destacar que ele é um atleta com muito valor e com futuro. Há que levantar a cabeça e continuar a trabalhar”, sintetiza Gabriel Mendes.
A corrida foi ganha pelo britânico Jonathan Dibben, com 48 pontos, os mesmos do segundo classificado, o austríaco Andreas Graf. A medalha de bronze foi conquistada pelo belga Kenny de Ketele.
A participação da Seleção Nacional/Liberty Seguros no Campeonato do Mundo terminou hoje, mas o ciclismo português continua representado até ao final da competição, no domingo, por Paula Martins, que integra o colégio de comissários.
Fonte: FPC

 

“Reportagem no “Jornal de Ciclismo” Projeto EuroVelo”

Já está on-line a reportagem no “Jornal de Ciclismo” Projeto EuroVelo apresentado em Lisboa na BTL, a mesma pode ser visualizada em: http://jornalciclismo.com/?p=41454 ou em: http://jornalciclismo.com/ onde pode ainda visualizar outras notícias.


“CLÁSSICA DE IDANHA-A-NOVA”

No próximo dia 3 de abril vai realizar-se a Clássica de Idanha-a-Nova, uma organização conjunta entre a ACBI e a ACIN, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova.
No formato de prova aberta, este evento faz parte do calendário nacional de eventos da UVP-FPC, encontrando-se licenciado e perfeitamento enquadrado em termos de segurança e organização nas normas impostas pela Federação Portuguesa de Ciclismo.
Com duas distâncias, Mediofondo com 75 km e Granfondo com 144 km, a prova irá percorrer as melhores paisagens que o Concelho de Idanha-a-Nova e a Raia Centro têm para oferecer.
Idanha-a-Nova, Monsanto, Penha Garcia, Monfortinho, serão apenas alguns exemplos dos locais onde os atletas irão passar, percorrendo estradas de excelente piso, mas também alguns locais de maior exigência técnica, como os 8 setores de pavé que encontrarão na distância Granfondo.
O "MURO DO VALADO"
Conhecida como uma região de poucas dificuldades em termos de subidas, a prova oferecerá ainda assim 5 subidas que oscilam entre a 4ª e a 3ª categoria, com destaque para a subida a Monsanto, onde encontrarão o setor já conhecido como o "Muro do Valado", com cerca de 1500m de pavé em subida com pendentes que chegam aos 20% e que leva os ciclistas desde a base de Monsanto até à capela de São Sebastião, na Relva. Imperdível!
Vencido o Muro do valado, a subida continua em asfalto até à entrada no pórtico de Monsanto, com vistas soberbas para norte e a Serra da Estrela cheia de neve.
Segue-se mais um pouco de pavé, e algumas inclinações tenebrosas, a entrar dentro da aldeia mais portuguesa de Portugal, que merece uma visita a pulsações mais baixas.
PERCURSOS
Os percursos desta segunda clássica já estão definidos e podem ser consultados e descarregados em GPX no site da ACBI (consultar aqui>>)
Os 8 setores de pavé e as 5 subidas podem ser consultados na altimetria em baixo. Em breve daremos mais informações sobre cada uma das subidas e dos setores de pavé.
REGULAMENTO
O regulamento da prova pode e deve ser consultado no site da ACBI. (consultar aqui>>)
Chamamos especial atenção para a segurança e circulação nas estradas e para o apoio por parte de acompanhantes durante a prova. A organização criará zonas de abastecimento apeado, onde os acompanhantes poderão dar abastecimento aos atletas. Haverá também ao longo do percurso 5 pontos de abastecimento fixos, providenciados pela organização.
É proibida a circulação de veículos estranhos à organização, para apoio aos atletas; O percurso da prova é conhecido, pelo que o apoio aos atletas deve ser dado em locais próprios que serão identificados pela organização, nunca em veículos que tentem acompanhar a prova. Caso sejam detetados pelas autoridades policiais, ou pelo staff da prova, veículos de apoio a atletas a circular no meio da prova, os atletas visados serão alvo de desqualificação, devendo abandonar a prova de imediato.
Fonte: ACBI

“O tempo das clássicas chegou/EFAPEL com corridas em Amarante e na Póvoa de Varzim”

Cumprida a primeira competição por etapas do calendário deste ano, a equipa profissional de ciclismo EFAPEL enfrenta as primeiras provas de um dia, conhecidas como clássicas, no próximo fim-de-semana. E a postura da formação é clara. Tudo fará para discutir o primeiro lugar com os conjuntos adversários que também participam nestas competições, a Clássica de Amarante, que se realiza no sábado, e a Clássica da Primavera (Póvoa de Varzim), no domingo.
Para começar o fim-de-semana, a equipa ruma a Amarante para uma clássica que está de regresso ao calendário velocipédico português. “Mais uma competição que está de volta. Todos saudamos isso. Felizmente, o calendário começa a ficar preenchido de competições e isso é muito bom para o nível competitivo interno”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.
As duas corridas têm características muito particulares pois tudo se decide num dia. Mas para o responsável da equipa de Ovar, a equipa tem condições para discutir os primeiros lugares. “Vamos tentar lutar pela vitória. A equipa apresentou um bom nível competitivo e físico na Volta ao Algarve. Achamos que podemos lutar pelo triunfo em qualquer uma das clássicas desta fim-de-semana”, afirmou.
No sábado, a Clássica de Amarante começa às 14 horas enquanto no domingo, a Clássica da Primavera, com partida e chegada na Póvoa de Varzim, terá sete subidas ao Monte de São Félix, ascensão tradicional onde normalmente se decide esta competição.
Nome da prova
Clássica de Amarante
20ª Clássica da Primavera
Data
5 e 6 de Março de 2016
Director desportivo
Américo Silva
Ciclistas
Álvaro Trueba (Contra-relogista/trepador)
António Barbio (Contra-relogista)
Filipe Cardoso (Sprinter/Equipier)
Hélder Ferreira (Trepador)
Jóni Brandão (Trepador)
Nuno Almeida (Trepador)
Rafael Silva (Sprinter
Fonte: Efapel

“Reportagem no “O Praticante” Projeto EuroVelo”

Já está on-line a reportagem no “O Praticante” Projeto EuroVelo apresentado em Lisboa na BTL, o mesmo pode ser visualizado em: http://www.opraticante.pt/projeto-eurovelo-extensivel-em-portugal/ ou em: http://www.opraticante.pt/  onde pode ainda visualizar outras notícias.