quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

“Rui Costa sobe ao sexto lugar em Omã”

Foto: FRED TANNEAU / AFP
O ciclista português consolida o seu arranque de época e viu Alexander Kristoff vencer a terceira etapa da prova.
O ciclista norueguês Alexander Kristoff (Katusha) venceu hoje a terceira etapa da Volta a Omã, que continua a ser liderada pelo Edvald Boasson Hagen (Dimension Data) e na qual o português Rui Costa (Lampre-Merida) subiu ao sexto lugar.
Rui Costa foi o 28.º classificado na tirada que ligou Al Sawadi Beach a Naseem Park, na extensão de 176,5 quilómetros, com o mesmo tempo de Kristoff, que se impôs ao ‘sprint’ com o tempo de 4:03.22 horas.
O norueguês bateu sobre a linha da meta o holandês Moreno Hofland (Team Lotto-Jumbo) e o belga Roy Jans (Wanty-Groupe Gobert), que terminaram no segundo e terceiro lugares, respetivamente.
Hagen continua no comando da classificação geral, com quatro segundos de vantagem sobre o italiano Vincenzo Nibali (Astana), segundo posicionado, enquanto Rui Costa subiu do oitavo para o sexto posto, a 10 segundos do norueguês.
Mário Costa (Lampre-Merida), o outro ciclista português presente da prova, cruzou a meta na 47.ª posição, com o mesmo tempo de Kristoff, ocupando o 101.º lugar da geral individual, a 10.32 minutos de Hagen.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Volta à Andaluzia: Bouhanni vence etapa e assume liderança”

Francês da Cofidis triunfa em Córdoba
Autor: Lusa
Foto: EPA
O ciclista francês Nacer Bouhanni (Cofidis) ascendeu esta quinta-feira à liderança da Volta à Andaluzia, ao vencer ao sprint a segunda etapa da prova espanhola, disputada entre Palomares del Rio e Córdoba.
O antigo campeão francês cumpriu os 186,3 quilómetros da tirada em 4:39.33 horas, batendo sobre a linha de meta o italiano Fabio Felline (Trek) e o britânico Ben Swift (Sky), segundo e terceiro classificados, respetivamente.
Bouhanni, de 25 anos, tinha terminado a etapa inaugural na sexta posição e subiu agora ao comando da geral individual, desalojando do topo da classificação o italiano Daniele Bennati (Tinkoff).
Na sexta-feira realiza-se a terceira etapa da Volta à Andaluzia, entre Monachil e Padul, na extensão de 157,9 quilómetros, destacando-se três subidas de segunda categoria, a última das quais a 15 quilómetros da meta.
Fonte: Record on-line

“Joaquin Rodríguez abandona Volta ao Algarve/A 20 km da meta da 2.ª etapa"

Por: Ana Paula Marques
Foto: Reuters
Joaquin Rodríguez (Katusha) abandonou esta quinta-feira a Volta ao Algarve a 20 quilómetros da meta da 2.ª etapa que hoje ligou Lagoa ao Alto da Fóia.
O ciclista espanhol, um dos favoritos à vitória na etapa desta quinta, já havia perdido cerca de 1 minuto e meio na etapa de ontem.
Recorde-se que, na véspera do arranque da prova, Rodríguez sentira-se indisposto.

“Luis Léon Sánchez: «Foi uma etapa muito rápida e muito dura»

Autor: Lusa
Foto: Filipe Farinha
Vencedor da 2.ª etapa da Volta ao Algarve classificou o desenrolar da mesma,
Luis Léon Sánchez venceu a segunda etapa da Volta ao Algarve e lidera a prova. O corredor da Astana diz-se "contente" por vencer numa chegada em montanha.
"Foi uma etapa muito rápida e muito dura. A Tinkoff impôs um ritmo forte para a fuga não ganhar mais de dois minutos. Começámos a etapa de hoje com menos dois corredores, por um vírus que anda por aí e nos afetou, como afetou outras equipas, mas procurámos estar em maioria no final e foi isso que aconteceu. O [Paolo] Tiralongo fez um excelente trabalho para chegarmos na frente no alto. Sabíamos que vínhamos bem. Estou contente por ganhar uma chegada de montanha, embora este final não fosse para puros escaladores, mas sim para ciclistas potentes como eu ou o [Geraint] Thomas".
Sobre a terceira tirada, Léon Sánchez assume que não está talhada para as suas características.
"Só penso em recuperar para amanhã, sei que não é um percurso mau para mim. Vou tentar não perder a vantagem para os meus adversários. É um 'crono' bom no qual o vento tem influência. Quando te dão uma oportunidade como me deram na Astana há que dar o melhor. Estou muito agradecido".
Fonte: Record on-line


“Ivan Basso fala em motivação para superar cancro”

Por: Ana Paula Marques
Foto: Filipe Farinha
Diretor-desportivo da Tinkoff está na Volta ao Algarve, Basso com o português Sérgio Paulinho, ciclista da equipa da qual o italiano é diretor-desportivo.
Foi um dos grandes nomes do pelotão mundial até colocar em 2015 a bicicleta de lado devido a doença. Um cancro inesperado nos testículos, já debelado, acabou por precipitar o adeus de Ivan Basso à competição. Encontrámo-lo esta quinta-feira de manhã em Lagoa, na partida da segunda etapa da Volta ao Algarve, onde faz a estreia como diretor-desportivo da Tinkoff. Bem disposto, muito afável, o italiano, 38 anos, revelou como se superar uma doença que, num primeiro impacto, o que vem à cabeça é a palavra morte.
"Motivação e muito otimismo. É o mais importante para te ajudar. É uma doença que toca no coração de quem a tem, de quem lhe está próximo. Felizmente a medicina hoje está muito mais avançada", disse.
Depois de muitos anos em cima da bicicleta, Ivan Basso faz parte agora da estrutura técnica da Tinkoff, a última equipa onde correu. "Para mim é uma coisa nova, é mais um momento da minha carreira, da minha vida. Vou desfrutar ao máximo disto tudo", confessou Basso, admitindo ser uma mais valia para os ciclistas da equipa e um grande apoio sobretudo para o amigo Alberto Contador. "Tenho uma relação muito estreita com ele. Tentarei ajudá-lo ao máximo, a ele e a todos os outros para conseguirmos o objetivo". Objetivo esse que passa pois pela conquista da Volta a França.
É um exemplo a seguir no modo como lidou com a doença? "Tento colocar toda a minha paixão no trabalho. Tento não cortar radicalmente com o que fiz no passado como ciclista e agora apreender ao máximo nas novas funções da minha carreira".
Fonte: Record on-line

“EFAPEL supera a montanha na etapa rainha”

Daniel Mestre foi o ciclista melhor colocado no Alto da Fóia
A equipa profissional de ciclismo EFAPEL enfrentou as primeira dificuldades de montanha da temporada. Em dia de etapa rainha na Volta ao Algarve, o pelotão percorreu quase 200 quilómetros e escalou quatro montanhas - duas de terceira, uma de segunda e uma de primeira categoria - entre Lagoa e o Alto da Fóia. Daniel Mestre foi o melhor representante da equipa numa jornada em que o principal objectivo da equipa era avaliar o comportamento dos ciclistas nas dificuldades com um perfil mais inclinado.
Para o director desportivo, Américo Silva, a etapa correu dentro do que tinha sido definido antes da partida. “Foi uma boa prestação. É bom ver o trabalho das novas contratações e, neste caso em particular, do Daniel Mestre que mostra estar já a atravessar um bom momento de forma. Se não fosse ter ficado um pouco desidratado, não tenho dúvidas que o resultado teria sido ainda melhor”, afirmou o responsável.
Com dois dias de prova, os oito ciclistas da EFAPEL já se puseram à prova em dois tipos de terrenos muito distintos. Ontem foi um dia para rolar e hoje já para subir. Amanhã, novo teste. É o momento em que o esforço é individual. Pela frente, está um contra-relógio com partida e chegada em Sagres. São 18 quilómetros a pedalar isoladamente e em que o vento pode ter um papel preponderante para o resultado.
Classificação na etapa 2 da Volta o Algarve
    Luis Leon Sanchez        Astana                    5h08m25s
    Geraint Thomas        Team Sky                a 1s
    Primoz Roglic            Lotto - Jumbo                a 3s
33º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 2m05s
81º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 9m41s
84º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 10m03s
116º    Jóni Brandão            EFAPEL                a 20m37s
117º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt
122º    Filipe Cardoso        EFAPEL                mt
141º    Rafael Silva            EFAPEL                a 22m11s
155º    Hélder Ferreira        EFAPEL                a 24m49s
Classificação após a etapa 2 da Volta ao Algarve
    Luis Leon Sanchez        Astana                    9h00m50s
    Geraint Thomas        Team Sky                a 5s
    Primoz Roglic            Lotto - Jumbo                a 9s
33º    Daniel Mestre            EFAPEL                a 2m15s
78º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 9m51s
82º    Nuno Almeida        EFAPEL                a 10m31s
116º    Jóni Brandão            EFAPEL                a 20m47s
117º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt
120º    Filipe Cardoso        EFAPEL                a 21m05s
133º    Rafael Silva            EFAPEL                a 22m21s
159º    Hélder Ferreira        EFAPEL                a 25m37s
 Fullwear
“A tua segunda pele”. O lema da Fullwear diz tudo. Empresa especializada na concepção e na fabricação de equipamentos técnicos para ciclismo, atletismo, duatlo, triatlo ou mesmo motociclismo. A marca alia várias características importantes para a prática da modalidade cumprindo sempre os mais altos padrões de qualidade. Atualmente a Fullwear possui uma vasta equipa de trabalho que acumula uma grande experiência adquirida ao longo dos anos e dos milhares de projectos já desenvolvidos.
Os ciclistas da EFAPEL utilizam equipamentos Fullwear com as mais recentes tecnologias. A gama Proline é a junção dos melhores materiais com as mais avançadas técnicas de construção e resulta num excelente equipamento. É aplicada a tecnologia Microfresh, composta por microfibras que melhoram o conforto do atleta. Foi desenvolvida para dispersar o suor e as concentrações de calor corporal do atleta. Para além disso, seca rapidamente.
Fonte; Efapel

“42.ª Volta ao Algarve/Luis León Sánchez triunfa na Fóia”

O espanhol Luis León Sánchez (Astana) é o novo camisola amarela da Volta ao Algarve, graças ao triunfo, hoje, no alto da Fóia, em Monchique, onde terminou a segunda etapa, depois de percorridos 198,6 quilómetros desde Lagoa.
A etapa foi movimentada de princípio a final, com uma fuga de sete corredores que vigorou até à chegada das grandes dificuldades, nos últimos 35 quilómetros. As equipas dos candidatos mexeram com a corrida na subida de segunda categoria da Pomba e nas rampas da Fóia, mas só nos últimos mil metros se deram os ataques que decidiram a tirada.
Luis León Sánchez foi o mais forte, mas teve forte oposição do vencedor da Volta ao Algarve do ano passado, o galês Geraint Thomas (Sky), que gastou apenas mais 1 segundo. O esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo) bateu o basco Ion Izagirre (Movistar) ao sprint, conseguindo a terceira posição, a 3 segundos do vencedor.
Esta tirada, considerada a etapa rainha da prova, fez a primeira seleção, mas deixou tudo em aberto na luta pela camisola amarela Cyclin’Portugal, tal como era esperado pela organização. Luis León Sánchez assumiu a dianteira, estando Thomas a 5 segundos e Roglic a 9 segundos.
“Foi uma etapa muito rápida e muito dura. A Tinkoff impôs um ritmo forte para a fuga não ganhar mais de dois minutos. Começámos com menos dois corredores, por um virus, que nos afectou, mas procurámos estar em maioria no final. O Tiralongo fez um excelente trabalho para chegarmos na frente no alto. Sabíamos que vínhamos bem, estou contente por ganhar uma chegada de montanha, embora este final não fosse para puros escaladores mas sim para ciclistas potentes como eu ou o Thomas. Só penso em recuperar para amanhã, sei que não é um percurso mau para mim. Vou tentar não perder a vantagem para os meus adversários. É um crono bom no qual o vento tem influência. Quando te dão uma oportunidade como me deram na Astana há que dar o melhor. Estou muito agradecido”, afirmou Luis León Sánchez.
O corredor espanhol não terá missão fácil para defender o comando, já que entre os dez mais da geral há vários homens com capacidade para fazer a diferença, tanto no contrarrelógio desta sexta-feira como na última etapa, no domingo, com final no alto do Malhão, em Loulé. Até ao 16.º, Fabio Aru (Astana), a diferença para a camisola amarela é inferior a meio minuto, o que prenuncia uma reta final de competição extremamente emocionante.
Dois portugueses estão bem colocados para disputar o protagonismo com a armada forasteira. Tiago Machado (Katusha), que foi quinto na Fóia e ocupa a mesma posição na geral, a 15 segundos do comandante, e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), sétimo na etapa e na geral, a 19 segundos de León Sánchez.
O líder da geral individual saiu de Monchique também em posse da camisola verde Turismo do Algarve, símbolo da liderança por pontos, e da camisola azul Liberty Seguros, que distingue o melhor trepador. O melhor jovem é o espanhol Hector Saez, ciclista da Caja Rural-Seguros RGA, equipa que encima a tabela coletiva.
A terceira etapa da Volta ao Algarve é o contrarrelógio individual de 18 quilómetros, que se disputa nesta sexta-feira, com partida e chegada em Sagres. O russo Viktor Manakov (Gazprom-RusVelo) é o primeiro homem a ir para a estrada, às 12h30. Luis León Sánchez parte às 15h28.
Etapa/Stage
1. Luis León Sánchez (Astana), 5h08m25s (Média: 38,636 km/h)
2. Geraint Thomas (Sky), a 1s
3. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 3s
4. Ion Izagirre (Movistar), mt
5. Tiago Machado (Katusha), a 5s
6. Thibaut Pinot (FDJ), mt
7. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 9s
8. Hector Saez (Caja Rural-Seguros RGA), a 13s
9. Tiesj Benoot (Lotto Soudal), mt
10. Fabio Aru (Astana), a 15s
Geral/General
1. Luis León Sánchez (Astana), 9h00m50s
2. Geraint Thomas (Sky), a 5s
3. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 9s
4. Ion Izagirre (Movistar), a 13s
5. Tiago Machado (Katusha), a 15s
6. Thibaut Pinot (FDJ), mt
7. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 19s
8. Hector Saez (Caja Rural-Seguros RGA), a 23s
9. Tiesj Benoot (Lotto Soudal), mt
10. Jarlison Pantano (IAM Cycling), a 25s
Fonte: FPC