quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

“Carlos Ribeiro: «O meu sonho era chegar à elite mundial»


Por: Ana Paula Marques
Foto: João Fonseca
Problemas de saúde afastam-no da modalidade, os sonhos de Carlos Ribeiro em singrar no ciclismo caíram por terra quando foi aconselhado a terminar a carreira devido a problemas de saúde (coração). Aos 23 anos, e com possibilidades de continuar na equipa do W52, agora em associação do FC Porto-Porto Canal, o jovem de Lordelo confessou ao nosso jornal ter recebido a pior notícia. "Foi um choque, chorei, veio-me tudo à cabeça. Num primeiro momento ainda pensei continuar, mas depois com a ajuda da família e amigos superei o choque inicial e decidi o contrário."
Com uma carreira toda à sua frente, Carlos Ribeiro não vai então poder concretizar os sonhos que idealizou no ciclismo. Os seus sonhos, mas também os do pai. "Ele é fanático pelo ciclismo, foi ele que me levou para lá. Foi um grande choque quando lhe disse que não ia correr mais. Fico triste por não conseguir que um dia tivesse orgulho em mim enquanto ciclista, pois o meu sonho era chegar ao mais alto nível no ciclismo, ao patamar ProTour e poder estar nas grandes voltas."
Mas dos pais recebeu só um conselho quando os exames médicos realizados recentemente lhe detetaram um bloqueio completo do lado direito do coração. "Foram os primeiros a dizerem-me para parar, para deixar o ciclismo. E eles têm razão. Não vou desgraçar a minha saúde, a minha vida, por causa do ciclismo, ainda que seja uma desilusão não poder correr mais. É verdade que me custa ver os meus colegas saírem para treinar, mas já meti na minha cabeça que a vida não pode parar."

Trabalho

O que vai agora fazer Carlos Ribeiro, que terminou os estudos no 9º ano? "Quero arranjar trabalho ligado ao ciclismo, às bicicletas", disse-nos o jovem, adiantando que está tudo bem encaminhado para poder começar já a trabalhar numa loja do ramo.
Fonte: Record on-line

“42.ª Volta ao Algarve/Boavista, Louletano e Etixx inscrevem equipas”



A Etixx-QuickStep, a Rádio Popular-Boavista e o Louletano-Hospital de Loulé já fizeram chegar à organização da Volta ao Algarve os boletins de inscrição na 42.ª edição da corrida, que vai disputar-se entre 17 e 21 de fevereiro.
A formação belga do WorldTour apresenta-se com um bloco fortíssimo, que inclui cinco corredores que terminaram a época de 2015 no top 100 mundial: o checo Zdenek Stybar, 31.º, o campeão holandês de fundo, Niki Terpstra, 37.º, Tom Boonen, 79.º, o tetracampeão da Alemanha de contrarrelógio e vencedor da Volta ao Algarve em 2011 e 2013, Tony Martin, 92.º, e o vice-campeão belga de contrarrelógio, Yves Lampaert, 99.º.
A equipa fica completa com o sprinter alemão Marcel Kittel, que tenta recuperar em 2016 o estatuto de melhor sprinter do Mundo que lhe foi atribuído em 2013 e em 2014, com o seu lançador Maximiliano Richeze e com Julien Vermote.
A Rádio Popular-Boavista inscreveu um conjunto em que metade dos corredores fará a estreia na equipa. É o caso dos espanhóis Pablo Guerrero, Victor Etxebarria e Carlos Jiménez, e do francês Guillaume Almeida. A continuidade face a 2015 é dada pelos lusos Frederico Figueiredo, Daniel Silva, César Fonte e David Rodrigues.
O Louletano-Hospital de Loulé vai correr em casa com um conjunto luso-espanhol. Os representantes portugueses são Sandro Pinto, João Benta, Samuel Magalhães e Rui Rodrigues. De Espanha apresentar-se-ão na linha de partida Eloy Teruel, Vicente García de Mateos, José de Segovia e Francisco Cantero.
Fonte: FPC

“Gerrans assume liderança do Tour Down Under”




Foto: DAVID MARIUZ / AFP
O ciclista australiano venceu ao 'sprint' a terceira etapa da corrida.
O australiano Simon Gerrans (Orica GreenEdge) assumiu esta quinta-feira a liderança do Tour Down Under, após vencer ao ‘sprint’ a terceira etapa da corrida velocipédica australiana, em Campbelltown, após 139 quilómetros desde Glenelg.
Com o registo de 3:37.34 horas, Gerrans impôs-se ao compatriota Rohan Dennis (BMC) e ao canadiano Michael Woods (Cannondale), segundo e terceiros da tirada, e ao anterior líder, Jay McCarthy (Tinkoff), agora segundo na classificação geral, a três segundos.
Tiago Machado (Katusha) segue na 21.ª posição da geral, a 37 segundos do líder, depois de ter sido o 32.º a concluir a etapa, a 22 segundos de Gerrans, enquanto Nelson Oliveira (Movistar), que não foi além do 68.º lugar no dia, a 3.47 minutos, ocupa o 65.º posto, a 4.02.
O ‘sprinter’ norte-americano Tyler Farrar (Dimension Data) foi um dos últimos a finalizar a etapa, 21.13 minutos depois dos primeiros, fazendo-o graças a uma bicicleta emprestada por um espetador, depois de ter sofrido uma queda.
“Estamos muito agradecidos ao espetador que emprestou a sua bicicleta ao Tyler Farrar. Ele estaria fora do Tour Down Under se não fosses tu, amigo”, escreveu a equipa sul-africana no Twitter.
Na sexta-feira, o pelotão da corrida australiana vai enfrentar os 138 quilómetros da quarta e antepenúltima etapa, entre Norwood e Victor Harbor.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa

“Peter Koning conquista terceira etapa e lidera Tour de San Luis”



Foto: VINCENT JANNINK / AFP
André Cardoso foi 13º na Argentina, Kning lidera com um tempo total de 7:57.43 horas.
O ciclista holandês Peter Koning (DRAPAC) venceu na quarta-feira isolado a terceira etapa do Tour de San Luis, na Argentina, e assumiu a liderança da prova, enquanto André Cardoso (Cannondale) foi 13.º.
Peter Koning cumpriu os 131 quilómetros da etapa, que ligou El Potrero de los Funes a La Punta, em 3:08.41 horas, menos 1.37 minutos do que o colombiano Fernando Gaviria (Ettix Quick Step), segundo na tirada e anterior líder.
Na classificação geral, Koning lidera com um tempo total de 7:57.43 horas, menos seis segundos do que Gaviria, que caiu para o segundo posto.
O português André Cardoso, que chegou no 13.º lugar integrado no pelotão, ocupa a 14.ª posição, com mais 1.21 minutos do que o comandante.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa