segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

“Tiago Machado 17.º na Austrália/Na clássica Cadel Evans (174 km)”

Foto: Simão Freitas

Tiago Machado (Katusha) despediu-se da Austrália com um 17º lugar na clássica Cadel Evans (174 km), que homenageia o ex-ciclista que encerrou a carreira há um ano. O português cortou a meta integrado no pelotão, que se viu surpreendido pelo campeão britânico Peter Kennaugh (Sky), que atacou a 12,5 km da meta, para vencer com 6 segundos de avanço.

O Challenge de Maiorca terminou com mais uma vitória, ao sprint, do alemão Andre Greipel (Lotto Soudal), que bateu em Palma o francês Nacer Bouhanni (Cofidis) e o suíço Dylan Page (Roth), colega de equipa de Bruno Pires.

O último troféu do Challenge de Maiorca contou com a presença de dois portugueses: Domingos Gonçalves e Ricardo Vilela, ambos da Caja Rural. Cortaram a meta com o mesmo tempo de Greipel, em 37º e 77º, respetivamente.
Fonte: Record on-line

“Adriano Malori apresenta melhorias”



Foto: Lusa
O ciclista transalpino sofreu um traumatismo cranioencefálico na sequência de uma queda.
O ciclista italiano Adriano Malori continua internado numa clínica de Buenos Aires, na sequência de uma queda no Tour de San Luis, mas o seu estado de saúde está a melhorar progressivamente, informaram os organizadores da prova argentina.
“Malori regista progressos muito bons. Está continuamente a melhorar. Falei hoje de manhã com a sua mãe e estão muito contentes, porque teve ótimos indícios de recuperação”, disse à Agência Efe Gabriel Curuchet, um dos organizadores do Tour de San Luis.
O campeão italiano de contrarrelógio sofreu uma queda grave durante a quinta etapa da competição argentina, que lhe provocou um traumatismo cranioencefálico.
Depois do acidente, o ciclista da Movistar foi internado num hospital da província central argentina e induzido em estado de coma, tendo sido transferido a 26 de janeiro para uma clínica especializada de Buenos Aires, a fim de ser submetido a exames médicos “mais precisos, com técnicas e instrumentos não disponíveis na clínica de San Luis”.
“O coma induzido foi só para o proteger do golpe na cabeça, foi algo feito como prevenção. [Malori] não está em coma, nem nada do género. Está em recuperação. Hoje a mãe comentou-me que estão a avaliar a possibilidade de este regressar a Itália”, acrescentou Curuchet.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Eddy Merckx pede afastamento de ciclistas envolvidos em doping mecânico”

Foto: ERIC FEFERBERG / AFP
O antigo ídolo do ciclismo belga defende que o 'doping mecânico' é a "forma mais descarada e grave de batota".
O belga Eddy Merckx, um dos maiores ciclistas da história, defendeu que os corredores que usem dopagem mecânica devem ser irradiados do desporto, uma vez que, na sua opinião, este delito é pior do que a dopagem comum.
“Para mim, têm de irradiá-los. Pelo que vi na televisão, não foi a primeira vez que aconteceu. Isto é o pior que se pode fazer, é o mesmo que ir de mota”, disse Merckx ao site especializado Cyclingnews, na sequência da investigação iniciada pela União Ciclista Internacional (UCI) à sub-23 belga Femke Van den Driessche por fraude tecnológica.
No sábado dia 30 de janeiro, durante os Mundiais de ciclocrosse, os comissários da UCI detetaram um pequeno motor na bicicleta da corredora, que ironicamente tinha desistido da prova por problemas mecânicos.
Para o ciclista mais laureado da história, o doping mecânico constitui uma forma mais descarada e grave de batota do que a dopagem química, pelo que a sanção a aplicar aos prevaricadores deve ser mais dura.
“Para mim é pior que a dopagem. Proporciona-lhes mais 50 watts, ou até 100, depende. Isso não tem nada a ver com ciclismo, é motociclismo. Deveriam ir competir com o Valentino Rossi”, sustentou.
Questionado sobre se o caso de Van den Driessche é simplesmente a ponta do iceberg, Merckx retirou importância aos rumores de que esta é uma prática comum no pelotão profissional, considerando que este é um incidente isolado.
“Não acredito que haja muitos [ciclistas] tão estúpidos para fazer algo do género. Isto só pode acontecer com corredores sem experiência. O que aconteceu é muito mal para o ciclismo”, reforçou.
Segundo os regulamentos da UCI, a jovem belga arrisca uma suspensão mínima de seis meses.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Mundiais de 2018 vão ser disputados em Innsbruck”


Cidade austríaca de Innsbruck vai receber os Mundiais de ciclismo de estrada de 2018.
Os Mundiais de ciclismo de estrada de 2018 vão ser disputados na cidade austríaca de Innsbruck, anunciou a União Ciclista Internacional (UCI), na sequência da primeira reunião anual, tida em Heusden-Zolder, na Bélgica.
A competição vai decorrer pela terceira vez em solo austríaco, depois das edições de 1987, em Villach, e de 2006, em Salzburgo.
“Não tenho dúvidas de que Innsbruck vai providenciar um fantástico e desafiante percurso para os corredores competirem, além de ser um cenário magnífico para proporcionar uma experiência única aos espetadores”, afirmou o presidente da UCI, Brian Cookson.
Antes, os Campeonatos do Mundo de estrada vão ser disputados em Doha, no Qatar, em 2016, e em Bergen, na Noruega, em 2017.
Além dos Mundiais de estrada de 2018, a UCI decidiu ainda atribuir a organização do Mundial de ciclocrosse do mesmo ano à cidade holandesa de Valkenburg, as edições de 2016, 2017 e 2018 dos Mundiais de ciclocrosse de masters à localidade belga de Mol e a do presente ano de BTT de igual escalão aos italianos de Val di Sole.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“André Greipel arrecada Challenge de Marioca”


Foto: EPA/Yoan Valat
O português André Gonçalves (Caja Rural) ficou no 37.º posto.
O ciclista português André Gonçalves (Caja Rural) foi 37.º classificado no quarto e último troféu do Challenge de Maiorca, em Espanha, que consagrou o alemão André Greipel (Lotto) como vencedor da etapa e da competição.
O germânico foi o mais forte na chegada ao sprint, cumprindo os 161,5 quilómetros do Trofeo Playa de Palma em 3:50.53 horas, batendo o francês Nacer Bouhann (Cofidis) e o suíço Dylan Page (Team Roth).
André Gonçalves chegou com o mesmo tempo, tal como o seu colega de equipa Ricardo Vilela (Caja Rural), este no 77.º posto.
Com este triunfo, a somar ao do primeiro dos quatro troféus, André Greipel foi o vencedor do Challenge de Maiorca de 2016.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa