sábado, 20 de fevereiro de 2016

“Equipa do World Tour pode custar 25 milhões/Exige grandes condições financeiras”

Por: Ana Paula Marques
Foto: Filipe Farinha
Muito se tem questionado por que Portugal não tem uma equipa do World Tour, face à quantidade e qualidade dos ciclistas nacionais. A primeira razão prende-se logo com o orçamento. O nosso país não tem condições financeiras para gastar por temporada qualquer coisa como 10 milhões de euros, e estamos a falar do orçamento mais baixo de uma equipa da denominada 1ª Divisão da UCI.
Porque, se nos referirmos às mais conceituadas, como uma Sky, Tinkoff, Katusha ou Astana, por exemplo, as verbas podem chegar aos 25 milhões. "Estes números podem parecer exagerados, mas comparados com o futebol são uma gota de água no oceano. O Real Madrid provavelmente paga apenas por ano a dois jogadores estes 25 milhões de euros", referiu José Azevedo, diretor-desportivo da equipa russa Katusha, que anda no pelotão desde 2009.
O português não tem dúvidas que o investimento que os patrocinadores fazem no ciclismo, principalmente no World Tour, compensa. "O retorno pode ser sete vezes mais. As transmissões televisivas, nomeadamente as internacionais, do Eurosport, chegam a todo o lado", sublinha Azevedo.

Vencimentos
Segundo um estudo realizado pela Ernst & Young, a média dos ordenados, por época, de um ciclista do World Tour ronda os 200 mil euros, o que dá pouco mais de 16 mil euros por mês. Isto é a média. Porque quando falamos dos melhores do Mundo, a fasquia é muito mais alta.
Ciclistas como Chris Froome, Vincenzo Nibali, Peter Sagan, Alberto Contador ou Joaquin Rodriguez usufruem de ordenados entre os 4 a 5 milhões de euros por época. Entre os 200 mil e este valor máximo encontram-se ciclistas do nível de Rui Costa, que podem auferir de 300 a 700 mil euros/ano. Em Portugal, o ordenado médio de um ciclista ronda os 1.000 euros/mês.

Fonte: Record on-line

“Boasson Hagen vence quinta etapa”

Foto: Eric Feferberg
O português Rui Costa segue em quinto lugar.
O norueguês Edvald Boasson Hagen (Dimension Data) venceu este sábado ao ‘sprint’ a quinta etapa da Volta a Omã em bicicleta, enquanto Rui Costa (Lampre-Merida) permanece no quinto lugar da prova liderada pelo italiano Vincenzo Nibali (Astana).
Boasson Hagen, que tinha vencido a etapa de quinta-feira, impôs-se hoje perto da chegada, instalada junto ao Ministério do Turismo de Omã, ao belga Greg Van Avermaet (BMC) e ao italiano Marco Canola (UnitedHealthcare), ao concluir os 119,5 quilómetros desde Al Sifah em 3:05.32 horas.
Nibali, que tinha assumido a liderança na sexta-feira, foi o 12.º a cruzar a meta, com o mesmo registo dos primeiros classificados, tal como Rui Costa, que terminou a tirada no 20.º posto.
O italiano, vencedor do Tour2014, do Giro2013 e da Vuelta2010, continua com 15 segundos de vantagem sobre o francês Romain Bardet (AG2R) e 24 sobre o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana). Rui Costa segue no quinto lugar, a 54 segundos de Nibali.
Mário Costa (Lampre-Merida) foi hoje o 64.º a concluir a etapa, a 5.41 de Boasson Hagen, e ocupa o 60.º lugar da geral, a 20.19 minutos do líder.
A sétima edição da Volta a Omã termina no domingo, com os 130,5 quilómetros entre The Wave Muscat e Matrah Corniche, em Mascate.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Nelson em 5.º gostou das sensações no Algarve/Após o contrarrelógio”

Foto: Filipe Farinha
Nelson Oliveira mostrou em Sagres o porquê de ser o melhor contrarrelogista português e já um dos melhores do Mundo. Perante um lote onde pontificavam campeões do Mundo e olímpicos, bem como recordistas da hora, o ciclista da Movistar foi o 5º mais rápido, a 37 segundos de Cancellara.
"Não correu assim tão mal. As sensações foram boas, depois do dia duro de ontem [etapa da Fóia]. Algum vento na parte inicial, mas estou satisfeito, pois também estou a adaptar-me a uma nova bicicleta." Recorde-se que Nelson Oliveira deixou a Lampre para ingressar na Movistar.
Menos satisfeito estava Tiago Machado. Partiu para a etapa no 5º posto da geral, só que após o ‘crono’ de Sagres (foi 25º) baixou ao 7º, mas continua a ser o melhor português. "Foi uma etapa dura, não correu tão bem como desejava. Mas dei o meu melhor e quando assim é posso estar tranquilo." Amanhã, há ainda o Malhão para fechar as contas da 42ª Volta ao Algarve. "Primeiro vamos passar a etapa de amanhã [hoje]."
Quem tentará no Malhão estar na frente é André Cardoso (Cannondale), 24º da geral, depois do 122º (a 3.27 m), uma etapa onde não está como peixe na água. "A subida do Malhão é mais adequada às minhas características. Correr no nosso país é motivante."
Fonte: Record on-line

“Van Garderen sobe à liderança da Volta à Andaluzia”

Foto: Lusa
No domingo, realiza-se a quinta e última etapa da 62.ª edição da Volta à Andaluzia
O norte-americano Tejay van Garderen (BMC) assumiu este sábado a liderança da Volta à Andaluzia em bicicleta, ao vencer o contrarrelógio da quarta etapa, concluindo o percurso de 21 quilómetros, em Alhaurín de la Torre, em 27.05 minutos.
Tejay van Garderen gastou menos dois segundos do que o holandês Wilco Kelderman (LottoNL-Jumbo) e menos sete do que o francês Jérome Coppel (IAM Cycling), segundo e terceiro classificados no contrarrelógio, respetivamente.
O norte-americano ‘destronou’ da liderança o britânico Ben Swift (Sky) e dispõe agora de dois segundos de vantagem na classificação geral sobre Kelderman.
No domingo, realiza-se a quinta e última etapa da 62.ª edição da Volta à Andaluzia, uma viagem de 164,2 quilómetros entre San Roque e o alto de Peñas Blancas, em Estepona, que foi palco de um final de etapa na Vuelta2013, com uma subida de 14,5 quilómetros e uma inclinação média de 6,2%.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Geraint Thomas confiante para o alto do Malhão”

Foto: ADRIAN DENNIS / AFP
Brtiânico está a três segundos do líder da prova Tony Martin.
O ciclista britânico Geraint Thomas (Sky) mostrou-se hoje confiante de que, no domingo, poderá sair do Alto do Malhão (Monchique) com o seu segundo título consecutivo na Volta ao Algarve.
“Estou ansioso por amanhã (domingo). A equipa está forte, penso que vamos fazer um bom trabalho”, disse o segundo classificado da geral individual, que é o detentor da ‘Algarvia’, após a conclusão da quarta etapa.
Consideravelmente melhor escalador do que o camisola amarela Tony Martin (Etixx-QuickStep), de quem está a apenas três segundos, Thomas foi apontado pelo alemão como o grande favorito ao triunfo final.
“É simpático da parte do [Tony] Martin considerar-me o favorito. Ele já ganhou aqui duas vezes, não precisa de ser ganancioso e bem pode deixar-me ganhar amanhã (domingo)”, disse o galês, com o seu caraterístico sentido de humor.
Thomas espera ter “boas pernas” na subida final ao Malhão, a contagem de segunda categoria que decidirá no domingo a 42.ª Volta ao Algarve, no final dos 169 quilómetros com início em Almôdovar.
“Vou ver como me saio, mas diria que, em termos de confiança, numa escala de 0 a 10, estou com 10”, concluiu.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“Volta ao Algarve/EFAPEL em controlo na penúltima etapa”

Daniel Mestre mantém lugar entre os 30 primeiros.
A penúltima etapa da Volta ao Algarve ligou São Brás de Alportel e Tavira e ficou marcada por uma chegada ao sprint em que a equipa de ciclismo EFAPEL controlou e manteve Daniel Mestre entre o top-30 da classificação geral. Amanhã, a equipa enfrenta mais uma etapa dura com chegada ao espectacular e exigente Alto do Malhão.
A etapa de hoje teve 194 quilómetros em mais um excelente teste para a equipa EFAPEL que pôde dar mais ritmo competitivo aos oito ciclistas presentes. Depois de três dias tão diferentes, este foi o primeiro em que o perfil de uma etapa se repetiu e as sensações voltaram a ser boas.
“Está tudo a correr dentro do planeado a nível desportivo. Infelizmente, três atletas nossos estiveram envolvidos numa queda que aconteceu a cerca de dez quilómetros do final. Apesar do atraso, nenhum sofreu consequências físicas, que era a nossa principal preocupação”, afirmou o director desportivo, Américo Silva.
Amanhã, a Volta ao Algarve ruma ao Alentejo para a partida da derradeira etapa. O pelotão sai de Almodôvar e ruma ao Alto do Malhão. Pela frente tem 169 quilómetros com duas metas volante, duas montanhas de terceira categoria e mais duas de segunda, sendo que uma coincide com a meta.
Classificação na etapa 4 da Volta o Algarve
    Marcel Kittel            Etixx - Quickstep            4h46m35s
    Wouter Wippert        Cannondale                mt
    Jens Debusschere        Team Sky                mt
32º    Daniel Mestre            EFAPEL                mt
45º    Rafael Silva            EFAPEL                mt
65º    Nuno Almeida        EFAPEL                mt
98º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt
113º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt
160º    Jóni Brandão            EFAPEL                a 1m55s
163º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 2m12s
165º    Hélder Ferreira        EFAPEL                a 2m40s
Classificação após a etapa 4 da Volta ao Algarve
    Tony Martin            Ettixx - Quickstep            14h08m57s
    Geraint Thomas        Team Sky                a 3s
    Ion Izaguirre            Movistar                a 20s
28º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 3m50s
73º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 12m23s
83º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 14m30s
116º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 23m42s
133º    Rafael Silva            EFAPEL                a 25m41s
135º    Jóni Brandão            EFAPEL                a 25m59s
136º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 26m04s
161º    Hélder Ferreira        EFAPEL                a 32m33s
 
Ecomobile - Aluguer de Automóveis
A Ecomobile é um operador de aluguer de automóveis que tem inúmeras soluções de mobilidade para as sua necessidades. Com uma frota moderna e económica, apresenta um variado leque de modelos, seja de passageiros ou mercadorias e um acompanhamento próximo, com 24 horas de assistência, serviço rápido e personalizado, sem extras e/ou taxas adicionais e promoção do meio ambiente. A Ecomobile está em Aveiro, Arrifana, Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Espinho, no Aeroporto Internacional Francisco Sá Carneiro (Maia/Porto) e em www.ecomobile.pt.
Vitalis
A única água mineral sem gás com 15 medalhas de ouro, a Vitalis é a água oficial da equipa profissional de ciclismo EFAPEL. Com uma história ligada ao desporto, é o elemento mais importante para a hidratação dos ciclistas da formação de Ovar e é conhecida pela sua leveza, pureza, naturalidade e um sabor único.
Fonte: Efapel

“42.ª Volta ao Algarve/Marcel Kittel triunfa em Tavira e recebe banho de multidão”

Milhares de pessoas assistiram hoje, em Tavira, à vitória do alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) na quarta etapa da Volta ao Algarve, uma longa viagem de 194 quilómetros, que se iniciou em S. Brás de Alportel. Tony Martin (Etixx-QuickStep) continua no comando da classificação geral.
A quinta vitória de Marcel Kittel na época de 2016 foi conseguida da forma que o germânico mais gosta, ao sprint. Numa longa reta, ascendente, ladeada por milhares de adeptos, Marcel Kittel impôs-se com autoridade, relegando o holandês Wouter Wippert (Cannondale) para o segundo lugar e o belga Jens Debusschere (Lotto Soudal) para o terceiro posto. Vítima de queda, a cerca de 40 quilómetros do final, André Greipel (Lotto Soudal) não pôde discutir a etapa. O melhor português foi Samuel Caldeira (W52-FC Porto), nono classificado.
Marcel Kittel prolongou o domínio alemão em Tavira, já que as últimas três vitórias de etapa na cidade do Gilão também pertenceram a corredores germânicos: André Greipel, em 2011, Gerald Ciolek, em 2012, e Tony Martin, em 2013.
“Não tenho palavras para expressar o orgulho que sinto. As duas vitórias no Algarve foram muito boas. Hoje fizemos um excelente trabalho. Podemos estar super orgulhosos pela nossa prestação no Algarve. Vi o André [Greipel] cair, espero que esteja tudo bem”, afirmou Marcel Kittel.
Desta feita Tony Martin não venceu, mas nem por isso deixou de ter motivos para celebrar. Subiu ao pódio para envergar a camisola amarela Cyclin’Portugal que levará no corpo, neste domingo, para a quinta e última etapa da Volta ao Algarve. O galês Geraint Thomas (Sky), dono da camisola azul Liberty Seguros, de melhor trepador, é o segundo classificado, apenas a 3 segundos, e é o mais forte candidato a conquistar a geral individual.
"O final foi tranquilo. Cheguei relaxado, a nossa equipa conseguiu controlar tudo. Nos últimos 20 quilómetros, o pelotão estava bastante nervoso mas soubemos nos organizar e levar o Marcel [Kittel] à vitória. Amanhã sei que não será fácil. Tentarei manter-me com o [Geraint] Thomas e ver como me aguento. Tenho tido boas sensações mas só amanhã é que posso confirmar como realmente estou", declarou o líder.
"Estou ansioso por amanhã. A equipa está forte, penso que vamos fazer um bom trabalho. É simpático da parte do [Tony] Martin considerar-me o favorito, ele que aqui já ganhou duas vezes. Não precisa de ser ganancioso e bem pode deixar-me ganhar amanhã. Espero ter boas pernas na subida final ao Malhão. Vou ver como me saio, mas diria que, em termos de confiança, numa escala de zero a dez, estou com dez", avançou Geraint Thomas.
Outro aspirante de peso ao amarelo da glória é o basco Ion Izagirre (Movistar), terceiro classificado, a 20 segundos. Tiago Machado (Katusha), sétimo classificado, a 59 segundos da liderança, é o melhor português. Seguem-se Nelson Oliveira (Movistar), 11.º, a 1m09s, e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), 14.º, a 1m33s.
A Katusha comanda por equipas, Marcel Kittel enverga a camisola verde Turismo do Algarve, de líder por pontos, e o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal) parte a última ligação com a camisola branca Fundação do Desporto, símbolo de melhor jovem.
A 42.ª Volta ao Algarve termina neste domingo com uma jornada que se adivinha de apoteose. Os corredores vão percorrer 169 quilómetros, entre Almodôvar e o alto do Malhão, em Loulé. A meta coincide com uma contagem de montanha de segunda categoria. A tirada termina na segunda passagem pelo Malhão. Os derradeiros 50 quilómetros são de constante sobe e desce, prestando-se a ataques.
Domingo será também dia de Algarve Granfondo, prova aberta a amadores, que tem início e final em Loulé. Vão participar 700 ciclistas, que terminarão a tempo de se deslocarem para o Malhão, engrossando a multidão esperada na mítica subida algarvia. Os dados estão lançados para uma imensa festa de ciclismo.
Classificações/Results
4.ª Etapa/4th Stage: S. Brás de Alportel - Tavira, 194 km
1. Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), 4h46m35s
2. Wouter Wippert (Cannondale), mt
3. Jens Debusschere (Lotto Soudal), mt
4. Jonas van Genechten (IAM Cycling), mt
5. José Joaquim Rojas (Movistar), mt
6. Andrea Pasqualon (Roth Team), mt
7. Phil Bauhaus (Bora-Argon 18), mt
8. Dylan Groenewegen (Lotto NL-JUmbo), mt
9. Samuel Caldeira (W52-FC Porto), mt
10. Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), mt
Geral/General
1.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), 14h08m57s
2.º Geraint Thomas (Sky), a 3s
3.º Ion Izagirre (Movistar), a 20s
4.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 41s
5.º Thibaut Pinot (FDJ), a 47s
6.º Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 52s
7.º Tiago Machado (Katusha), a 59s
8.º Ilnur Zakarin (Katusha), a 1m04s
9.º Jarlinson Pantano (IAM Cycling), a 1m05s
10.º Alberto Contador (Tinkoff), a 1m07s
Fonte: FPC