segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

“Hoje falamos de… Nuno José Ferreira e Sousa/Força de vontade, “Eu sou Diabético”

Texto: José Morais/com Nuno José Ferreira e Sousa

Fotos: Nuno Sousa/arquivo NP

Hoje falamos de… é um tema sem dúvida de grande interesse, é o relato de quem ama a bicicleta, e apesar de possuir uma das doenças sem dúvida de maior expressão a nível mundial, e qual podemos dizer uma doença da moda, Nuno José Ferreira e Sousa descobriu á cerca de dois anos, mais propriamente em março de 2014, que era Diabético Tipo 1, em principiou choque, mas depois, chegou á conclusão de que poderia fazer a sua vida normal, e praticar a modalidade de que mais adorava, o Btt, porque andar de bicicleta é para ele uma grande paixão.
Apesar de existir um mito da Diabetes de que a mesma coloca restrições a quem possui a doença, isso não é verdadeiro, e qualquer pessoa pode ter uma vida normal, fazendo aquilo de que gostas, porem terão de haver certos cuidados, e algumas restrições, principalmente nos novos hábitos alimentares que terá de fazer, de resto, toda a sua vida é normal.

E antes de sabermos a história do Nuno José Ferreira e Sousa, vamos conhecer um pouco esta doença, a Diabetes é sem dúvida uma das doenças mais diagnosticadas a nível mundial, são muitos os que sofrem da mesma, e o que é a Diabetes; “Diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz.
E o que é a insulina, é a hormona responsável pela redução da glicemia (taxa de glicose no sangue), ao promover o ingresso de glicose nas células. Esta é também essencial no consumo de carboidratos, na síntese de proteínas e no armazenamento de lipídios (gorduras). É produzida nas células beta das ilhotas de Langerhans, do pâncreas endócrino, age numa grande parte das células do organismo, como nas células presentes no fígado, em músculos e no tecido adiposo, apesar de não agir em células particulares como as células nervosas, quando a produção de insulina é deficiente, a glicose acumula-se no sangue e na urina, destruindo as células por falta de abastecimento.

O diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue, a glicose é a principal fonte de energia do organismo porém, quando em excesso, pode trazer várias complicações à saúde como por exemplo o excesso de sono no estágio inicial, problemas de cansaço e problemas físico-táticos em efetuar as tarefas desejadas, quando não tratada adequadamente, podem ocorrer complicações como ataque cardíaco, derrame cerebral, insuficiência renal, problemas na visão, amputação do pé e lesões de difícil cicatrização, dentre outras complicações.
Embora ainda não haja uma cura definitiva para a diabetes, há vários tratamentos disponíveis que, quando seguidos de forma regular, proporcionam saúde e qualidade de vida para o paciente portador.

Diabetes é uma doença bastante comum no mundo, especialmente na América do Norte e norte da Europa, acometendo cerca de 7,6% da população adulta entre 30 e 69 anos e 0,3% das gestantes, alterações da tolerância à glicose são observadas em 12% dos indivíduos adultos e em 7% das grávidas, porém estima-se que cerca de 50% dos portadores de diabetes desconhecem o diagnóstico, segundo uma projeção internacional, com o aumento do sedentarismo, obesidade e envelhecimento da população o número de pessoas com diabetes no mundo vai aumentar em mais de 50%, passando de 380 milhões em 2025.
Mas o que é insulina? É um hormônio que controla a quantidade de glicose no sangue. O corpo precisa desse hormônio para utilizar a glicose, que obtemos por meio dos alimentos, como fonte de energia.
Quando a pessoa tem diabetes, no entanto, o organismo não fabrica insulina e não consegue utilizar a glicose adequadamente. O nível de glicose no sangue fica alto -  a famosa hiperglicemia. Se esse quadro permanecer por longos períodos, poderá haver danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos.
E depois de um pequeno resumo da Diabetes, aqui fica o relato do Nuno José Ferreira e Sousa, de 37 anos de idade, nascido a 23 de outubro de 1978, na cidade de Leiria, em Portugal, e como hobbies favoritos tem a pratica de fazer desporto, na prática de Btt lazer e competição.

Eu sou Nuno José Ferreira e Sousa, e até ao início de 2013 tudo parecia correr de forma normal na minha  vida. Praticava algum desporto, como por exemplo o Futsal e também alguns passeios de Btt com os Amigos!
Em meados de 2013,tomei a decisão de tornar o Btt algo mais sério na minha vida! Pois a, pouco e pouco fui ficando cada vez mais fã ao ponto de deixar outras atividades desportivas!
Mas sem que com isso viesse comprometer a minha vida profissional ou pessoal!

Com isso, iniciei então uma alimentação mais cuidada, com o objetivo de perder uns kg! (prioridade de qualquer ciclista) Claro, também iniciei um plano de Treino Personalizado!
Início de 2014 decido então começar a participar em alguns eventos de Btt, algo mais sério, acontece que sim, tudo estava a correr bem, boas sensações uns resultados até interessantes e muita motivação!
Ao ponto de perceber que com mais treino a coisa podia melhorar!
Acontece que no início de Fevereiro de 2014, começo a perder imenso peso
(na verdade algo que desejava) mas assim tão facilmente parecia Milagre!
No fim se semana tinha prova, uma resistência de 3H, sentia-me "fininho" levezinho, tudo excelente para quem anda de  bicicleta!
Assim que se inicia a prova, tudo  normal, mas...passado 1H de prova comecei a sentir grande cansaço psicológico, falta de força e claro, muitas caibras, não aguentei mais e tomei a decisão de desistir, algo que nunca tinha acontecido antes, mesmo quando pesava perto de 100Kg.
Falei com o meu Treinador, achou um pouco estranho, mas  nada de alarmante, podia ser um dia menos bom, cansaço acumulado, entre muitas coisas!
Fui continuando com os treinos diários, mas não me sentia como antes, algo se passava.
Entretanto chegava assim a tão desejada Maratona do Centro a 23 de Março de 2013,tinha feito de tudo para chegar nas melhores condições possíveis, claro, para  tentar  fazer o meu melhor, como sempre fiz e faço e farei (mas sempre com o pensamento nos sintomas que por vezes surgiam)!

Inicia-se a prova, e voltamos ao mesmo, agora ainda mais cedo, á meia hora de prova já com caibras, sem força, com sono, sensações muito estranhas, ver participantes a passarem por mim que pareciam mais ir de mota do que de bicicleta, muitos deles nem pinta de ciclistas tinham (sem ofensa claro), nem pedais de encaixe usavam… e provavelmente só levavam capacete por ser obrigatório...
Para quem esperava fazer Top 25 acho que nem Top 75 fiz na meia Maratona! … Fui  para casa triste, desmotivado, e mais que isso, a minha visão parecia baça, parecia só ver nevoeiro! (pensei que devido ao facto de ter feito a prova sem óculos e devido a sujidade pudesse acontecer isso)
Liguei  para o meu Treinador, expliquei-lhe toda a situação!
Aconselhou-me então a fazer análises clínicas, pois  provavelmente estaria com algum valor descompensado.  (pois duas provas assim a correr mal algo se passava).
E assim foi!
Logo na Segunda-feira fiz análises por volta das 8H da manhã, por volta das 11H o telemóvel toca, era um número de telefone fixo (estranho) atendi, e perguntaram se era o Nuno Sousa que falava!
Eu disse: Sim sou, sou eu.
A senhora disse que falava do laboratório de análises Clínicas, e perguntou se eu era Diabético...
Eu respondi até com um sorriso: Não, não sou, mas porquê?
Responde a Srª: Porque a sua glicémia de jejum está a 270 Mg/DL quando deveria estar entre os 70MG/DL e 100MG/DL!
Nesse instante mesmo sem saber minimamente o que era a Diabetes (porque só o nome assusta), fez com que me "caísse" o Mundo em cima…completamente!
Pensei que tudo iria acabar para mim, e que não iria mais ter  uma vida perfeitamente normal e ativa como sempre tinha tido!
Por iniciativa própria desloquei-me ao Hospital às Urgências, pois queria saber o que se estava a passar ao certo! 
Nas Urgências durante a triagem, expliquei a minha situação, mediram a minha glicemia, e claro, já não estava nos 270MG/DL mas sim nos 360MG/DL pois tinha tomado o pequeno-almoço!
Portanto, já não saí do hospital, fiquei internado 5  dias!
Nesses 5 dias fui sujeito a dezenas de exames, na qual estava tudo bem, pois não havia mazelas causadas pelas inúmeras Hiperglicemias, que por sinal já vinham acontecer a algum tempo, atendendo a Hemoglobina Glicada que se situava nos 11,que numa pessoa "normal" se situa nos 5.7!
Durante o tempo que estive internado, os Médicos/Nutricionistas explicaram me como devia fazer, como medir a Glicémia, alimentação mais saudável, e claro, o mais importante... " A Diabetes não te vai retirar nada de nada a tua vida, nem a Bicicleta"
Disse a Dr.ª (Uma excelente noticia)
Portanto, já as análises confirmavam ser Diabético Tipo 1!
Só tive que ACEITAR e me mentalizar, pois não havia outra saída, até porque ainda não há "cura" para a diabetes!
Quando saído Hospital simplesmente  limitei-me a conhecer  o máximo de pessoas possíveis com esta patologia, PRINCIPALMENTE AS QUE PRATICAVAM DESPORTO,INCLUSIVE PROFISSIONAIS, para aprender rapidamente a saber enfrentar as  dificuldades iniciais (desde já agradeço a todos os que me ajudaram) em especial ao Carlos Farinha.
A pouco-e-pouco fui dizendo aos meus amigos mais chegados e familiares, e claro com o passar do tempo tudo se vem a saber como é normal!
No início custa um pouco falar da patologia, até porque é algo que nos põe um pouco sépticos relativamente às reações que poderemos vir a ter das pessoas que nos rodeiam, até porque para elas é algo de novo, e, infelizmente o conhecimento da patologia ainda é um pouco desconhecida na sociedade.
Presentemente não tenho qualquer problema em falar do assunto ou mesmo quando me perguntam se sou ou não Diabético! Até tenho um certo orgulho nisso!
Sinceramente a Diabetes não me impede nem me limita de forma alguma em nada, e claro nem, de ter uma vida perfeitamente normal, aliás, ensina-nos sim a cuidar  mais de nós, e também a conhecer o nosso corpo de uma forma especial, inclusivamente a ter  noção de  certas "loucuras" que cometemos todos os dias no aspeto alimentar sem sequer termos essa noção.
Passados quase dois anos desde diagnosticado, sinto me  mais  forte, tanto fisicamente como psicologicamente, e preparado para enfrentar qualquer tipo de obstáculo! Claro que nem todos os dias são fáceis, mas isso aplica-se de uma forma geral a todo o ser humano.
Na alimentação, procuro fazer  minimamente equilibrada, de forma, a que me sinta  bem e com energia! A noite muito raramente como Hidratos de Carbono, somente  48H antes das provas, e claro Hidratos de Carbono complexo, de absorção lenta, para assim não provocar picos glicémicos e manter a glicemia mais estável!
Com a minha dedicação e com ajuda do Meu treinador Pedro Carvalho (Evocycle) e com o apoio da Equipa que represento PORTELABIKE-KTM (representante oficial KTM) tenho feito uns bons resultados, inclusive alguns pódios,  sinto me  cada vez mais a subir de performance, e cada vez mais motivado para outros desafios!
Presentemente faço somente provas de BTT  porque realmente é o que me  fascina!

Comigo levo sempre algumas barras energéticas, um gel ou outro e claro o Glicosímetro, pois assim sinto-me "protegido"!  
Somente  em prova é que como/tomo/bebo  algo relativamente energético de índice glicémico elevado  como por ex. Barras ou Gel! (Gel é ingerido em pequenas quantidades, pois provoca Hiperglicemia)
Nos treinos simplesmente tudo natural, barras Naturais, pois é saudável e bebo somente Água!
É mais uma prova que a Diabetes não nos limita a nada!
Mas claro para tudo é necessário empenho e força de vontade!
Na minha opinião pessoal, o melhor tratamento/controlar a Diabetes obtém-se praticando desporto, embora deve, e devia fazer  parte  do dia-a-dia de cada um!
Independentemente da modalidade praticada ou em competição ou lazer o importante  é  exercitar o corpo, pois  vai evitar muitos problemas a longo prazo e vai se sentir bem  mais saudável.
A Diabetes não é nenhum "monstro" como a maioria das  pessoas a "vê" é só uma questão de controlo e dedicação e saber viver com ela! A partir daí passa tudo a ser perfeitamente normal.
Nuno Sousa
E após este relato do Nuno José Ferreira e Sousa, podemos ver que afinal ter Diabetes em nada impede de praticarmos aquilo de que tanto gostamos, o andar de bicicleta, algo que mais uma vez está provado ser um grande beneficio para a saúde, e que o Nuno José Ferreira e Sousa continua a andar, a praticar o Btt de que tanto gostas de praticar, mas claro agora com os cuidados que a sua doença exige, mas que nada o impede de praticar.
Para o Nuno José Ferreira e Sousa, esta foi uma nova experiencia na sua vida, agora um grande desafio que sem dúvida vai continuar a superar, apesar de no início ter ficado um pouco receoso, refere o mesmo que também possuiu uma grande ajuda da Catarina Grosso, a sua namorada que o ajudou imenso durante a sua hospitalização, ajudou-o em todos os aspetos, e ainda na força de vontade que o estimulou a colocar novamente de pé, e a praticar a modalidade que tanto ama, as fotos enviadas assim o demostram, uma dela com a sua namorada junto ao mar, outras em plena competição, e até uma com uma presença no pódio, demostrando assim o seu sucesso e determinação, vencendo uma batalha que se chama Diabetes, ao qual afirma que, a mesma não é nenhum "monstro" como a maioria das  pessoas a "vê" é só uma questão de controlo e dedicação e saber viver com ela! A partir daí passa tudo a ser perfeitamente normal.
Este, um belo exemplo de que relatamos aqui, e sem dúvida de louvar, e deixamos espaço em aberto para todos os que tenham histórias destas, teremos imenso gosto em as publicar, façam-nas chegar até nós.
Bons passeios, boas pedaladas.

“Dois ciclistas da Giant Alpecin, atropelados no sábado, com evolução favorável”


Foto: EPA/JAVIER LIZON
Ciclistas da Giant-Alpecin foram atropleados em Benigembla, a cerca de uma centena de quilómetros a sul de Valência, John Degenkolb da Giant-Alpecin em ação na Volta a Espanha ao lado de Kristian Sbaragli da MTN-Qhubeka em 2015.
Os ciclistas da Giant-Alpecin John Degenkolb e Chad Haga, que foram atropelados no sábado perto de Alicante, em Espanha, continuam hoje internados, mas com evolução favorável.
O alemão John Degenkolb, vencedor das 'clássicas' Milão-Sanremo e Paris-Roubaix em 2015, foi transferido para o Hospital de Manises, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica para reimplantar um dedo da mão, permanecendo em situação estável.
Fontes do hospital San Juan, de Alicante, disseram à agência EFE que o estado de saúde do norte-americano Chad Haga “permanece estável e evolui favoravelmente”, na sequência dos ferimentos no pescoço, queixo e à fratura numa órbita ocular, que obrigou também a uma intervenção cirúrgica.
O francês Warren Barguil, 14.º na edição de 2015 da Volta a França, um dos líderes da equipa alemã, tal como Degenkolb, fraturou um pulso, no acidente ocorrido no treino, mas já recebeu alta médica, no domingo, tal como o alemão Max Walscheid, o sueco Fredrik Ludvigsson e o holandês Ramon Sinkeldam.
O incidente ocorreu em Benigembla, a cerca de uma centena de quilómetros a sul de Valência, durante a tarde de sábado, quando uma cidadã inglesa entrou em contramão e abalroou os seis corredores da equipa alemã do WorldTour.
Fonte: SAPO Desporto c/Lusa

“X DUATLO do JAMOR”


A Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas esteve presente apenas com 4 atletas no passado sábado, dia 23 Janeiro, no X Duatlo do Jamor, uma prova que deu início à nova época desportiva em 2016, mas que contou apenas para o Circuito Regional Jovem, sendo também a 1ªetapa da Taça de Portugal PORterra.
Esta prova realizou-se no Centro Desportivo Nacional do Jamor, com a meta instalada na pista do Estádio Nacional, e teve o seu início pelas 10h00 da manhã, com a realização da prova jovem, aonde apenas esteve presente o atleta torrejano Duarte Santos, que no seu escalão de Iniciados, obteve um excelente 3ºlugar.

À tarde, decorreu a 1ª etapa da Taça de Portugal PORterra, uma prova constituída por 2 segmentos de corrida com 5000m e 2500m de corrida, e por 14,5kms de BTT, contou com a presença de 3 atletas torrejanos. Rafael Marques na sua estreia como Junior obteve o 7ºlugar, Gonçalo Martins também na sua estreia neste tipo de competição, foi 45ºclassificado em Séniores e Ricardo do Canto em Veteranos II chegou na 24ªposição.
A próxima prova será o Duatlo de Rio Maior, no sábado à tarde dia 30 de Janeiro, a primeira etapa pontuável para o Campeonato Nacional de Duatlo por Clubes.
Fonte: Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas