domingo, 21 de fevereiro de 2016

Texto: José Morais/Com António Baganha
Foto: António Baganha
O Duatlo do Semideiro – Chamusca realizou este domingo 21 de fevereiro, foi uma organização conjunta da Câmara Municipal da Chamusca e da Federação de Triatlo de Portugal, com a parceria do Centro Cultural do Semideiro e Núcleo Sportinguista Concelho da Golegã.
É constituído por uma prova pontuável para o Campeonato Nacional Jovem e por uma prova Super-Sprint (Prova Aberta).
 
O evento contou com os seguintes participantes nos diversos escalões.
Benjamim em Femininos,24
Masculinos,46
Infantil em Femininos,29
Masculinos,61
Iniciados em Femininos,36
Masculinos,48
Juvenis em Femininos,42
Masculinos,80
Prova Aberta em Femininos,7
Masculinos,53

“Campeonato do Mundo de 24H Solo de BTT, na Nova Zelândia”

Por: Patrícia Soares
Pedro Maia é vice-campeão do mundo de BTT
Pedro Maia foi o segundo classificado, na classe 55-59 anos, no Campeonato do Mundo da WEMBO 24H SOLO de BTT, que decorreu sexta-feira e sábado na Nova Zelândia.
O ciclista, que arrecadou a medalha de prata, pedalou durante 23 horas consecutivas, tendo percorrido mais de 280 km ao lado dos melhores do mundo. Pedro Maia revela estar “orgulhoso do resultado alcançado e de ter conseguido, mais uma vez, levar as cores da bandeira nacional ao pódio”. “O esforço e empenho do último ano foi recompensado”, afirma o atleta.
Apoiado pela Europ Assistance, Pedro Maia alcança mais um título mundial depois de, em 2014, ter sido campeão mundial na classe mais de 50 anos. De salientar, também que, em 2013, o atleta se sagrou campeão europeu no Reino Unido, na classe mais de 50 anos.
Grupo Europ Assistance
Criado em 1963, o Grupo Europ Assistance, pioneiro nos serviços de assistência, disponibiliza os seus serviços mundialmente, oferecendo a particulares e empresas soluções para situações imprevistas, 24 horas por dia e todos os dias do ano. Inicialmente nos ramos de actividade tradicionais (viagem e automóvel), o Grupo Europ Assistance alargou, desde 2004, a sua oferta de serviços às áreas da saúde, família e domicílio.
Fonte: Europ Assistance Portugal

“Volta a Omã/Kristoff vence na consagração de Nibali, Rui Costa quinto”

Foto: ERIC FEFERBERG / AFP
O italiano Vincenzo Nibali (Astana) conquistou hoje a Volta a Omã em bicicleta, após a vitória do norueguês Alexander Krisfoff (Katusha) na sexta e última etapa da prova, que o português Rui Costa (Lampre-Merida) terminou no quinto posto.
Krisfoff foi o primeiro a concluir os 130,5 quilómetros, entre The Wave Muscat e Matrah Corniche, em Mascate, em 3:01.18 horas, o mesmo registo dos dois ‘sprinters’ da Giant-Alpecin que lhe sucederam, caso do belga Zico Waeytens e o dinamarquês Soren Kragh Andersen, e de Rui Costa, que foi 22.º.
Nibali, vencedor do Tour2014, do Giro2013 e da Vuelta2010, também chegou com o pelotão, segurou a liderança conquistada na sexta-feira e venceu a sétima edição da prova, com 15 segundos de vantagem sobre o francês Romain Bardet (AG2R) e 24 sobre o dinamarquês e seu companheiro de equipa Jakob Fuglsang.
Rui Costa terminou no quinto lugar, a 54 segundos de Nibali, que venceu pela primeira vez a Volta a Omã, quatro anos depois de ter sido segundo, a um segundo do eslovaco Peter Velits, sucedendo no historial da corrida ao espanhol Rafael Valls.
Mário Costa (Lampre-Merida) foi hoje o 106.º a concluir a etapa, a 1.41 de Krisfoff, concluindo a corrida no 61.º posto, a 22 minutos de Nibali.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Valverde vence pela quarta vez a Volta à Andaluzia”

Foto: EPA/Javier Lizon
Ciclista espanhol sucedeu ao britânico Chris Froome como vencedor da prova.
O espanhol Alejandro Valverde (Movistar) conquistou este domingo a Volta à Andaluzia em bicicleta pela quarta vez, ao vencer a quinta e última etapa, que terminou no alto de Peñas Blancas, em Estepona.
Valverde, que já tinha vencido a corrida em 2012, 2013 e 2014, sucedeu no historial ao britânico Chris Froome (Sky), ao concluir os 171 quilómetros da tirada, que partiu de San Roque, em 4:46.51 horas, menos 36 segundos do que o holandês Bauke Molema (Trek-Segrafredo) e menos 42 do que o polaco Rafal Majka (Tinkoff), segundo e terceiros a cruzar a meta.
Tejay van Garderen (BMC), que tinha assumido a liderança no sábado, ao vencer o contrarrelógio, foi relegado para o segundo lugar da classificação geral, a 26 segundos de Valverde, depois de ter cedido 48 na tirada de hoje, que terminou em quarto. Molema fechou o pódio, a 52 segundos do vencedor.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Fabian Cancellara: «Recorde da hora? Perdi a motivação»

Por: Ana Paula Marques
Foto: Filipe Farinha
Ciclista diz que bater a marca é passado.
O britânico Bradley Wiggins pode ficar descansado. Pelo menos da parte de Fabian Cancellara, pois continuará a ser o recordista mundial da hora, que fixou o ano passado com 54,526 km. Numa conversa com Record e a revista ‘Ciclismo a Fundo’, realizada no interior do autocarro da Trek, um espaço restrito e só acessível a muito poucos, o suíço explicou por que é que pedalar durante uma hora deixou de ser objetivo. "Perdi a motivação. As coisas ou são feitas naquele momento, ou então... foi um projeto passado."
Nascido há 34 anos na região de Berna, ‘Spartacus’, como Cancellara é conhecido no pelotão, fez segredo, de resto, quanto ao seu futuro pós-retirada, que vai acontecer no final de 2016, revelando apenas que continuará ligado à modalidade. "Não vou ser comentador, não vou ser diretor-desportivo, daqueles que andam no carro", garantiu. Tenho outros planos, que por enquanto não posso revelar. Quero também desfrutar um pouco da vida, fazer outras coisas."
Há 15 anos, quando começou a carreira profissional, pensou o ciclista da Trek, vencedor do contrarrelógio em Sagres, ter uma carreira de sucesso? "Não. Estou contente com as vitórias, com o que consegui." Quais as prioridades para esta época, a da despedida do pelotão mundial? "Sem dúvida as clássicas." Paris-Roubaix, em especial? "Sim, mas também a Volta à Flandres." Cancellara admitiu, depois, que esta última é a corrida que mais lhe toca o coração. "É única, especial, diferente de todas." E qual o momento mais alto da carreira? "Todas as vitórias. O ouro olímpico, a Flandres, todas as outras clássicas."

Elogios a Portugal
A Volta ao Algarve ficará ligado à carreira de Cancellara. Em 2001, no primeiro ano como profissional, disputou a prova pela Mapei, regressando em 2016, na época de despedida, e com um triunfo numa etapa. "Percurso agradável, bom tempo, claro, e muito bom ambiente". E mais disse: "Portugal tem uma grande paixão pelo ciclismo, tem pequenas equipas e patrocinadas por clubes de futebol. Conheço o Acácio da Silva, que viveu na Suíça, onde há muitos portugueses. Lá, como aqui, são muito simpáticos, afáveis."
Sobre o futebol, o ciclista da Trek tem uma opinião curiosa. "Gosto de ver um bom jogo, entre grandes equipas. Tudo o resto é muito drama, parece um filme."

Talhado para as clássicas
A par do belga Tom Boonen, Fabian Cancellara é um dos grandes especialistas das clássicas, provas que estão para estes ciclistas como o Tour, Giro e Vuelta estão para Chris Froome, Vicenzo Nibali, Alberto Contador, Joaquin Rodriguez... O suíço contabiliza sete triunfos, três na Volta a Flandres (2010, 2013 e 2014), outros tantos no Paris-Roubaix (2006, 2010 e 2013) e um na Milão-São Remo (2010). Soma ainda mais oito pódios nas mesmas provas. De resto, a carreira de Cancellara pautou-se por outros grandes desempenhos em contrarrelógios, onde soma quatro títulos mundiais (2006, 2007, 2009 e 2010) e ouro olímpico em Pequim’2008. Aqui, ainda foi prata na prova de estrada. Na Volta a França andou mais do que uma vez de amarelo graças precisamente aos triunfos no prólogo, a última vez em 2015. Abandonou à terceira etapa devido a uma grave queda.
Fonte: Record on-line

“Volta ao Algarve/Romaria ao Alto do Malhão”

Por: Ana Paula Marques
Na chegada em montanha decidiu-se este domingo o vencedor da Volta ao Algarve
Uma autêntica romaria aquela que se viu este domingo no Alto do Malhão, final da 5.ª e última etapa da 42.ª Volta ao Algarve. O Record pôde testemunhar isso mesmo quando fez a parte final do percurso, verificando que nos últimos três quilómetros, que coincidem com a subida, era onde estava concentrada a maioria dos espectadores que já por esta altura enchiam as bermas da estrada, muito deles já no 'abastecimento' líquido e sólido, fazendo acampamentos, como se de uma subida à Senhora da Graça ou à Torre se tratasse.
Na chegada, de resto, não faltam as barraquinhas de comes e bebes, nem tão pouco o camião da equipa do Sporting-Tavira, que fazia as delícias dos amantes dos dois históricos clubes. Lá dentro podia-se encontrar artigos à venda, como camisolas.
E, apesar de o Benfica não estar no pelotão (fala-se que pode regressar em 2017), também não faltavam bandeiras da águia.
Os ciclistas partiram de Almodôvar às 11H30, chegando ao Alto do Malhão por volta 16H00. De amarelo tinha partido o alemão Tony Martin (Etixx), com escassos três segundos de avanço para o vencedor do ano passado, o britânico Gerraint Thomas (Sky), o qual ganhou também este ano, Alberto Contador foi o vencedor da etapa.
Fonte: Record on-line

“Volta ao Algarve/Sporting - Tavira foi a melhor equipa portuguesa no Algarve”

Foto: © 2016 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
A prova foi ganha por Geraint Thomas (Sky).
O italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) foi o melhor ciclista no regresso dos ‘grandes’ à estrada, com a W52-FC Porto a ser a penúltima classificada na classificação por equipas na Volta ao Algarve.
Na ausência de Gustavo Veloso, ainda fora de forma a pouco mais de seis meses de defender as duas vitórias consecutivas na Volta a Portugal, o ansiado frente-a-frente entre o galego e o líder do Sporting-Tavira não aconteceu, mas Nocentini acabou por ser o melhor dos ‘grandes’, na 29.ª posição, a 5.03 minutos do vencedor Geraint Thomas (Sky).
Dois lugares atrás ficou o melhor ‘dragão’, o português Rui Vinhas, que perdeu 6.10 minutos para o camisola amarela.
Na geral por equipas, o Sporting-Tavira foi a melhor equipa lusa, no 13.º lugar, a 24.58 minutos da vencedora Katusha, enquanto a W52-FC Porto foi 23.ª e penúltima a 1:01.46 horas.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“42.ª Volta ao Algarve/Thomas e Contador reinam no Malhão”

O alto do Malhão, em Loulé, encheu-se hoje com milhares de entusiastas de ciclismo que vitoriaram o espanhol Alberto Contador (Tinkoff), que conquistou a quinta e última etapa da Volta ao Algarve, e o britânico Geraint Thomas (Sky), que ganhou a geral.
Alberto Contador foi claramente o mais forte na tirada de 169 quilómetros, iniciada em Almodôvar. O corredor espanhol atacou nas duras rampas do Malhão e venceu destacado, com 20 segundos sobre Fabio Aru (Astana), Thibaut Pinot (FDJ) e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), que cortaram a meta por esta ordem. O galês Geraint Thomas foi quinto classificado, a 28 segundos de Contador, um desempenho suficiente para conquistar a camisola amarela Cyclin’Portugal.
O alemão Tony Martin (Etixx-QuickStep), que partiu de amarelo no corpo, perdeu o contacto com o grupo dos favoritos na primeira das duas subidas ao Malhão, afundando-se na classificação geral. Depois da primeira passagem pela subida louletana, o pelotão principal seguiu a ritmo muito elevado, através de um percurso sinuoso, de sobe e desce, que lembrava as clássicas das Ardenas.
Este endurecimento foi essencial para que a escalada final provocasse mais diferenças do que é usual e para que Alberto Contador conseguisse o terceiro triunfo no Malhão, depois de já ali ter celebrado em 2010 e em 2014.
“Esta é uma corrida que me traz sorte e apesar de saber que se trata da primeira competição do ano sabia que me encontrava bem. No segundo dia faltou-me a energia, alimentei-me mal e perdi demasiado tempo. Estou contente por ter ganho e por ter chegado ao pódio. Agradeço aos meus companheiros por esta vitória”, disse Contador após celebrar a subida ao pódio.
Geraint Thomas manteve-se alheio à disputa da etapa, mas sagrou-se vencedor da Volta ao Algarve pelo segundo ano consecutivo. O homem da Sky encabeçou um pódio formado ainda por Ion Izagirre (Movistar), que gastou mais 19 segundos, e por Alberto Contador, cujo excelente desempenho nesta etapa o levou ao pódio.
“Foi um dia difícil. Com o vento forte foi ainda mais complicado. Quando o Contador atacou tentámos manter a calma e não nos precipitamos a ir atrás dele. Mantivemos o ritmo para vencer a geral. Tive a maior paragem de pré-epoca da minha carreira - foram cinco semanas sem a bicicleta - e não sabia se ia estar bem. Estava sob bastante pressão porque no ano passado vim para ajudar o Richie e este ano tinha os rapazes a trabalhar para mim. Foi bom poder ganhar para lhes agradecer”, afirmou Geraint Thomas.
Amaro Antunes confirmou hoje o excelente desempenho ao longo de toda a corrida, terminando na décima posição, a 1m27s do vencedor, conquistando o estatuto de melhor português. Tiago Machado (Katusha) foi 11.º, Nelson Oliveira (Movistar)13.º e Ricardo Vilela (Caja Rural-Seguros RGA) 15.º.
A russa Katusha venceu coletivamente a Volta ao Algarve. O alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) conquistou a camisola verde Turismo do Algarve, símbolo de vencedor da classificação por pontos. O Alexandr Kolobnev, contratado para dar experiência à Gazprom-RusVelo que vai alinhar no Giro de Itália, subiu ao pódio na primeira corrida pela formação russa para vestir a camisola azul Liberty Seguros de melhor trepador. O melhor jovem e dono da camisola branca Fundação do Desporto foi o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal).
 Classificações/Results
5.ª Etapa/5th Stage: Almodôvar - Malhão, 169 km
1. Alberto Contador (Tinkoff), 4h24m47s (38,295 km/h)
2. Fabio Aru (Astana), a 20s
3. Thibaut Pinot (FDJ), mt
4. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), mt
5. Geraint Thomas (Sky), a 28s
6. Primoz Roglic (Lotto NL-JUmbo), mt
7. Rigoberto Urán (Cannondale), mt
8. Dries Devenyns (IAM Cycling), a 30s
9. Julián Arredondo (Trek-Segafredo), mt
10. Jarlinson Pantano (IAM Cycling), mt
Geral/General
1. Geraint Thomas (Sky), 18h34m15s
2. Ion Izagirre (Movistar), a 19s
3. Alberto Contador (Tinkoff), a 26s
4. Thibaut Pinot (FDJ), a 32s
5. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 49s
6. Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 50s
7. Ilnur Zakarin (Katusha), a 1m03s
8. Jarlinson Pantano (IAM Cycling), a 1m04s
9. Fabio Aru (Astana), a 1m25s
10. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 1m27s
Fonte: FPC